Bolsa: Caged sustenta alta do Ibovespa

MERCADO


Bolsa

O ambiente negativo do começo do dia provocado pela pressão do lado externo e adiamento da votação da Reforma da Previdência, acabou sendo amenizado durante o dia com a divulgação da geração de empregos em agosto. Dados do Caged mostraram um saldo líquido de geração de empregos formais de 121,387 mil, acima da mediana das estimativas na pesquisa Projeções Broadcast, de 98,881 mil. No exterior, a pressão para um processo de impeachment do presidente Trump, já perdeu força e as bolsas internacionais já operam em alta nesta quinta-feira, podendo ajudar também nosso mercado que já absorveu as notícias negativas dos últimos dias. Hoje a agenda econômica traz, do lado doméstico, o RTI – Relatório Trimestral de Inflação – do 3T19 e nos EUA o destaque fica para o PIB do 3º trimestre, balança comercial de agosto e dados do mercado de trabalho e setor imobiliário. As principais commodities operam em alta nesta manhã, com destaque para o petróleo (WTI e Brent) e minério de ferro.

Câmbio

A moeda americana encerrou o dia com desvalorização de 0,41% de R$ 4,1650 para R$ 4,1480. A ameaça de impeachement ao presidente Donald Trump e a tensão no mercado de petróleo perderam força durante o dia, aliviando o mercado de câmbio.

Juros

O mercado de juros futuros encerrou a quarta-feira com em queda. A taxa do contrato de DI para jan/21 encerrou a 5,01%, de 5,029% na terça-feira e para jan/25 a taxa fechou em 6,73% de 6,791%.  Os destaques do dia foram, a cautela em relação ao adiamento da votação da RP para a próxima semana.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

BB Seguridade (BBSE3)
Redução de capital de R$ 2,7 bilhões com restituição aos atuais acionistas de R$ 1,35/ação

O Conselho de Administração da BB Seguridade aprovou, em reunião realizada ontem (25/set) a submissão de proposta à Assembleia Geral de acionistas para: (i) Aumento do capital social no montante de R$ 450 milhões, sem emissão de novas ações, por meio da capitalização da reserva legal; e (ii) Ato contínuo, redução do capital social no montante de R$ 2,7 bilhões, sem cancelamento de ações, por considerá-lo excessivo.

Caso a redução de capital seja aprovada, os acionistas da BB Seguridade receberão, a título de restituição de parte do valor de suas ações, o montante aproximado de R$ 1,35 por ação, valor que poderá ser ajustado até a data em que a redução de capital se tornar efetiva, conforme a quantidade de ações em circulação à época.

Acreditamos que a redução de capital e a restituição aos acionistas estejam em linha com a alienação da totalidade da participação da companhia no capital do IRB Brasil RE, ocorrido em julho, cuja venda resultou no recebimento do montante de R$ 4,2 bilhões, e que produziu um ganho líquido de impostos estimado em R$ 2,4 bilhões.

Com base na cotação de R$ 34,78/ação de ontem (25/set) o retorno para os acionistas é de 3,9%. Temos recomendação de compra para BBSE3 com preço justo de R$ 37,00/ação.


Banco do Brasil (BBAS3)
Alienação de ações de sua emissão em tesouraria

A Assembleia Geral Extraordinária (AGE) do BB realizada ontem (25/set) autorizou a negociação das ações de sua emissão mantidas em tesouraria até o limite de 64 milhões de ações, equivalentes a R$ 2,9 bilhões, ao preço de fechamento de ontem de R$ 45,54/ação.

Atualmente existem em tesouraria aproximadamente 78,2 milhões de ações (R$ 3,5 bilhões).

O Conselho de Administração do BB irá definir e implementar a melhor estrutura transacional da referida negociação, tendo em vista o dinamismo do mercado e a flexibilidade e rapidez necessárias para resguardar os interesses do Banco do Brasil e do conjunto de seus acionistas.

BB vai aderir a eventual oferta de ações detidas pelo FI-FGTS. Em adição o Conselho decidiu também pela adesão do banco em eventual oferta pública secundária de ações resultante da avaliação da alienação das ações de emissão do BB de titularidade do FI-FGTS, caso esta seja a alternativa escolhida pelo fundo, para alienação das referidas 64 milhões de ações mantidas em tesouraria.

Redução de capital na BB Seguridade. Dado que o Banco do Brasil controla a BB Seguridade com 66,36% das ações, caso a redução de capital no montante de R$ 2,7 bilhões da controlada seja aprovado, o BB receberá a título de restituição de parte do valor de suas ações, o montante aproximado de R$ 1,8 bilhão, valor que poderá ser ajustado até a data em que a redução de capital se tornar efetiva, conforme a quantidade de ações em circulação à época. O BB destaca que esse montante não impactará o seu resultado, entretanto, elevará em aproximadamente 26 pontos base o índice de capital principal.


Energisa (ENGI11)
Total de energia vendida caiu 0,9% em agosto, em base de 12 meses

A Energisa divulgou sua prévia operacional com dados do mês de agosto. No total, a venda de energia caiu 0,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 2.875,6 GWh reflexo do fornecimento não faturado. No acumulado do ano, as vendas cresceram 3,9%, para 23.557,5 GWh. Tomando por base o mercado cativo da companhia mais os consumidores livres, houve aumento de 1,7% no volume de energia vendida em agosto e de 3,6% no acumulado do ano.

Consumo por região. O Centro-Oeste foi o mercado com maior crescimento (+1,8% em agosto e +6% no acumulado do ano). A maior queda aconteceu no Nordeste, de 5,8% em agosto e alta de 1,2% no acumulado do ano. No mercado Sul/Sudeste, quando se leva em conta somente os mercados cativo e livre, destaque para a alta de 3,5% no mês (+2,9% no ano). Na região Norte, queda de 1,5% nas vendas em agosto, e crescimento de 3,8% no ano.

Consumo por classe de consumidores. O maior crescimento ficou com o segmento residencial, como +4,8% em agosto e +5,4% no ano. O segmento comercial cresceu 3,3% em agosto e 4,3% no ano. Ressalte-se a queda de 2,9% no consumo industrial em agosto (+1,2% no ano). A classe rural registrou queda de 0,3% em agosto, e alta de 3% no ano. Na categoria Outros, houve alta de 1% no mês, e de 2,1% no ano.

As Units da companhia registram alta de 37,0% este ano para R$ 49,57 equivalentes um valor de mercado de 22,5 bilhões.


Guararapes (GUAR3)
Aprovação de JCP no valor bruto de R$ 0,03 por ação ON, equivalente a R$ 14,975 milhões.Ações “ex” JCP no dia 01/10

A data do crédito aos acionistas será definida na Assembleia Geral Ordinária de 2020. A ação GUAR3 encerrou ontem cotada a R$ 19,58 acumulando baixa de 2,9% no ano. O valor de mercado da companhia é de R$ 9,8 bilhões. Com base nesta cotação, o retorno para os acionistas é de apenas 0,15%.


Multiplan (MULT3)
Aprovação de JCP no valor bruto de R$ 80 milhões, correspondente a R$ 0,13417101396 por ação. Ex em 01/10

O pagamento será realizado aos acionistas até 29 de maio de 2020. Ontem a ação MULT3 encerrou cotada a R$ 28,43 acumulando alta de 18,3% no ano. O valor de mercado da Multiplan é de R$ 16,9 bilhões. Com base nesta cotação o retorno para os acionistas será de 0,47%.


Tim Participações (TIMP3)
Aprovação de JCP de R$ 0,1564 por ação ON, equivalente a R$ 378,75 milhões. Ex em 08/10.

O crédito será feito aos acionistas no dia 31 de março de 2020. A ação TIMP3 encerrou ontem cotada a R$ 11,87 acumulando valorização de 2,7% no ano.  Com base nesta cotação o retorno para os acionistas é de 1,32%.


Petrobras Distribuidora (PETR4)
Recebimento antecipado de R$ 1,4 bilhão

Na noite de ontem, a empresa informou que assinou um acordo com a Amazonas Energia, para quitação antecipada de uma dívida que está dentro dos Instrumentos de Confissão de Dívida (ICD).  O acordo prevê o pagamento único de R$ 1,4 bilhão.

  • O valor a ser recebido tem um desconto de 6%, considerando o saldo atualizado previsto para o dia 27 de setembro de 2019;
  • Esta é uma boa notícia para a Petrobras Distribuidora, com impacto direto no resultado do 3T19, dado que esta dívida já havia sido inteiramente provisionada.

Ferbasa (FESA4)
Créditos da exclusão do PIS/Cofins vão impactar o resultado do 3T19

Após o pregão de ontem, a empresa informou que a consultoria contratada para calcular o valor da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, referente ao período compreendido entre maio/1997 e julho/2019, chegou a um valor de R$ 196,1 milhões.

  • Este valor será reconhecido no resultado do 3T19 da Ferbasa, cuja divulgação está prevista para o dia 13 de novembro;
  • Esta notícia é positiva para a empresa, elevando o lucro do 3T19.  O recebimento efetivo destes créditos normalmente é feito por compensação dos impostos a pagar.

Petrobras (PETR4)
Resultado do bookbuilding da sétima emissão de debêntures

A empresa informou que foi concluído o processo de bookbuilding de sua sétima emissão de debêntures.  Serão emitidas duas séries de debêntures no valor total de R$ 3.008 milhões, com a liquidação financeira no dia 9 de outubro de 2019.

  • A primeira série de debêntures, que terá vencimento em setembro/2019, captará R$ 1.529 milhões, com remuneração de IPCA + 3,6% ao ano;
  • Na segunda série, serão captados R$ 1.489 milhões, a remuneração será de IPCA + 3,9% ao ano e o vencimento em set/2034.

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.