Ibovespa cai 0,28% em dia de pressão sobre as bolsas internacionais

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa abriu a sessão em queda sob a influências das bolsas lá de fora, mas recuperou durante o dia, para fechar com baixa de 0,28% aos 99.054 pontos. O giro financeiro foi de R$ 23,7 bilhões (R$ 21,0 bilhões à vista). O dia foi marcado por muitas incertezas como o pós-Brexit, nova onda de Covid-19 na Europa, o enrosco da proposta de estímulos para a economia americana, embora o presidente Donald Trump diga que ainda pode sair um pacote antes da eleição presidencial. No Brasil, o esfriamento nas negociações para a crise fiscal, também não ajuda. O mercado deverá dar maior peso aos resultados corporativos, o que permitirá uma leitura sobre o que esperar para o fechamento do ano. Hoje o petróleo opera em queda e as bolsas internacionais mostram recuperação, na Europa, mesmo sem notícias positivas. A agenda econômica de hoje traz dados da Europa com a balança comercial de agosto mostrando crescimento, acima da expectativa do mercado e o IPC estimado para setembro, em linha. No Brasil sai o IPIC-S e o IPC-10 e nos EUA, as vendas no varejo e a produção industrial de setembro.

Câmbio
O dólar teve mais um dia influenciado pelas incertezas que rondam os mercados doméstico e internacional. No fechamento, a cotação da moeda americana passou de R$ R$ 5,5926 para R$ 5,6140 (+0,38).

Juros
Em dia de cautela por parte dos investidores e atuação do Tesouro com oferta para leilão de um lote de LTN logo na parte da manhã, os juros futuros acabaram o dia em alta com o contrato de DI para jan22 subindo de 3,194% para 3,31% e o DI para jan/27 passando de 7,364% para 7,53%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

CSN (CSNA3)
Um excelente resultado no 3T20 e redução na projeção de endividamento

O resultado da empresa no 3T20, divulgado após o pregão de ontem, mostrou forte aumento na receita, nas margens e no lucro líquido. Isso foi consequência dos maiores volumes vendidos e preços mais elevados no segmento de mineração e também na siderurgia.

· No 3T20, o lucro líquido da CSN foi de R$ 1.262 milhões (R$ 0,91 por ação), 182,9% maior que no trimestre anterior e revertendo o prejuízo de R$ 871 milhões incorrido no 3T19;

· O volume vendido de aço pela CSN no 3T20 foi de 1.278 mil toneladas, com crescimento de 19,2%, principalmente pelo salto de 23,2% das vendas no mercado interno, comparado ao mesmo trimestre do ano passado;

· No 3T20, a área de mineração da CSN foi beneficiada, principalmente, por preços elevados em dólares e a desvalorização do real. O volume vendido no 3T20 atingiu 9,2 milhões de toneladas, ficando 0,5% abaixo do 3T19, mas 18,4% maior que no trimestre anterior. Com isso, a receita do segmento foi de R$ 3,9 bilhões, 65,3% acima do 3T19.


Tenda (TEND3)
Prévia operacional do 3T20 mostra aceleração nos lançamentos com VGV de 984,2 milhões

No 3T20, a Tenda lançou 17 empreendimentos ao preço médio de R$ 155,6 mil por unidade, totalizando R$ 984,2 milhões em VGV, +29,3% a/a e +56,2% t/t. Foi o melhor trimestre em lançamento na história da Tenda.  Nos 9M20, foram lançados 35 empreendimentos que somaram R$ 1,78 bilhão em VGV ficando 2,3% acima dos 9M19.  As vendas brutas totalizaram R$ 836,1 milhões no 3T20, aumento de 41,7% sobre o 3T19 e de 21,3% acima do 2T20.  Trata-se do melhor trimestre em vendas brutas na história da Tenda

O nível de distratos sobre vendas brutas (11,2% no 3T20) apresentou redução no trimestre. É importante destacar o aumento nos repasses de unidades totalizando R$ 626,2 milhões no 3T20, +125,8% s/ o3T19, representando o melhor trimestre em repasse da Companhia. No 3T20, o banco de terrenos atingiu VGV de R$ 10,8 bilhões, equivalentes a um potencial para 73,3 mil unidades.

Ontem a ação TEND3 encerrou cotada a R$ 30,11 com alta de 0,8% no ano e valor de mercado de R$ 2,96 bilhões.


Minerva S.A. (BEEF3)
S&P eleva nota da Minerva na escala internacional para “BB” e na escala nacional para “brAAA”

A Minerva ontem (15/outubro) teve sua nota de risco atribuída pela agência S&P (Standard & Poor’s) elevada para “BB” na escala internacional e para “brAAA” na escala nacional, com perspectiva estável.

De acordo com a S&P, “a elevação da classificação de rating da companhia reflete sua forte posição de liquidez, a continuidade da trajetória de redução da alavancagem e o aperfeiçoamento da estrutura de capital da Minerva”.

Ao final do 2T20 a dívida líquida da companhia era de R$ 5,4 bilhões, equivalente a 2,6x o EBITDA. Sua posição de caixa somava R$ 6,8 bilhões, suficiente para atender ao cronograma de amortização das dívidas até 2026. Nos últimos 12 meses terminados no 2T20 o fluxo de caixa livre totalizou R$ 1,88 bilhão.


BB Seguridade (BBSE3)
Renúncia do Diretor-Presidente

A BB Seguridade comunicou que o Sr. Bernardo de Azevedo Silva Rothe apresentou ontem (15/outubro), pedido de renúncia ao cargo de Diretor-Presidente, com efeitos a partir de 20 de outubro de 2020, para exercer novas funções no Conselho Diretor do Banco do Brasil, como Vice-Presidente de Negócios de Atacado.

De acordo com o comunicado, “os procedimentos para indicação do substituto já foram iniciados pelo Banco do Brasil e o nome do novo Diretor-Presidente será anunciado pela BB Seguridade tão logo todos os trâmites sejam concluídos”.

Seguimos com recomendação de COMPRA e Preço Justo de R$ 35,00/ação para BBSE3.


Multiplan (MULT3)
Pagamento de dois JCPs no valor de R$ 170 milhões, aprovados em setembro e dezembro de 2019

Os proventos serão pagos aos acionistas da Companhia no dia 23 de outubro de 2020, observado o seguinte:

Os acionistas com posição em 30 de setembro de 2019 farão jus ao pagamento do valor bruto total de R$ 80,0 milhões, correspondente a R$ 0,13417101396 por ação. Em 30/09/19 a cotação estava em R$ 28,85 portanto o retorno foi de 0,47%.

  • Os acionistas com posição em 30 de dezembro de 2019 farão jus ao pagamento do valor bruto total de R$ 90,0 milhões, correspondente a R$ 0,15088772985 por ação. Sobre o fechamento de dezembro/19 (R$ 33,10) o retorno foi de 0,46%.

Ontem a ação MULT3 encerrou cotada a R$ 21,20 com queda de 35,7% no ano.


Petrobras (PETR4)
Avanço no processo de venda do Polo Alagoas

A empresa anunciou, na noite de ontem que iniciou a fase vinculante da venda da totalidade de sua participação no polo Alagoas.

· Nesta fase, os potenciais compradores receberão maiores instruções para a realização de due diligence e para o envio das propostas vinculantes;

· O Polo Alagoas é formado por sete concessões de produção (Anambé, Arapaçu, Cidade de São Miguel dos Campos, Furado, Paru, Pilar e São Miguel dos Campos). Estas concessões estão localizadas no estado de Alagoas, sendo seis terrestres e mais o campo de Paru, que está localizado em águas rasas com lâmina d’água de 24 metros;

· O avanço no Programa de Desinvestimentos da Petrobras é sempre uma boa notícia. Estas vendas de ativos têm ajudado a empresa a reduzir o endividamento, os custos e investimentos, o que leva a melhores resultados.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.