Ibovespa fecha com alta de 1,50% com investidores buscando papéis descontados

MERCADO


Bolsa
Mesmo sem o respaldo de alguma notícia positiva, extensão de lockdown na Europa, petróleo em queda, o Ibovespa encerrou com alta de 1,50% aos 113.750 pontos, com giro financeiro de R$ 36,3 bilhões (R$ 29,6 bilhões). A pressão sobre papéis de peso no índice e com os resultados de 2020 já conhecidos, voltaram a atrair investidores, com destaque para Petrobras e bancos. As bolsas de NY fecharam em alta com o governo Biden que deverá dobrar a meta de vacinação no país de 100 para 200 milhões de doses da vacina até o final de abril. A notícia aumentou o otimismo nas bolsas. Hoje a agenda econômica vem carregada de indicadores dos Estados Unidos com dados de fevereiro (balança comercial, estoque no varejo, renda e gastos pessoais, etc). No Brasil, saem o saldo em conta corrente e de investimento estrangeiro direto. O cargueiro gigante (200 mil toneladas) encalhado no Canal de Suez pode levar até uma semana para desbloquear o canal. A consequência deve ser observada nos custos de mercadorias em navios na fila do canal. O petróleo vem mostrando volatilidade alta nestes últimos dias, com queda acentuada ontem, mas hoje mostra recuperação superior a 2% no Brent e WTI. As bolsas internacionais operam em alta nesta manhã na Europa e nos futuros de NY.  No Brasil, destaque para a aprovação do texto do Orçamento do governo para 2021 na Câmara dos Deputados, faltam os destaques e votação no Senado.

Câmbio
Ontem, a moeda americana voltou a subir passando de R$ 5,6227 para R$ 5,6476 (+0,44%).

Juros
Após sessões seguidas de alta, os juros futuros recuaram ontem, com leilão do Tesouro e divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI). A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 caiu de 4,741% para 4,665% e para jan/27 o DI recuou de 8,70% de 8,67%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Sabesp (SBSP3)
Lucro de R$ 831,5 milhões no 4T20 ante R$ 1,06 bilhão no 4T19

A Sabesp registrou no 4T20 um lucro líquido de R$ 831,5 milhões, que se compara ao lucro de R$ 1,0 bilhão de igual trimestre do ano anterior. Um resultado impactado por incremento de 3,8% na receita, melhor resultado operacional (+6,8% no EBITDA ajustado) e piora no resultado financeiro. Em base trimestral o lucro registrou crescimento de 97%.

Ao preço de R$ 40,86 (valor de mercado de R$ 27,9 bilhões) a ação registra queda de 8,1% este ano. Seguimos com recomendação de COMPRA para SBSP3.

Tomando por base o resultado de 2020 na comparação com 2019 à receita operacional líquida somou R$ 17,9 bilhões, um decréscimo de 1,0% ante 2019. Os custos e despesas, que consideram os custos de construção, somaram R$ 13,4 bilhões, um acréscimo de 9,5% quando comparados ao ano anterior.

Em 2020 a companhia apresentou um lucro líquido de R$ 973,3 milhões, comparativamente aos R$ 3,4 bilhões em 2019. O resultado financeiro líquido elevou-se de R$ 1,0 bilhão negativo para uma despesa financeira líquida de R$ 3,2 bilhões em 2020, e explica em grande parte a redução do resultado entre os períodos comparáveis.


CPFL Energia (CPFE3)
Lucro Líquido de R$ 989 milhões no 4T20 (+15,5%)

A CPFL Energia registrou um lucro líquido de R$ 989 milhões no 4T20, representando um crescimento de 15,5% na comparação com os R$ 857 milhões reportados no 4T19, refletindo a melhora do desempenho operacional, notadamente no seu mercado de distribuição e geração.

Com base no resultado o conselho de administração propôs a distribuição de R$ 1,73 bilhão na forma de dividendos, equivalente a R$ 1,501869855/ação, correspondente ao payout de 50%. O retorno estimado é de 4,9%.

Ao preço de R$ 30,77 por ação (valor de mercado de R$ 35,4 bilhões) a ação CPFE3 apresenta queda de 5,5% este ano. O preço justo de R$ 40,00/ação traz um potencial de alta de 30,0%.

Ao final de dezembro de 2020 a dívida líquida da companhia era de R$ 15,7 bilhões (2,2x o EBITDA) e se compara a R$ 16,8 bilhões em dezembro de 2019 (2,5x o EBITDA). Os investimentos somaram R$ 880 milhões no 4T20 e R$ 2,8 bilhões em 2020 (+24,6%). A companhia ampliou a previsão de investimento até 2025 para R$ 15,2 bilhões (sendo de R$ 3,4 bilhões em 2021).


Smiles (SMLS3)
Aprovação de dividendos intermediários de R$ 500 milhões (R$ 4,0/ação)

O conselho de administração da Smiles aprovou o pagamento de R$ 500 milhões, com lastro nas demonstrações financeiras do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2020, correspondentes a R$4,0270958 por ação ordinária de emissão da Companhia. A data “ex” não foi informada na ata da reunião do conselho que fala sobre a distribuição de dividendos. Com base na cotação de fechamento de ontem (R$ 24,85) o retorno será de 16,2%.


Telefônica Brasil (VIVT3)
Nova parceria com a Dotz

A Telefônica Brasil assinou memorando de entendimentos vinculante com a Dotz formalizando a parceria estratégica para intensificar a relação comercial já existente entre as duas empresas. Segundo a empresa, a nova parceria visa, viabilizar a extensão do prazo do acordo comercial corrente por cinco anos, ampliar a atuação da plataforma Dotz no ecossistema da Vivo, disponibilização da Conta Digital Dotz aos clientes da Vivo e a disponibilização de produtos e serviços da Vivo no ecossistema da Dotz.


Ser Educacional (SEER3)
No 4T20, lucro líquido de R$ 121,5 milhões e no ano foram R$ 165,0 milhões

A Ser Educacional registrou lucro líquido de R$ 121,5 milhões no quarto trimestre de 2020, revertendo o prejuízo de R$ 2,6 milhões no mesmo período do ano anterior. No acumulado do ano, o lucro foi de R$ 165,0 milhões, aumento de 21% ante 2019. Se considerados todos os problemas que o setor enfrenta desde 2019, os resultados foram satisfatórios.

No 4T20, a receita liquida somou R$ 329,5 milhões (- 6,0% em relação ao 4T19) e R$ 1,25 bilhão no ano (-2,0%).

Em 2020, o grupo registou crescimento de 3,5% na base de alunos, atingindo 191 mil estudantes.

Investimentos – Redução de 22% no ano, somando R$ 50 milhões.

O caixa líquido (caixa-dívida) permaneceu praticamente estável entre 2020 e 2019, em R$ 28 milhões, mesmo após a consolidação de R$ 174 milhões em aquisições do ano.


BR Properties (BRPR3)
Venda de dois empreendimentos imobiliários por R$ 63,7 milhões

A BR Properties fechou a venda de dois empreendimentos imobiliários para o Core Metrópolis Fundo de Investimento Imobiliário, pelo valor total de R$ 63,718 milhões.
A companhia vendeu os Edifícios Souza Aranha I e II, em São Paulo, e o Edifício Porto Alegre, localizado na capital gaúcha.


Randon (RAPT4)
Ganho fiscal a ser contabilizado no balanço do 1T21

  • Após o pregão de ontem, a empresa informou que sua controlada Castertech fará o reconhecimento de R$ 19,9 milhões em créditos fiscais no balanço do 1T21, referentes à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS.  Este valor vai impactar positivamente o balanço consolidado da Randon;
  • O crédito total era de R$ 37,7 milhões, mas R$ 17,9 milhões já foram contabilizados durante o ano passado.  Agora a empresa vai realizar a habilitação dos créditos junto à Receita Federal e poderá usá-los para compensar impostos.

Banco ABC Brasil (ABCB4)
Distribuição de JCP

O Conselho de Administração do banco aprovou ontem (25/03) a distribuição de juros sobre o capital próprio (JCP) referente ao 1º trimestre de 2021 no valor bruto total de R$ 45,9 milhões, equivalente a R$ 0,2130 por cada ação ordinária e cada ação preferencial.

O crédito ocorrerá no dia 07 de abril de 2021 e considerará a posição acionária do dia 31 de março de 2021. A partir de 01 de abril de 2021 (inclusive), as ações de emissão do banco serão negociadas “ex” juros. O retorno líquido estimado é de 1,25%.

Temos recomendação de COMPRA com Preço Justo de R$ 20,00/ação, que traz um potencial de alta de 38,2%.


ISA Cteep – Transmissão Paulista (TRPL4)
Distribuição de dividendos. Ex em 31/03

Na Assembleia Geral Ordinária realizada ontem (25/03) foi aprovada a proposta da Administração para a distribuição de dividendos referente ao resultado do exercício social de 2020, no valor de R$ 524,4 milhões, correspondentes a R$ 0,795967 por ação ordinária e preferencial.

O pagamento será devido aos acionistas que constarem na base do dia 30 de março de 2021 (data de corte). As ações passarão a ser negociadas ex-dividendo a partir de 31 de março de 2021. O pagamento aos acionistas ocorrerá em 21 de maio de 2021. O retorno estimado é de 3,25%.

Temos recomendação de COMPRA e preço justo de R$ 30,00/ação, que traz um potencial de alta de 22,3%.


Cielo (CIEL3)
Programa de Recompra de Ações

Em reunião do Conselho de Administração (RCA) realizada em 25 de março de 2021, foi aprovada a abertura de novo programa de recompra de ações, de até 7.032.041 ações ordinárias, de sua própria emissão.

  • O programa terá o prazo de vigência de 06 de abril de 2021 a 12 de abril de 2021 (5 dias úteis).
  • A aquisição tem como objetivo, único e exclusivo, fazer frente aos compromissos assumidos pela companhia no âmbito dos programas de remuneração, retenção e incentivo de seus colaboradores e administradores.
  • Se recompradas na totalidade ao preço de R$ 3,60/ação o montante total alcança R$ 25,3 milhões, equivalente a 0,2 dias de negociação, compatível com a atual situação financeira da companhia.

Ao preço de R$ 3,63/ação (valor de mercado de R$ 9,9 bilhões) a ação CIEL3 registra queda de 9,1% este ano.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.