Ibovespa fecha junho com alta foi de 4,06%

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa encerrou a sexta-feira com alta de 0,24% aos 100.967 pontos e giro financeiro de R$ 14,9 bilhões. No mês de junho a alta foi de 4,06%, acumulando 14,9% no 1º semestre. Este desempenho aconteceu num período carregado de alternâncias a cada acontecimento político no Brasil e no exterior, mas influenciado positivamente pela expectativa de aprovação do projeto de reforma da Previdência. A semana abre com uma agenda carregada de dados econômicos do lado doméstico e no exterior com destaque para a taxa de desemprego na zona do euro (maio) em 7,5% (7,6% no mês anterior) e dados da economia americana divulgados ainda nesta manhã. No Brasil, destaque para o Boletim Focus. O mercado terá como centro de atenção a expectativa em relação à votação do relatório da reforma da Previdência nesta semana. As bolsas mostram alta generalizada nos principais mercados (Ásia e Europa) e nos futuros de Nova Iorque, reflexo dos acordos fechados no encontro do G-20. A arrastada discussão comercial entre EUA e China chegou a um acordo que agradou aos mercados. Os dois pontos mencionados deverão ditar o rumo do Ibovespa hoje.

Câmbio

A moeda americana encerrou junho a R$ 3,8497 com alta de 0,77% sobre os R$ 3,8202 do dia anterior. No final de maio a cotação era de R$ 3.9229. O recuo no mês foi de 1,87%. Este comportamento reflete, sobretudo, o ambiente político mais calmo no mês.

Juros

O mês de junho foi de baixa para os juros futuros, também sob a influência do ambiente favorável para a aprovação da reforma da Previdência. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 5,85% (mínima), de 5,929% na quinta-feira (27). Para jan/25 a taxa caiu de 7,571% para 7,44%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Copasa (CSMG3)  
Reajuste Tarifário

A Copasa MG comunica que a Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais – ARSAE MG divulgou no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais, em 29 de junho de 2019, a Resolução ARSAE nº 127/2019, na qual autoriza a aplicação de reajuste médio de 8,38% nas tarifas de prestação de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da companhia.

Ao preço de R$ 67,04/ação (valor de mercado de R$ 8,5 bilhões), CSMG3 registra alta de 11,3% este ano. Temos recomendação de compra e preço justo de R$ 75,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 11,9%.


ENGIE Brasil Energia S.A. (EGIE3)
Início da operação comercial – UTE Pampa Sul

A Usina Termelétrica Pampa Sul recebeu autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para iniciar operação comercial a partir de 28 de junho de 2019. A UTE Pampa Sul está localizada no município de Candiota/RS e conta com capacidade instalada de 345 MW.

A Usina utilizará como combustível para geração de energia o carvão mineral de jazida, também situada em Candiota. Seus 294,5 MW médios de capacidade comercial foram comercializados pelo prazo de 25 anos no Leilão A-5, realizado em 28 de novembro de 2014, ao preço de R$ 245,9/MWh, atualizado até 31 de março de 2019.

Ao preço de R$ 43,47/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 35,5 bilhões, suas ações registram alta de 31,9% este ano. O preço justo de R$ 45,00/ação embute um potencial de alta de 3,5%.


Banco ABC Brasil S.A. (ABCB4)   
Distribuição de JCP

O Conselho de Administração do banco, em reunião realizada em 28 de junho de 2019, aprovou a distribuição de juros sobre o capital próprio (JCP) referente ao 1º e 2º trimestres de 2019 no valor bruto total de R$ 120,16 milhões, que representa um valor bruto de R$ 0,5590 por cada ação ordinária e cada ação preferencial.

O crédito dos juros sobre o capital próprio ocorrerá no dia 17 de julho de 2019 e considerará a posição acionária do dia 04 de julho de 2019. A partir de 05 de julho de 2019 (inclusive), as ações de emissão do banco serão negociadas “ex” estes juros sobre capital próprio. O retorno líquido estimado é de 2,5%.

Ao preço de R$ 19,22/ação (valor de mercado de R$ 4,2 bilhões) suas ações registram alta de 18,4% este ano estão sendo negociadas a 1,1x o valor patrimonial e com P/L de 8,6x para 2019. Temos recomendação de COMPRA para ABCB4 e preço justo de R$ 24,00/ação, que traz um potencial de alta de 24,9%.


Santander Brasil (SANB11)    
JCP referente ao 2T19

O Conselho de Administração do Santander (Brasil) S.A. aprovou a proposta da Diretoria Executiva, ad referendum da AGO a ser realizada em 2020, de distribuição de Juros sobre o Capital Próprio (JCP), no montante bruto de R$ 1,0 bilhão equivalente a R$ 0,26804384330/Unit.

Farão jus os acionistas que se encontrarem inscritos nos registros da companhia no dia 05 de julho de 2019 (inclusive). Dessa forma, a partir de 08 de julho de 2019 (inclusive), as ações do banco serão negociadas “ex-juros”. Os JCP serão pagos a partir do dia 31 de julho de 2019. O retorno líquido estimado é de 0,5%.


Movida (MOVI3)   
Conclusão de uma grande emissão de debêntures e pagamento de JCP

Na última sexta-feira, após o pregão, a Movida divulgou dois comunicados importantes.  O primeiro sobre a conclusão da oferta de R$ 700 milhões em debêntures e o outro acerca do pagamento juros sobre o capital próprio (JCP) no valor de R$ 0,076203297.

  • A Movida Participações (holding controladora e com ações em bolsa) concluiu a emissão de R$ 700 milhões em debêntures simples, não conversíveis em ações;
  • No segundo comunicado, a Movida informou que vai pagar um total bruto de R$ 20 milhões (0,076203297 por ação) na forma de JCP.  Terão direito a este provento, os acionistas da empresa no dia 27 de setembro de 2019.  O pagamento será realizado no dia 10 de outubro.

Boletim Focus    
Mercado reduz estimativas de PIB e Selic deste ano

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus no último Boletim Focus desta segunda-feira, destaque para a nova redução das estimativas para o IPCA de 2019, convergindo com a redução das atualizações dos últimos 5 dias. Para o PIB, a mediana das estimativas acusou sua 18ª retração, reforçando as apostas negativas sobre o desempenho da economia neste ano e também. Por fim, o mercado também reduziu suas estimativas para a Taxa Selic, deste e do próximo ano, mas manteve inalteradas as projeções para a Taxa de Câmbio.

A mediana do agregado para a produção industrial registrou queda marginal para 2019, sugerindo crescimento de 0,71% ante 0,72%. Para os demais indicadores de relevância, não houve alteração em relação às estimativas anteriores.

Com isso, para 2019, as expectativas para o IPCA ficaram em 3,80%, o PIB em 0,85%, Taxa de Câmbio R$/US$ 3,80 e a Meta da Taxa Selic em 5,50% aa.

Destaques do Boletim Focus publicado na segunda-feira, para 2019:

IPCA: 3,80%;

IPCA (atualização dos últimos 5 dias): 3,79%;

PIB: 0,85%

Taxa de Câmbio: R$/US$ 3,80;

Meta Taxa Selic: 5,50% a.a.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas e Mapas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.