Expectativa em relação à decisão do Federal Reserve

MERCADO


Bolsa

O comportamento da B3 ontem foi influenciado pela expectativa em relação à decisão do Federal Reserve para os juros americanos e do BC para os juros domésticos. Do lado do Brasil, o Copom cumpriu o esperado, uma redução de 0,5% na taxa Selic de 6,0% para 5,5% ao ano. Nos EUA, o Fed reduziu a taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual, para uma faixa entre 1,75% e 2,00%, mas a decisão não foi unânime. Tanto no Brasil quanto nos EUA, existe a expectativa de mais um corte nos juros até o final deste ano. O Ibovespa ficou de lado a maior parte do dia, pesando no meio da tarde, mas conseguiu recuperação na reta final, fechando aos 104,532 pontos com variação negativa de 0,08%. O giro financeiro foi de R$ 26,4 bilhões.  Hoje, a agenda econômica traz dados dos EUA, com destaque para o mercado de trabalho e do setor imobiliário em agosto, que não devem influenciar a B3. As bolsas europeias operam em alta, enquanto os futuros de NY mostram sinal negativo nesta manhã. Atenção para as projeções econômicas da OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) – que reúne atualmente 36 países – mostrando incertezas em relação ao crescimento da economia global e reduzindo as projeções do PIB mundial de 3,2% para 2,9% em 2019 e de 3,4% para 3,0% em 2020.

Câmbio

A moeda americana teve mais um repique ontem refletindo a insegurança de investidores cada vez mais atentos ao movimento na economia global e aos desdobramentos dos atritos geopolíticos, das últimas semanas. No fechamento, o dólar bateu R$ 4,1105 ante R$ 4,0768 na terça-feira (0,83%).

Juros

Mesmo num dia carregado de expectativa em relação a decisões importantes para os juros, a taxas futuras no Brasil não sofreram pressão, com oscilações modestas. No fechamento, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020, ficou estável em 5,185%. Para jan/25, a taxa passou de 6,841% para 6,83%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Hermes Pardini (PARD3)
Aprovação de pagamento de JCP de R$ 0,0741/ação. Ex-juros em 24/09

O pagamento será realizado com base na posição acionária do dia 23 de setembro, e a partir do dia 24, as ações passam a ser negociadas ex-juros.

O crédito aos acionistas será feito no dia 17 de outubro.

Ontem a ação encerrou cotada a R$ 24,06 acumulando valorização de 30,7% no ano. Com base nesta cotação, o retorno do JCP para os acionistas é de 0,31%.


Duratex (DTEX3)
Encerramento das atividades da unidade de painéis de madeira em Botucatu (SP)

No Fato Relevante divulgado ontem, a empresa afirma que não haverá impactos no fornecimento de produtos, por conta da capacidade instalada nas demais unidades da Divisão Madeira.Essa venda e o encerramento da produção em Botucatu vão adicionar um lucro extraordinário de R$ 230 milhões para a Duratex, com impacto líquido no caixa de aproximadamente R$ 450 milhões. Ontem a ação DTEX3 encerrou cotada a R$ 12,50 acumulando valorização de apenas 5,7% no ano.


Ferbasa (FESA4)
Pequena redução no preço do Ferro Cromo para o 4T19

Na noite de ontem, a empresa comunicou que o preço básico na Europa para o Ferro Cromo Alto Carbono (principal produto da empresa), foi definido em US$ 1,02 por libra (peso) e vai vigorar no 4T19.  Este valor representa uma queda de 1,9% em relação ao preço do trimestre anterior e é 17,7% menor que no 4T18.

Apesar da queda ser pequena, esta é uma notícia negativa, que vai impactar a receita e a rentabilidade da empresa no próximo trimestre.


Petrobras (PETR4)
Decisão favorável no CARF

A Petrobras comunicou ontem, que o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), proferiu decisão favorável à empresa em processo administrativo fiscal.  Este processo trata da dedutibilidade dos gastos incorridos com o desenvolvimento da produção de petróleo e gás, para fins de apuração do Imposto de Renda e Contribuição Social.

Os impostos discutidos no processo eram referentes aos exercícios de 2012 e 2013, com valor aproximado de R$ 16,4 bilhões;

Esta é uma boa notícia, mas como a expectativa era de “perda remota”, não há impacto no balanço.


CSN (CSNA3)
Pagamento de dividendos

Após o pregão de ontem, a empresa comunicou que vai distribuir um dividendo de R$ 412,6 milhões (R$0,299003394462 por ação).  Este provento é equivalente a 25% do lucro líquido do 1S19, sendo uma antecipação ao dividendo obrigatório referente ao resultado de 2019.

O pagamento será feito no dia 30 de setembro, considerando as posições acionárias de 20/setembro (amanhã).  CSNA3 passará a ser negociada “ex-dividendos”, a partir do dia 24 de setembro;

Este provento permitirá um retorno de 2,1%, considerando a cotação de CSNA3 no encerramento do pregão de ontem.


Randon (RAPT4)
Receita de agosto cresceu 7,5%

Nesta manhã, a empresa informou que seu faturamento continua em crescimento, mas em ritmo menor que nos meses anteriores.  Em agosto, a receita líquida consolidada da Randon foi de R$ 451,3 milhões, valor 7,5% maior que no mesmo mês do ano passado.  Comparado a julho, houve uma redução de 5,7%.

No acumulado de oito meses, a receita atingiu R$ 3,4 bilhões, 22,6% maior que em igual período de 2018;

A evolução positiva da receita em julho e agosto, indica que a Randon pode apresentar também um bom resultado no 3T19.


Eletrobras (ELET3, ELET6)
Moody´s reafirmou o rating da companhia, elevando a perspectiva para positiva

A Eletrobras comunicou que ontem (18/set) a agência de classificação de risco Moody´s reafirmou o rating da companhia em “Ba3” e alterou a perspectiva de estável para positiva. Simultaneamente, a agência também reafirmou a avaliação de crédito básica da empresa (BCA) em “b1”.

A opção de aumentar a participação no capital social da Ceal (Alagoas) não foi exercida. Em reunião do Conselho de Administração da Eletrobras, realizada ontem (18/set), decidiu-se pelo não exercício da opção de aumentar a sua participação no capital social da Ceal – Companhia Energética de Alagoas S.A. (atual Equatorial Alagoas Distribuidora de Energia S.A.) em até 30%, como previsto.

Duas notícias de viés positivo para a companhia, sendo que o não exercício da opção está relacionado com a decisão de sair do setor de distribuição.


Cosan S.A. (CSAN3)
Cade aprova, sem restrições, o negócio entre a Raízen Combustíveis e a Femsa Comércio S.A.

De acordo com despacho no Diário Oficial de ontem (18/set) a Superintendência do Cade aprovou, sem restrições, a operação entre a Raízen Combustíveis S.A. co-controlada da Cosan S.A. e sua subsidiária Raízen Conveniências S.A. sociedades do Grupo Raízen, com a Femsa Comércio S.A.

O contrato estabelece os termos e as condições para a venda de participação na Raízen Conveniências para a Femsa Comércio, bem como  constituição de uma joint venture no Brasil. Com o fechamento da transação, a Femsa Comércio se tornará titular de 50% do capital social da Raízen Conveniências, através da subscrição de novas ações e também da compra de ações existentes e atualmente detidas pela Raízen Combustíveis no capital social da companhia.

Desta maneira, a Raízen Combustíveis e a Femsa Comércio serão, respectivamente, acionistas da Raízen Conveniências na proporção 50% cada do seu capital social, sendo que a Joint venture contará com estrutura profissional e de governança corporativa própria. Para a transação foi considerado um Enterprise Value de R$ 1,12 bilhão de reais, tendo como premissa a aquisição de participação em uma empresa livre de quaisquer dívidas ou caixa.


Sul América S.A. (SULA11)
Cade aprova a venda da operação de automóveis e ramos elementares para a Allianz Seguros

Superintendência do Cade aprovou operação sem restrições, segundo despacho no Diário Oficial. Lembrando que a Sul América celebrou no dia 22 de agosto de 2019, o contrato para a venda de sua operação de automóveis e ramos elementares para a Allianz Seguros S.A. por R$ 3 bilhões, com base em um patrimônio líquido de R$ 700 milhões, na recém-formada companhia a ser estruturada especificamente para o propósito da operação.

De acordo com cálculos na data da operação, a transação foi realizada a um múltiplo P/VPA de 4,3x acima de 2,8x da Sulamérica (base consolidado) e, portanto, agrega valor. Tomando por base um lucro líquido de R$ 150 milhões para a operação de auto e ramos elementares em 2019, o múltiplo P/L pago foi de 20x e se compara a 18x de SULA11.


Banrisul (BRSR6)
Controlador desiste da Oferta Secundária de Ações Ordinárias

Em 18 de setembro de 2019, o Banrisul foi comunicado pelo seu acionista controlador, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul (“Acionista Vendedor”), que após a conclusão do Procedimento de Bookbuilding referente à oferta pública de distribuição secundária de ações ordinárias de emissão do Banrisul e de titularidade do Acionista Vendedor (“Oferta”), o preço por ação apresentado não atendia ao interesse do Acionista Vendedor. Dessa forma, o Acionista Vendedor comunicou o Banrisul a respeito da decisão de cancelamento da Oferta.

Temos recomendação de compra para as BRSR6 com preço justo de R$ 30,00/ação, que traz um potencial de alta de 27,1% em relação à cotação de R$ 23,60/ação (valor de mercado de R$ 9,7 bilhões). Nesse preço as ações do Banrisul estão sendo negociadas a 1,3x o seu valor patrimonial e com P/L de 7,5x para 2019.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.