Realização de lucros na B3, após três altas seguidas

MERCADO


Bolsa
A terça-feira foi de realização de lucros na B3, após três altas seguidas. A queda foi de 0,20% fechando aos 97.828 pontos, com giro financeiro de R$ 12,9 bilhões.  Hoje a agenda econômica vem mais carregada com dados de produção industrial na zona do euro (janeiro) e indicadores de consumo nos EUA em fevereiro e no Brasil saiu a produção industrial em janeiro com queda de 0,8% no M/M e também baixa de 2,6% no A/A. As bolsas internacionais mostram comportamento misto nesta quarta-feira com fechamento em queda na Ásia e oscilação para os dois lados nas bolsas da zona do euro, influenciadas ainda pelas incertezas em relação ao andamento da economia global. Alguns resultados corporativos divulgados ontem poderão mexer com os respectivos papéis nesta quarta-feira.

Câmbio
A moeda americana voltou a ceder ontem, encerrando com queda de 0,68% no mercado à vista, cotada a R$ 3,8148. A expectativa positiva em relação aos próximos passos da reforma da Previdência e o fluxo de entrada de recursos no País, foram as principais justificativas para este comportamento.

Juros
Mesmo com a divulgação de um IPCA de fevereiro acima das expectativas, o mercado de juros futuros seguiu a trajetória de queda dos últimos dias. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechou com taxa de 6,415%, ante 6,445% na véspera e para jan/25 a taxa recuou de 8,672% para 8,62%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Minerva (BEEF3)
Prejuízo no 4T18 e melhora do resultado operacional

A Minerva reportou seus resultados referentes ao 4T18 com crescimento de volumes e preços que resultaram em melhora do resultado operacional e das margens (em base de doze meses). A variação cambial no trimestre amenizou o resultado financeiro, mas que continuou pesando no resultado final, um prejuízo líquido de R$ 92,1 milhões no trimestre. A Receita Líquida somou R$ 4,6 bilhões no 4T18 e o EBITDA ajustado, R$ 463 milhões com margem EBITDA de 10,0%.

  • Cotadas a R$ 6,82/ação (valor de mercado de R$ 2,6 bilhões) as BEEF3 registram alta de 36,7% este ano. O preço justo de mercado (Bloomberg) de R$ 8,35/ação, aponta para um potencial de alta de 22,4%.
  • A Receita Líquida somou R$ 16,2 bilhões em 2018, após aumento de 15,5% em relação a 2017, acima do teto do intervalo previsto, entre R$ 15,0 bilhões e R$ 16,0 bilhões. Para 2019 a estimativa da receita líquida consolidada da companhia (guidance) compreende o intervalo de R$ 16,5 bilhões a R$ 17,5 bilhões, com taxa de câmbio (US$/R$) = 3,80.
  • Em 2018 o EBITDA ajustado pelos itens não recorrentes foi de R$ 1,55 bilhão, com crescimento de 22,5% e margem EBITDA de 9,6% acima de 9,0% do ano anterior. O Fluxo de Caixa Livre em 2018, após Despesas Financeiras, Capex e Capital de Giro, atingiu R$ 752,0 milhões. O fluxo de caixa das atividades operacionais da Minerva somou R$ 1,33 bilhão.
  • Ao final de dezembro de 2018 a dívida líquida da companhia era de R$ 6,06 bilhões (incluso R$ 4,4 bilhões em caixa), com crescimento de 4,6% em doze meses e queda de 15,9% em relação ao 3T18. A alavancagem passou de 5,0x o EBITDA no 3T18 para 3,9x no 4T18 sendo que o duration da dívida se manteve alongada em 4,9 anos. Ao final do trimestre, aproximadamente 74% da dívida total (R$ 10,47 bilhões) estava exposta à variação cambial.

Tenda (TEND3)
Lucro líquido de 2018 soma R$ 200,3 milhões, aumento de 87,7% sobre 2017

A companhia registrou forte crescimento no resultado líquido do 4T18/4T17, (36,2%) somando R$ 48,0 milhões no último período. No acumulado do ano o resultado foi de R$ 200,3 milhões ante R$ 106,7 milhões em 2017. No comparativo anual a margem líquida passou de 7,9% para 11,9%.

 Guidance para 2019:

  • Em 2018 a margem bruta ajustada foi de 36,3%. Para 2019 a estimativa fica na faixa mínima de 34,0% e um máximo de 36,0%.
  • Para as Vendas Líquidas que atingiram R$ 1,85 bilhão em 2018, estima-se uma oscilação entre o mínimo de R$ 1,95 bilhão e o máximo de R$ 2,15 bilhões.

 A ação TEND3 encerrou ontem cotada a R$ 35,97 acumulando alta de 12,1% neste ano.


Petrobras (PETR4)
Emissão e recompra de títulos

A empresa anunciou ontem que emitirá um total de US$ 3 bilhões, que financiará parte da recompra de até US$ 4,5 bilhões em títulos globais.
• A gestão da dívida é uma das características positivas da administração da Petrobras nos últimos anos. Além de reduzir o endividamento total, a empresa conseguiu elevar o prazo médio de pagamento da dívida e diminuir os custos;
• As emissões serão feitas em duas séries. A primeira, no valor de US$ 750 milhões, terá taxa de 5,75% ao ano e vencimento em 2029. Na segunda, serão emitidos títulos no valor de US$ 2,25 bilhões com vencimento em 2049 e retorno de 6,9% ao ano;
• Com os recursos da emissão, a Petrobras pretende recomprar até US$ 4,5 bilhões de sete emissões, cujos vencimentos ocorreriam entre 2021 e 2025.


Klabin (KLBN11)
Conselho aprova emissão de R$ 1 bilhão em debentures

O Conselho de Administração da Klabin informou ontem (12) que aprovou a 11ª emissão de debentures com as seguintes características:

  • Valor Total da Emissão: O valor total da Emissão será de R$ 1 bilhão;
  • Número da Emissão: A 11ª emissão de debêntures da Companhia;
  • Número de Séries: A Emissão será realizada em até séries, sendo as Debêntures da 1ª série as “Debêntures DI” e as Debêntures da 2ª série as “Debêntures IPCA”, definidas após a conclusão do procedimento de Bookbuilding, ressalvado que qualquer uma das séries das Debêntures poderá não ser emitida, conforme resultado do Procedimento de Bookbuilding;
  • Quantidade: Serão emitidas 1 milhão de Debêntures, alocadas entre as respectivas Séries conforme demanda da Securitizadora;
  • Valor Nominal Unitário: O valor nominal unitário das Debêntures será de R$1.000,00;
  • Data de Emissão: A data de emissão será aquela prevista na Escritura de Emissão;
  • Data de Vencimento: A data de vencimento das Debêntures DI será 16 de março de 2026 e a data de vencimento das Debêntures IPCA será 15 de março de 2029, ressalvadas as hipóteses de vencimento antecipado das Debêntures, Resgate Antecipado Total, Resgate Antecipado Facultativo Total e Oferta de Resgate Antecipado;

Segundo a companhia os recursos obtidos por meio da emissão serão destinados integralmente na gestão de seus negócios, exclusivamente vinculada às atividades no agronegócio, no âmbito da silvicultura e da agricultura, em especial por meio do emprego dos recursos em investimentos, custos e despesas relacionados com o florestamento, reflorestamento, aquisição de defensivos agrícolas, adubos, madeira, serviços de manejo de florestas e de logística integrada de transporte de madeira.

Ontem a unit da Klabin (KLBN11: 1 ON e 4 PN’s) encerrou cotada a R$ 17,66 acumulando valorização de 11,3% neste ano. O valor de mercado atual da companhia é de R$ 20,5 bilhões, com as units negociadas a 2,95x o valor patrimonial.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.