Ibovespa cai 1,51% com risco político no Brasil e economia global sob pressão

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa se sustentou em alta até o meio da tarde, mas o risco político no Brasil segue pressionando o mercado nas últimas semanas e levando o dólar às alturas. O Ibovespa caiu 1,51% aos 77.872 pontos com giro financeiro de R$ 22,8 bilhões. Desta vez, foi a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. O assunto ainda deve render nos próximos dias, somado a dados econômicos ruins, números da pandemia e resultados corporativos fracos. Um cenário nebuloso para a bolsa. Nos EUA, a volta das ameaças de sanções comerciais com a China, pode abrir mais um capítulo negativo para os mercados. Além disso, os números divulgados nesta quarta-feira mostram queda dramática na produção industrial na zona do euro e março de 11,3% M/M e no Brasil, as venda no varejo de março devem mostrar um forte tombo também. Temos ainda o índice de atividade econômica para hoje e utilização de capacidade da indústria em março, com expectativa de queda forte. As bolsas internacionais mostram queda expressiva nesta manhã na Europa e baixa no fechamento da Ásia. A pandemia volta a assustar os mercados, o que impede a retomada das atividades.

Câmbio
Em dia de muitas incertezas do lado doméstico, a moeda americana deu mais um salto de R$ 5,8193 para R$ 5,8860 (1,15%).

Juros
Os juros futuros desta vez tiveram o peso do aumento do risco político e o contrato do Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 passou de 2,48% para 2,61% O contrato do DI para jan/27 teve um salto de 7,49% para 7,79%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Vulcabras (VULC3)
Compra de energia para 100% de suas necessidades até 2035

A Vulcabras comunicou ao mercado a assinatura de um contrato com a Casa dos Ventos para a compra de 7 MW médios para garantir 100% de suprimento de energia renovável para o processo fabril da empresa por um prazo de 13 anos, num compromisso da ordem de R$ 150 milhões.

O início de fornecimento da energia está previsto para 2022 e a expectativa de redução de 25% nos custos.

Em 2019, a Vulcabras registrou lucro líquido de R$ 143,1 milhões, 5,9% menor do que os R$ 152,1 milhões em relação a 2018.  A margem líquida na comparação dos doze meses foi reduzida em 1,7 p.p., de 12,2% no ano de 2018 para 10,5% em 2019. A divulgação dos resultados do 1T20 foi adiada para 08 de junho com a teleconferência no dia 09.

Ontem a ação VULC3 encerrou cotada a R$ 3,68 com queda de 60,0% no ano.


Vale (VALE3)
Foco na redução dos riscos

A empresa promoveu uma conferência em um banco estrangeiro, quando discutiu detalhes importantes sobre produção, custos, investimentos e meio ambiente. A apresentação enfatizou a redução dos riscos da Vale, com a reparação dos danos em Brumadinho, aumento da segurança das barragens, estabilização na produção de minério de ferro e a retomada do pagamento de dividendos.

· Produção: O guidance na faixa de 310-330-milhões para 2020 está mantido. Para 2022, a capacidade de produção deve ficar entre 390-400 milhões de t. Novos investimentos como: Projeto Sistema Norte 240 milhões de toneladas (a ser inaugurado em 2020), S11D 120 milhões de toneladas (2024), S11C (2027) e Minas Swing devem permitir que a capacidade seja elevada para a faixa entre 400-450 milhões de toneladas;

· Mercado: O mercado está equilibrado, sendo que custo e qualidade são as chaves. Nos próximos anos, a Vale deve elevar sua produção em 88 milhões de t. e os concorrentes em 79 milhões de t. Porém, vão sair 55 milhões de t.,

fazendo com o mercado não se desequilibre. A oferta de minério com alta qualidade deve cair em 100 milhões de t. entre 2019 e 2030, beneficiando o preço deste produto. A produção de aço chinesa deve ficar estável até 2030 na casa de 1,3 bilhão de toneladas ao ano.


Camil Alimentos S.A. (CAML3)
Lucro Líquido do 4T19 de R$ 83,6 milhões mostra recuperação de margem

A companhia registrou no 4T19 (terminado em fev/20) um lucro líquido de R$ 83,6 milhões com crescimento de 7,8% sobre o lucro líquido ajustado de R$ 77,6 milhões do 4T18 construído a partir do bom crescimento de receita líquida, maior geração operacional de caixa e melhora de margem.

Com isso o lucro líquido de 12M19 alcançou R$ 239,6 milhões, 2,5% abaixo do lucro de R$ 245,8 milhões do 12M18. O EBITDA somou R$ 441,7 milhões com margem de 8,2% (-2,0pp) e a Receita Líquida cresceu 13,6% (sendo +17,0% no Brasil e +5,6% no internacional) totalizando R$ 5,4 bilhões

O 4T19 registrou forte crescimento do volume de vendas de pescados de 29,5% em base de 12 meses. No mercado internacional, ressalte-se o crescimento de 18,7% em volumes com destaque para o Uruguai (+23,1%). No ano de 2019 destaque para o crescimento de 17,9% do volume de arroz, de 15,1% em feijão e 9,7% em pescados.

Receita Líquida de R$ 1,5 bilhão no 4T19, 12,0% superior a igual trimestre do ano anterior. Sua geração de caixa medida pelo EBITDA alcançou R$ 137,1 milhões no 4T19, com forte crescimento de 57% quando comparado ao EBITDA ajustado do 4T18. Nesta base de comparação a margem EBITDA cresceu 2,6pp para 9,2%.

Os investimentos somaram R$ 31,4 milhões no 4T19 (-89,4%) e R$ 135,5 milhões no 12M19 (-65,9%). Ao final do 4T19 a dívida líquida da companhia era de R$ 1,03 bilhão, 34% abaixo de R$ 1,57 bilhões do 3T19. A alavancagem caiu de 3,7x no trimestre anterior para 2,3x no 4T19.


Trisul (TRIS3)
Crescimento de 17% no lucro líquido do 1T20 somando R$ 31,1 milhões

A Companhia encerrou um 1T20 com um bom resultado se considerado todo o p^nico provocado na economia e no setor. O resultado líquido cresceu de R$ 26, milhões no 1T19 para R$ 31,1 milhões no 1T20 (+17,0).

A receita liquida ficou em R$ 171,3 milhões, queda de 5% no comparativo com o 1T19 mas houve uma melhora na margem bruta de 31,8% para 37,0%. O EBITDA somou R$ 35,9 milhões, aumento de 4%. Em decorrência da Covid-19 não houve lançamentos no período. A situação financeira da empresa fechou confortável com caixa líquido de R$ 100,8 milhões.

Ontem a ação TRIS3 encerrou cotada a R$ 6.50 com queda de 56,4% no ano.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.