Ferbasa

Ferbasa – Relatório de Análise

Forte valorização das ações não deixa espaço para novas altas

A Ferbasa foi beneficiada nos últimos trimestres pela elevação dos preços de seus produtos e a desvalorização do real, conduzindo a expressivos aumentos de rentabilidade.  Estimamos que a empresa continuará a apresentar bons resultados no restante do ano, mesmo se esperando a valorização do real e uma queda nos preços do ferro cromo.  Esta maior rentabilidade deve permitir que a empresa apresente já no segundo semestre de 2021 uma posição de caixa acima do endividamento.  Neste contexto revisamos as projeções da Ferbasa e elevamos o Preço Justo de FESA4 para R$ 38,00/ação, vindo de R$ 34,00.  No entanto, mesmo com as expectativas positivas para os resultados, a forte valorização de FESA4 (104,3% em 2021), impede que tenhamos um potencial de alta para a ação.

  • Ferro Cromo (FeCr): Os preços deste produto estão em forte alta. No 1T21, a cotação base na Europa subiu 3,1% e no segundo trimestre houve um salto de 32,8%.  Isso ocorreu devido às restrições de produção, com forte retomada do consumo na China.  Na Europa, o consumo está subindo, o que sustenta os preços.  Para o segundo semestre/2021, a produção na China estará normalizada e os estoques já deverão estar recompostos, o que pode levar a quedas nos preços;
  • Ferro silício (FeSi): As cotações deste produto estão também em alta, seguindo o bom momento da produção de aço carbono. Além disso, a recente elevação das tarifas de exportação da china do ferro silício para 25% impulsionaram os preços.  Para o restante do ano as expectativas para o FeSi continuam positivas, tendo em vista o elevado consumo por parte das siderúrgicas;
  • Custos: No 1T21, houve uma elevação considerável dos custos de produção (CPV) por conta da alta, principalmente, dos preços da energia elétrica. Este item representou 22% do CPV e teve alta de 34,3% no preço médio durante o 1T21, considerando as compras da CHESF e do Mercado Livre.  Os preços elevados da energia devem continuar no restante do ano;
  • Câmbio: A evolução da taxa de câmbio é muito importante para a Ferbasa, que tem 100% de suas receitas indexadas ao dólar. Portanto, a valorização recente do real, 11,4% no 2T21, reduz a receita e as margens da empresa.  Por outro lado, a queda do dólar diminui as perdas com operações de hedge.

Clique acessar:

Ferbasa - Relatório de Análise


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.