Bolsa volta a cair com novos dados do vírus nos EUA.

MERCADO


Bolsa
O mês de abril começou pesado para as bolsas, com queda nos EUA e o Ibovespa cedendo 2,81%, aos 70.967 pontos, com giro financeiro de R$ 21,9 bilhões. Com estatísticas desfavoráveis em relação à contaminação pelo coronavírus, sobretudo nos Estados Unidos. Hoje a agenda econômica trouxe o IPC-Fipe de março em 0,10% em linha com 0,11% de fevereiro. Nos EUA os Novos pedidos seguro-desemprego até 28/março, a Balança comercial de fevereiro, os Pedidos às fábrica de fevereiro e os Pedidos de bens duráveis também de fevereiro. As bolsas internacionais mostram um desempenho positivo na busca de recuperar parte das perdas de ontem, com petróleo e S&P futuro em alta.

Câmbio
Dólar desacelera ao final mas fechou a R$ 5,2526 com alta de 0,9% reflexo do sentimento de aversão ao risco que tomou conta dos mercados globais. A volatilidade prossegue em meio aos desdobramentos da pandemia.

Juros
O aumento do risco nos mercados puxou para cima as taxas de juros futuros que vinham em queda há algum tempo. Ontem a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 subiu de fechou 3,233% para 3,25% e para janeiro de 2027 encerrou com taxa de 7,73%, de 7,482%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Petrobras (PETR4)
Acordo com a Sete Brasil

Ontem após o pregão, a empresa informou que celebrou com a Sete Brasil Participações S.A um acordo para finalizar um litigio arbitral. Os termos deste acordo são protegidos por confidencialidade.

· Este litigio, proposto por um acionista da Sete Brasil, tinha o intuito de obter o ressarcimento pela Petrobras de alegados danos materiais relacionados ao investimento no Projeto Sondas;

· Como consequência do acordo, a Petrobras vai reverter no balanço do 1T20 uma provisão no valor de R$ 640 milhões referente a este litigio;

· Esta é uma notícia positiva para a Petrobras, melhorando ligeiramente o resultado do 1T20, que deverá ser negativamente afetado pela redução nas vendas com as medidas de confinamento e com a forte elevação dos custos financeiros em função da desvalorização do real, além de grandes perdas de estoque em consequência da redução no preço do petróleo e derivados.


Ultrapar (UGPA)
Companhia contratou R$ 1,4 bi em linhas de financiamento de um ano

Após o pregão de ontem, a empresa comunicou algumas medidas para enfrentar o difícil momento da economia, envolvendo medidas de fortalecimento do caixa e o cancelamento de projeções para o ano.

· Para fortalecer sua posição financeira, a Ultrapar captou R$ 1,5 bilhão com prazo de 12 meses. Ao lado disso, a empresa está parcelando os pagamentos e suspendendo as cláusulas de performance de vendas dos revendedores de sua controlada Ipiranga, além de reduzir em 30% o plano de investimentos de 2020;

· A Ultrapar também cancelou as projeções otimistas que anunciou no início do mês passado, estimando um EBITDA consolidado neste ano de R$ 3,7 bilhões, valor 32,7% maior que alcançado em 2019;

· É importante destacar que as atividades das controladas da Ultrapar são consideradas essenciais, portanto as empresas estão funcionando neste momento em que grande parte da economia está parada


Even (EVEN3)
Programa de recompra de até 2% das ações em circulação

A Even divulgou Fato Relevante a decisão de recompra de ações limitada a 4.139.307 ações ordinárias, correspondente a 2% das ações da Companhia em circulação no mercado.

A ação EVEN3 encerrou ontem cotada a R$ 5,55 com queda de 64,3% neste ano, sendo 57,4% no mês de março e 9,2% no dia de ontem. A ação está cotada a 70% do seu valor patrimonial. A empresa registou lucro líquido de R$ 119,2 milhões em 2019, com crescimento na receita, EBITDA, geração de caixa e melhora na posição de endividamento. Contudo, a situação atual (coronavírus) pesará sobre os negócios do setor e os preços das ações refletem esta preocupação.


ENGIE Brasil Energia (EGIE3)
Contratação de financiamento de R$ 1,2 bilhão com BNDES para Conjunto Campo Largo

O Conselho de Administração da Engie Brasil aprovou a contratação de um empréstimo de R$ 1,243 bilhão junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a implantação das centrais geradoras eólicas da Fase 2 do Conjunto Campo Largo e a construção do sistema de transmissão associado.

Como garantias do financiamento, ficam empenhadas as ações de titularidade da CLWP II Part, garantidora do empréstimo, nas sociedades de propósito específico (SPEs) envolvidas na operação. As condições do financiamento serão definidas durante a contratação junto ao BNDES.


AES TIETÊ (TIET11)
Conselho aprovou três emissões de notas comerciais no total de R$ 500 milhões e prazo de 1 ano.

O conselho de administração da AES Tietê aprovou ontem (01/abril) a realização de três emissões de notas comerciais, no total de R$ 500 milhões. Serão duas emissões de R$ 175 milhões cada, e mais uma de R$ 150 milhões.

Todas as operações terão prazo de um ano. A 4ª emissão da companhia terá juros remuneratórios aos investidores de 100% da taxa DI mais 2,80% ao ano. A 5ª e a 6ª emissões terão taxas compostas por DI mais 3% ao ano.


Comgás (CGAS5)
Conselho aprovou a emissão de notas comerciais de R$ 200 milhões

O conselho de administração da Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) aprovou a 4ª emissão de notas comerciais da companhia, no valor total de R$ 200 milhões, em série única. Os papéis terão prazo de 360 dias, com remuneração composta por 100% da taxa DI mais um prêmio de 3% ao ano.

Os recursos líquidos captados serão utilizados para reforço de caixa e outros fins especificamente destinados para atender aos negócios de gestão ordinária da companhia.


Sabesp (SBSP3)
ARSESP estabelece cronograma da Terceira Revisão Tarifária Ordinária (3ª RTO) e o Conselho define o pagamento de dividendos (ex em 29/04)

A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) definiu o cronograma da terceira revisão tarifária ordinária (3ª RTO) da Sabesp. O cronograma tem início no dia 14 de maio, com entrega de dados históricos pela Sabesp, publicação da proposta de metodologia e publicação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC). Do dia 15 de maio a 03 de julho, ficam abertas a consulta e a audiência públicas da metodologia e do WACC. No dia 30 de julho, sai a publicação dos relatórios e notas técnicas pela Arsesp. No dia 05 de outubro, a agência recebe o plano de negócios da Sabesp.

Em 14 de janeiro de 2021, a Arsesp publica nota técnica preliminar, com cálculo da tarifa média (PO). No dia seguinte, começa a consulta e a audiência pública deste cálculo, que vai até 19 de fevereiro. No dia 09 de abril, a Arsesp publica o relatório circunstanciado, a nota técnica final e a deliberação da tarifa.

O Conselho de Administração da Sabesp propôs o pagamento de dividendos referente ao exercício de 2019 no valor de R$ 940,9 milhões. O valor será pago com base na posição acionária de 28 de abril e, a partir de 29 de abril, as ações passam a ser negociadas ex-juros. O crédito aos acionistas será realizado no dia 26 de junho. O retorno esperado é de 3,75%.


Localiza (RENT3)
Medidas para enfrentar a crise

Na noite de ontem, a empresa informou mais medidas para enfrentar este momento de retração dos negócios, envolvendo o reforço do caixa com novas captações e a postergação no pagamento de proventos.

· Para reforço de sua posição financeira, a Localiza informou que até a divulgação do balanço de 2019 já havia captado no ano um total de R$ 712 milhões. Após o balanço a empresa captou cerca de R$ 380 milhões via antecipação de recebíveis de cartões de crédito e concluiu duas novas captações, que somaram outros R$ 595 milhões;

· Em reunião realizada ontem, o Conselho de Administração aprovou a postergação do pagamento dos juros sobre o capital (R$ 67 milhões – R$ 0,088602060 antes do Imposto de Renda), que seria feito em 5/maio para 5 de janeiro de 2021;


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.