Boletim Diário – 14 de Novembro 2018

MERCADO

Bolsa
A B3 pesou ontem com a queda forte no nos preços do petróleo e pelas notícias políticas do lado doméstico, dando foco à questão da previdência. No fechamento o Ibovespa marcou baixa de 1,70%, aos 84.914 pontos e volume financeiro de R$ 13,8 bilhões. A agenda econômica de hoje traz dados da produção industrial chinesa e vendas no varejo, em outubro, ambos com alta expressiva no A/A. Completam os destaques a produção industrial na zona do euro em setembro e o PIB do 3T18 na região. No Brasil, apenas o IGP-10 com queda de 0,16%. As bolsas internacionais operam pesadas nesta quarta-feira com queda na zona do euro ainda sob o impacto do mercado de petróleo e pela situação na Itália, com seus bonds em queda. Na Ásia o fechamento foi também negativo. Este cenário poderá novamente refletir no Ibovespa hoje

Câmbio
A terça-feira foi de alta forte na moeda americana com valorização de 1,78% no mercado à vista, fechando cotada a R$ 3,8268. A queda do petróleo no mercado internacional e a indicação de que a pauta da previdência ficará mesmo para o ano que vem, o que não deveria ser uma surpresa, mexeu com este mercado ontem.

Juros
O mercado de juros futuros teve a influência do comportamento do petróleo com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechando praticamente estável em 7,02%, de 7,060% na véspera, mas com alta de 10,080% para 10,15%, no DO para jan/25.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Hapvida (HAPV3)

Crescimento de 22,5% no lucro líquido do 3T18, somando R$ 190,2 milhões

No acumulado de 9 meses o resultado foi de R$ 554,3 milhões, aumento de 16,1% sobre os 9M17.  A companhia registrou crescimento nas principais contas de resultado, mas com aumento maior custo total.

Principais destaques do 3T18 e acumulado de 9 meses:

  • A receita liquida somou R$ 1,16 bilhão no 3T18 (+17,6%) e nos 9M18 totalizou R$ 3,36 bilhões, aumento de 200% sobre os 9M17. A margem bruta reduziu de 40,2% para 37,4% no comparativo trimestral e de 41,1% para 40,2% em 9 meses;
  • O EBITDA atingiu R$ 682,1 milhões nos 9M18, superior em 16,7% na comparação com os 9M17, e margem de 20,3%, uma redução de 0,5p.p. em relação mesmo período.

A ação HAPV3 encerrou ontem cotada da R$ 25,70. A empresa abriu seu capital neste ano com início das cotações em 24 de abril, abrindo a R$ 23,50.


JBS (JBSS3)

Lucro Líquido ajustado de R$ 2,1 bilhões no 3T18

A JBS registrou um prejuízo liquido de R$ 133,5 milhões no 3T18, que se compara ao lucro de R$ 323,0 milhões do 3T17 basicamente por conta do pior resultado financeiro entre os trimestres comparáveis. Em base ajustada (excluindo a variação cambial e a adesão ao PRR-Funrural) a companhia registrou um lucro líquido de R$ 2,1 bilhões.

  • Suas ações fecharam cotadas a R$ 9,85/ação com leve alta de 0,9% este ano. O preço justo de R$ 11,90/ação embute um potencial de alta de 20,8% para suas ações.
  • A receita líquida do 3T18 cresceu 20,1% para R$ 49,4 bilhões ante o 3T17, com destaque para JBS Brasil e Seara, que registraram crescimento no período de 37,2% e 8,8%, respectivamente.
  • O EBITDA ajustado pelo impacto da adesão ao PRR-Funrural, apresentou crescimento de 2,6% para R$ 4,4 bilhões com margem EBITDA de 9,0% ante 10,5% do 3T17. Destaque para as unidades JBS Brasil com crescimento no EBITDA de 882,3% e JBS USA com alta de 10,3%.
  • Ao final do 3T18 a dívida líquida da JBS era de R$ 49,5 bilhões (3,4x o EBITDA) levemente abaixo de R$ 50,4 bilhões do 2T18 (3,5x o EBITDA).

SLC Agrícola S.A. (SLCE3)

Resultado do 2T18 refletiu menor volume faturado de soja

A SLC Agrícola registrou no 3T18 um lucro líquido de R$ 35,6 milhões, com queda de 49,5% em relação ao lucro de R$ 70,5 milhões do 3T17, um resultado explicado por queda de receita e do resultado operacional, refletindo principalmente a dinâmica de apropriação dos ativos biológicos e o deslocamento dos volumes faturados de soja. No 9M18 o lucro cresceu 60,4% para R$ 373,0 milhões enquanto o EBITDA ajustado elevou-se 26,6% totalizando R$ 397,6 milhões, em nível recorde para a companhia.

  • Ao final de setembro de 2018 o valor líquido dos ativos (NAV) da companhia era de R$ 4,21 bilhões, equivalente a R$ 44,20/ação, que se compara ao preço de R$ 54,60/ação, após alta de 115,0% este ano.
  • A empresa vem buscando um equilíbrio entre crescimento (através de arrendamentos e das Joint Ventures atuais), geração de caixa, e redução da alavancagem, com foco na melhoria de produtividade agrícola, maior eficiência operacional e escala de produção, e que no conjunto, passam por redução dos custos e utilização de tecnologia.
  • Ao final do 3T18 a dívida líquida ajustada da companhia era de R$ 1,19 bilhão, 9% acima de R$ 1,09 bilhão do 2T18. Esse incremento pode ser explicado pelo forte aumento de área plantada para a nova safra (notadamente a incorporação de uma nova unidade de produção – a Fazenda Pantanal), com exigência de maior capital de giro.

Comgas (CGAS3)

Suprimento de gás e fim de outras disputas judiciais

O Conselho de Administração da Comgas reunido ontem (13/nov) aprovou os aditivos contratuais relacionados ao suprimento de gás natural entre a companhia e a Petrobras, que preveem a prorrogação de tais contratos até 2021. Tais aditivos foram aprovados pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo – ARSESP. As partes encerraram as ações judiciais sobre os referidos contratos de suprimento de gás, o que resultou na liquidação pela Comgás do montante já provisionado de, aproximadamente, R$ 1,0 bilhão à Petrobras.

  • Além disso, Comgás e Petrobras também negociaram termos de compromisso vinculantes garantindo suprimento de gás da companhia no período de 01.01.2022 até 31.12.2027, sendo que os contratos decorrentes de tais termos serão submetidos à aprovação da ARSESP em momento oportuno.
  • Em adição, as duas companhias encerraram em 13/novembro, as ações judiciais propostas pela Comgás não relacionadas ao custo de gás. Como consequência, a companhia será indenizada em, aproximadamente, R$ 800 milhões, antes de variações monetárias e dedução de impostos, o que será apresentado nas próximas demonstrações financeiras da companhia.
  • Seus papéis fazem parte de nossa Carteira Mensal e de Dividendos para o mês de novembro. Ontem suas ações fecharam cotadas a R$ 56,06/ação com queda de 0,6% este ano. O preço justo de R$ 63,00/ação traz um potencial de alta de 12,4%.

Copel (CPLE6)

Aprovado programa de Investimentos de R$ 1,97 bi para 2019

O Conselho de Administração da Copel Energia aprovou ontem (13/nov) o programa de investimentos de R$ 1,97 bilhão para 2019, que seguem sumarizados na figura abaixo. Tais números não contemplam a apropriação de mão de obra própria, encargos e outros. Para 2018 estão previstos R$ 2,93 bilhões.

  • Este ano as CPLE6 registram alta de 16,7% para uma cotação de R$ 27,82/ação, correspondente a um valor de mercado de R$ 7,6 bilhões. O preço justo de R$ 32,00/ação traz um potencial de alta de 15,0% para suas ações.
  • Desse total, destacam-se os R$ 835 milhões previstos para a Copel Distribuição, R$ 768,5 milhões para a Copel Geração e Transmissão e R$ 290,2 milhões para a Copel Telecomunicações. No conjunto, estes três segmentos consolidam 96,3% do total inicialmente previsto para o ano que vem.

Triunfo (TPIS3)

Resultados do 3T18

A Triunfo divulgou ontem, após o pregão, seus números do 3T18, que mostraram redução na receita e nas margens, mas com a menor contabilização de itens não recorrentes, houve redução no prejuízo contábil.

  • No 3T18, a Triunfo teve um prejuízo líquido contábil de R$ 51 milhões, contra um resultado negativo de R$ 256 milhões no mesmo período do ano passado;
  • O resultado pró-forma (sem os efeitos das Operações Descontinuadas) indicou um prejuízo de R$ 51 milhões, comparando à perda de R$ 21 milhões no 3T17.

Even (EVEN3)

Prejuízo de R$ 12,4 milhões no 3T18 e R$ 68,4 milhões em 9 meses

A Even encerrou o 3T18 com VGV lançado (parte Even) de R$ 128,3 milhões (2 lançamentos) e no acumulado de 9 meses foram lançados 4 empreendimentos com VGV de R$ 436,5 milhões.

  • A receita líquida caiu 19,1% no comparativo trimestral somando R$ 395,1 milhões em set/18 e reduziram 6,0% em 9 meses, totalizando R$ 1,1 bilhão.
  • O EBITDA ajustado reduziu 35,4% no 3T18, somando R$ 26,5 milhões e no acumulado do ano totalizou R$ 35,3 milhões sobre os R$ 4,8 milhões nos 9M17.
  • A dívida liquida em set/18 era de R$ 731,8 milhões, redução de 36,9% em relação a set/17.

No 3T18 e no acumulado do ano a Even registrou queima de caixa de R$ 89,8 milhões e R$ 289,0 milhões, respectivamente.

A ação EVEN3 encerrou ontem cotada R$ 4,50 acumulando queda de 21,8% no ano. O valor de mercado da companhia é de R$ 976,5 milhões.


Se preferir, baixe o Boletim Diário em pdf:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas


Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. 
As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.