Bolsas internacionais sobem na expectativa de medidas da China para suportar a economia afetada pelo Covid-19

MERCADO


Bolsa
A notícia da Apple sobre o impacto do COVID-19 sobre seus resultados pesou sobre as bolsas, levando o Ibovespa a operar em queda durante toda a sessão, melhorando somente perto do final e marcando 0,29% de baixa no fechamento aos 114.977 pontos. O giro financeiro foi de R$ 20,2 bilhões. Hoje a agenda econômica vem carregada de indicadores com a produção de construção (dez/19) em queda forte (-3,7% na A/A) na zona do euro e dados do setor da construção e índices de preços de alimentos nos EUA. As bolsas internacionais sobem com notícia de que a China pode adotar medidas para sua economia visando compensar os efeitos do vírus. Por outro lado, pesquisadores acreditam que o vírus seguirá espalhando pelo ar, com um potencial de contaminação extraordinário. As commodities (petróleo e minério de ferro) operam em alta nesta quarta-feira.

Câmbio
Um novo salto na cotação do dólar ontem levou a moeda aos R$ 4,3622 no fechamento contra R$ 4,3280 no dia anterior (+0,79%). As preocupações com o coronavírus se ampliaram após a gigante de tecnologia Apple alertar que não vai conseguir cumprir metas de vendas por conta dos efeitos na cadeia produtiva de tecnologia.

Juros
Os juros futuros seguem operando numa faixa estreita sem nenhuma pressão de outros indicadores, mesmo com o dólar em alta o mercado de juros teve um dia de taxas perto da estabilidade. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 4,215% de 4,220% no dia anterior. O DI para jan/27 subiu de 6,371% para 6,39%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

IRB Brasil RE (IRBR3)
Resultados do 4T19 e de 2019 acima das expectativas

O IRB Brasil RE registrou um lucro líquido de R$ 632 milhões no 4T19, com crescimento de 70% em relação ao 4T18 (R$ 373 milhões), acumulando em 2019 um lucro líquido de R$ 1.763 milhões, 45% superior ao lucro de R$ 1.219 milhões de 2018. Ambos os resultados, trimestral e anual, vieram acima do esperado.

Ressalte-se que as Demonstrações da companhia foram examinadas pela EY E PWC como auditores atuariais. Suas ações registram queda de 6,8% este ano para R$ 36,30/ação (valor de mercado de R$ 34,0 bilhões) e P/L para 2020 de 17,8x. Seguimos com recomendação de COMPRA e Preço Justo de R$ 45,00/ação, que traz um potencial de alta de 24,0%.

O resultado do 4T19 pode ser explicado pelo incremento de 25% do Prêmio Emitido para R$ 2.099 milhões, sendo de +21% no Brasil e +30% no exterior. Os Prêmio retrocedidos cresceram apenas 1,7% para R$ 917 milhões. Com isso o Prêmio Retido registrou crescimento de 38% para R$ 1.484 milhões. Nesta base de comparação o Resultado de Underwriting cresceu 52% alcançando R$ 543 milhões. Após crédito de IR/CS de R$ 109 milhões o lucro somou R$ 632,1 milhões.

Em 2019 quando comparado a 2018, o Prêmio Emitido cresceu 22% somando R$ 8,516 milhões (+14% no Brasil e +34% no exterior). Os Prêmios retrocedidos cresceram 18% para R$ 2.209 milhões. Com isso o Prêmio Retido registrou crescimento de 24% para R$ 6.307 milhões. Nesta base de comparação o Resultado de Underwriting cresceu 31% alcançando R$ 1.532 milhões. O lucro somou R$ 1.764 milhões (+45%).

O IRB entregou todas as linhas de guidance previstas para 2019. O crescimento do Prêmio Emitido em 2019 foi de 22,3% dentro do intervalo previsto, entre 20% a 27%.O Índice Combinado Ampliado de 2019 foi de 70,4% dentro do intervalo de 69% a 73%. Já o Índice de Despesa Administrativa situou-se em 5,0% também dentro do intervalo de 4,6% a 5,2%. Para 2020 seguem sumarizadas as estimativas (Guidance 2020) e que sinalizam a continuidade dos bons resultados reportados em 2019.


ENGIE Brasil Energia (EGIE3)
Bom resultado do 4T19 

A ENGIE Brasil Energia (EBE) registrou no 3T19 um lucro líquido de R$ 617,5 milhões, com  queda de 19% ante o lucro de R$ 761,6 milhões no 4T18. Do lado positivo, esse resultado foi construído principalmente por melhora do resultado do serviço (EBIT) com incremento de 19,0%  em base de doze meses, e do EBITDA (+21,6%). Do lado negativo a piora do resultado financeiro por aumento do endividamento. No acumulado de 2019 em grandes números, a EBE registrou Receita Líquida de R$ 9,8 bilhões (+11,5%), EBITDA de R$ 5,2 bilhões (+18,2%) e margem de 52,7% (+3,1pp) e Lucro Líquido de R$ 2,3 bilhões (-0,2%).

A EBE recebeu R$ 351 milhões em dividendos, advindos, substancialmente, das reservas de lucros da controlada em conjunto Transportadora Associada de Gás S.A. – TAG, no 4T19.

O Conselho de Administração da EBE aprovou a proposta de distribuição de dividendos complementares no montante de R$ 949,7 milhões (R$ 1,1640/ação), a ser ratificada pela AGO, com retorno estimado de 2,3%.


Banco PINE (PINE4)
Prejuízo de R$ 24 milhões no 4T19 e de R$ 60 milhões em 2019

O Banco PINE registrou no 4T19 um prejuízo líquido de R$ 24 milhões, em linha com o trimestre anterior e queda de 68% ante o prejuízo de R$ 75 milhões do 4T19. Com isso o prejuízo de R$ 118 milhões de 2018 foi reduzido para R$ 60 milhões em 2019.

A jornada de digitalização do banco continua, em linha com a estratégia de rentabilização, pulverização da carteira e criação de valor. As perspectivas são de retomada gradual de rentabilidade, na medida em que a estratégia do banco venha sendo realizada através da pulverização da carteira Corporate II; da redução da exposição na carteira Corporate I; da maior eficiência operacional; e da transformação digital do banco, direcionada ao segmento de PME, e implementada através da construção de parcerias estratégicas.

Ressalte-se ainda a redução do risco da carteira de crédito, a pulverização da captação via depósitos de pessoas físicas com ticket reduzido, e o aumento do número de clientes ativos. O banco mantém um balanço líquido, reforçado com o recente aumento de capital, à espera de um adequado momento de rentabilização, através da geração de lucro para acelerar a utilização do alto volume de créditos tributários. Ao mesmo tempo, a estratégia de desinvestimento e desmobilização de ativos não core (BNDU), pode liberar capital e contribuir para uma melhor precificação do banco.


JBS (JBSS3)
Aquisição de participação acionária com a Empire Packing Company, L.P por US$ 238 milhões

A aquisição inclui cinco unidades produtivas localizadas em Cincinnati (Ohio), Denver (Colorado), Mason (Ohio), Memphis (Tennessee) e Olympia (Washington), além da marca de produtos ofertados no varejo, Ledbetter. A consumação da transação está sujeita à aprovação das autoridades locais, dentre outras condições usuais a este tipo de operação.


Telefônica Brasil (VIVT4)
No 4T19, o lucro líquido somou R$ 1,27 bilhão, queda de 14,3% em relação ao 4T18. No ano o resultado foi de R$ 5,0 bilhões (-44,0%)

A Companhia encerrou o 4T19 com lucro líquido contábil de R$ 1,27 bilhão, uma redução de 14,3% na comparação anual em função do maior pagamento de impostos no 4T19, relacionado à menor declaração de JSCP no período, maiores gastos com depreciação, parcialmente compensados pelo contínuo controle de custos e expansão do EBITDA. Ajustado pelos efeitos não-recorrentes dos períodos, o lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,49 bilhão no trimestre. Mesmo com a redução do lucro líquido a empresa segue com forte geração de caixa, suficiente para cobrir suas obrigações e conduzir um programa agressivo de investimentos, exigido pelo setor.

Ontem a ação VIVT4 encerrou cotada a R$ 57,78 com alta de 1,1% no ano.  A empresa é uma boa pagadora de dividendos e aprovou recentemente uma antecipação dos dividendos de 2020.


Klabin (KLBN11)
Antecipação de pagamento de linhas de crédito no montante de US$ 590 milhões

A Klabin comunicou o pagamento antecipado (voluntário) de linhas de crédito referentes a operações de pré-pagamento de exportação no montante total de US$ 590 milhões, cujo prazo médio de vencimento era inferior ao prazo médio de dívida da Klabin. No final de 2019 a dívida liquida da empresa era de R$ 14,4 bilhões, aumento de 16% sobre 2018.  A relação Dívida Líq./EBITDA era de 3,3x.


Ecorodovias (ECOR3)
Um bom resultado no 4T19

Após o pregão de ontem, a empresa apresentou seu resultado do 4T19, que mostrou forte aumento de receita com as novas concessões e elevação do lucro ajustado, mesmo com um grande incremento nos custos financeiros.
• No 3T19, a Ecorodovias obteve um lucro ajustado por fatores não recorrentes de R$ 91 milhões (R$ 0,16 por ação), valor 56,2% maior que o resultado nas mesmas bases do trimestre anterior e 28,6% acima do 4T18;
• Vale lembrar que sem considerar ajustes, a empresa sofreu um prejuízo de R$ 409 milhões (R$ 0,73 por ação) no 3T19, devido às despesas com os Acordos de Leniência.


Gerdau (GGBR4)
Um resultado fraco 4T19

O resultado da empresa do 4T19, divulgado nesta manhã, mostrou reduções nas vendas, na receita, margens e no lucro. O ponto positivo nos números do trimestre foi a expressiva redução da dívida, devido à forte liberação de capital de giro.
• A Gerdau obteve um lucro líquido ajustado de R$ 61 milhões no 4T19 (R$ 0,04 por ação), 78,8% menor que no trimestre anterior e 80,4% abaixo do 4T18. Sem os itens não recorrentes, o lucro do trimestre foi de R$ 102 milhões (R$ 0,06/ação);
• No 3T19, o volume total de vendas caiu 2,8%, sempre comparando ao 4T18. Isso ocorreu principalmente pelas negociações de ativos na América do Norte;
• A dívida líquida consolidada da Gerdau ao final do 4T19 era de R$ 9,8 bilhões, valor 19,1% menor que no trimestre anterior e 15,6% abaixo do 4T18. A dívida líquida/EBITDA no 4T19 ficou em 1,7x, bem abaixo dos 2,0x do 3T19 e 3,3x no mesmo trimestre de 2018.


Minerva (BEEF3)
Redução do capital social em R$ 380,2 milhões, absorvendo prejuízos acumulados em 2019

A proposta será submetida à aprovação em assembleia geral de acionistas. Caso a redução seja aprovada, a cifra do capital social da empresa frigorífica passará dos atuais R$ 1.340.513.576,57 para R$ 960.303.628,37, sem cancelamento
de ações.


Weg (WEGE3)
Dividendo e recompra de ações

A empresa publicou ontem, após o pregão, dois comunicados, o primeiro versando sobre o pagamento de dividendo complementar e o segundo informando sobre uma pequena recompra de ações.
• A Weg vai pagar um dividendo complementar total de R$ 351,9 milhões (R$ 0,167761411 por ação) com base nas posições acionárias de 21/fevereiro (próxima sexta-feira). As ações da Weg serão negociadas “ex-dividendos” a partir do dia 26 de fevereiro. O pagamento deste dividendo, assim como dos Juros sobre o Capital Próprio declarados em setembro e dezembro de 2019 será feito em 11 de março de 2020;
• No segundo comunicado, a empresa informou que vai iniciar um Programa de recompra de Ações, com prazo de 365 dias. Neste prazo, a empresa poderá adquiri até 265 mil ações, equivalentes a 0,03% do total em circulação no mercado. A Weg já tem 1.084.168 ações em tesouraria.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.