Bolsa marca o terceiro pregão consecutivo em alta

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa seguiu o bom humor das bolsas internacionais e do ambiente doméstico positivo em relação à reforma da Previdência, após articulações do governo junto aos parlamentares. Neste contexto, a bolsa marcou o terceiro pregão consecutivo em alta, fechando aos 98.027 pontos, com ganho de 2,79%, o segundo maior do ano. O volume financeiro somou R$ 14,7 bilhões. Hoje a agenda econômica traz o IPC-Fipe semanal com alta de 0,54% e a inflação de fevereiro medida pelo IPCA com alta de 0,43% no M/M e de 3,89% no A/A, completando a lista com dados dos EUA. As bolsas internacionais operam em alta novamente com a expectativa positiva para os indicadores a serem divulgados nos próximos dias no exterior. No Reino Unido a economia mostrou crescimento de 0,5% em janeiro. Ainda no Reino Unido a primeira ministra Theresa May negocia com o parlamento a questão do Brexit. O bom humor externo poderá influenciar nosso mercado mais uma vez.

Câmbio
Na contramão da bolsa, a moeda americana voltou a recuar ontem, encerrando com queda de 0,75% no mercado à vista, cotada a R$ 3,8409. O ambiente político mais calmo nos últimos dias ajudou para o recuo do dólar.

Juros
O mercado de juros futuros também mostrou recuo na segunda-feira com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechando em 6,445%, de 6,465% no ajuste de sexta-feira. Para jan/25 a taxa passou de 8,812% para 8,67%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Direcional (DIRR3)
Forte desempenho econômico-financeiro no 4T18 e em 2018

A companhia apresendtou reversão no prejuízo de 2017, encerrando 2018 com lucro líquido de R$ 77,5 milhões. Houve melhora nas principais contas de resultado, redução no endividamento líquido e ainda forte geração de caixa no período.

– Em fato relevante divulgado em 11/03, a empresa informou que seu Conselho de Administração, aprovou a distribuição de dividendos intercalares, equivalente à quantia de R$ 0,38) por ação.

Ontem a ação DIRR3 encerrou cotada a R$ 8,90 acumulando alta de 19% neste ano. Com base nesta cotação o dividendo aprovado representa um retorno de 4,3% para os acionistas.


 

M Dias Branco (MDIA3)
Aumento de custo e redução de volume pressionaram as margens no 4T18

A M Dias Branco registrou no 4T18 um lucro líquido de R$ 139,8 milhões com queda de 30,8% em relação aos R$ 201,9 milhões de igual trimestre de 2017, redução explicada pela piora do resultado operacional que refletiu o aumento de 44,4% do custo médio do trigo e a redução dos volumes produzidos, com reflexo na menor diluição dos custos. Some-se a piora do resultado financeiro, em função do resgate de aplicações financeiras para pagamento da aquisição da Piraquê e do aumento do endividamento. As despesas operacionais seguem controladas apresentando redução na proporção da receita líquida.

  • No acumulado de 2018 o lucro caiu 14,3% para R$ 723,5 milhões, impactado pela alta de 30,3% do preço do trigo, seu principal insumo, do comportamento do câmbio, aliado ao reconhecimento de despesas não recorrentes no valor de R$ 30,8 milhões. Nesse contexto o EBITDA caiu 3,5% para R$ 933,0 milhões, com a margem EBITDA passando de 17,8% em 2017 para 15,5% em 2018. A receita líquida em 2018 cresceu 11,3% para R$ 6,0 bilhões, sustentada pelo aumento de 12,0% do preço médio dos produtos, que compensou a queda de 0,7% em volume, notadamente nos segmentos “farinha e farelo” e “margarinas e gorduras”.
  • A tendência para 2019 é de crescimento nas regiões e subcategorias de produtos onde a companhia possui menor participação de mercado. Com isso esperamos melhora do resultado operacional e incremento de margem, que virão com a redução efetiva dos custos, maior ocupação de sua capacidade e a continuidade da captura dos ganhos de sinergia com a aquisição da Piraquê.
  • Seguimos com recomendação de compra e preço justo de R$ 56,00/ação, equivalente a um potencial de alta de 20,5% em relação a cotação de R$ 46,49/ação. Nesse preço suas ações registram alta de 8,6% esse ano e queda de 12,8% em doze meses.

Banco Bradesco S.A. (BBDC4)
Sumário da AGO/E

O Bradesco comunicou que foram aprovadas todas as matérias apreciadas nas Assembleias Gerais, Extraordinária e Ordinária realizadas cumulativamente ontem, 11 de março de 2019. Ontem as BBDC4 fecharam cotadas a R$ 44,85/ação (valor de mercado de R$ 301,4 bilhões) com alta de 16,2% este ano. Seguimos com recomendação de compra com preço justo de R$ 52,00/ação equivalente a um potencial de alta de 15,9%.

  • Assembleia Geral Extraordinária (AGE). Destaque para a aprovação do aumento do capital social em R$ 8,0 bilhões, elevando-o de R$ 67,1 bilhões para R$ 75,1 bilhões, com bonificação de 20% em ações, mediante a capitalização de parte do saldo da conta “Reservas de Lucros – Reserva Estatutária”, com a emissão de 1.343.971.619 ações, sendo 671.985.845 ordinárias e 671.985.774 preferenciais, que serão atribuídas gratuitamente aos acionistas na proporção de 2 novas ações para cada 10 ações da mesma espécie de que forem titulares na data-base, a ser fixada após a homologação do processo pelo Banco Central do Brasil. Como já divulgado, o custo atribuído às ações bonificadas será de R$ 5,952506650/ação.
  • Assembleia Geral Ordinária (AGO). Foram aprovadas (i) as contas dos administradores e as demonstrações contábeis relativas ao exercício social findo em 31.12.2018; e (ii) a destinação do lucro líquido do exercício de 2018, no montante de R$ 19,1 bilhões, com destaque para os R$ 7,3 bilhões destinados ao pagamento de juros sobre o capital próprio, integral e antecipadamente pago. Não foi proposta nova distribuição de juros sobre o capital próprio/dividendos relativos ao ano de 2018.

CCR (CCRO3)
Leilão da Linha 15 – Prata do monotrilho de São Paulo

A empresa venceu ontem o leilão de concessão da Linha 15 – Prata da rede metroviária de São Paulo (monotrilho). A CCR detém 80% do consórcio vencedor, em associação com a RuasInvest Participações (20%), que vai pagar R$ 160 milhões pela outorga fixa da concessão, que tem prazo de 20 anos.
• Esta foi uma notícia positiva, que amplia a presença da empresa na área de mobilidade em São Paulo, além de reduzir o prazo médio de suas concessões;
• Também ontem, a CCR alterou a data de divulgação do seu balanço do 4T18 de 15 para 21 de março, após o pregão. A teleconferência vai ocorrer no dia seguinte às 12 horas.


Vale (VALE3)
Suspensão das atividades no Terminal da Ilha Guaíba

Após o pregão de ontem, a Vale informou que recebeu notificação da Prefeitura Municipal de Mangaratiba-RJ, determinando a suspensão temporária das atividades portuárias no Terminal da Ilha Guaíba. A empresa destacou que tem todas as licenças de operação do terminal e vai adotar as medidas cabíveis para o retorno à atividade deste terminal.
• Esta é uma má notícia, por se tratar de um grande terminal para exportações de minério de ferro;
• O Terminal da Ilha Guaíba está localizado na baía de Sepetiba – RJ, sendo usado para a exportação de minério proveniente, principalmente, do Sistema Sul.


Petrobras (PETR4)
Venda de campos de petróleo em águas rasas

Ontem, após o pregão, a Petrobras anunciou o início da fase vinculante do processo de venda do Polo Rio Grande de Norte, composto por seis campos em águas rasas (Agulha, Cioba, Ubarana, Oeste de Ubarana, Pescada e Arabaiana).
• Na fase vinculante, interessados habilitados na fase anterior receberão instruções detalhadas sobre a venda dos ativos e as orientações para o due diligence e o envio das propostas;
• A venda de ativos é sempre uma boa notícia para a Petrobras. Afinal, este é um dos pilares do processo de reestruturação que a empresa está passando.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.