Ibovespa valoriza 3,2%, marcando a sétima alta consecutiva

MERCADO


Bolsa
A B3 segue mostrando bom desempenho em junho, com o Ibovespa marcando alta de 3,2% no fechamento de ontem aos 97.645 pontos. Foi a sétima sessão consecutiva de alta, mesmo com notícias negativas do lado político, tanto do lado doméstico quanto externo.  Na ponta contrária, destaque para a queda do dólar, recuando para R$ 4,8118.

As bolsas internacionais operam em baixa nesta terça-feira na zona do euro e sinaliza queda nos futuros de NY, após um rali nas últimas sessões. Um relatório do Banco Mundial alerta para o risco de uma forte contração da economia mundial gerando uma grande onda de pobreza. A agenda econômica de hoje traz, no Brasil, o IPC-Fipe semanal com 0% e na zona do euro, o PIB do 1T20 e dados do mercado de trabalho. Atenção para a agenda de amanhã que tem as projeções econômicas para a Europa e a decisão de, taxa de juros nos EUA, o que pode levar os mercados a um momento de atenção. Apesar do otimismo da bolsa doméstica, há espaço para uma realização.

Câmbio
A moeda americana recuou de R$ R$ 4,9609 para R$ 4,8218, com investidores aproveitando a onda de otimismo de curto prazo para apostarem nos ativos de risco.

Juros
Os juros futuros encerraram o dia com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 em 2,19% contra 2,17% no ajuste anterior e para jan/27 a taxa marcou 6,71%, de 6,772%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Vulcabras Azaleia (VULC3)
Queda de 66% no lucro líquido do 1T20, somando R$ 8,9 milhões

O lucro líquido do 1T20 foi de R$ 8,9 milhões, representando uma redução de 66,0% sobre o lucro líquido de R$ 26,2 milhões no 1T19. A margem líquida atingiu 3,7% no 1T20, em comparação aos 8,7% alcançada no 1T19, uma queda de 5,0 p.p.

A companhia registrou redução de 20,1% no volume de vendas de pares/peças, em relação ao 1T19. Em consequência a receita liquida mostrou queda de 20,4% no mesmo período comparativo, de R$ 299,8 milhões para R$ 238,6 milhões. A queda na receita liquida aconteceu em todas as linhas de produtos (esportivos, femininos, outros calçados, confecções e acessórios). Em termos de volume de vendas houve uma pequena alta somente em confecções e acessórios.

Houve perda também na margem bruta, gerada pelos problemas da pandemia caindo de 34,0% para 32,3%.

Do lado positivo, no final do 1T20, a Companhia apresentava posição financeira liquida positiva de R$ 60,0 milhões, sendo 174,0% superior a observada no encerramento de 31/12/2019. A dívida bruta totalizou R$ 63,9 milhões, com aumento de 48,3% em relação ao saldo de 31/12/2019. Houve um aumento nas disponibilidades de 94,7%.

A ação VULC3 encerrou ontem cotada a R$ 5,30 com queda de 43,4% no ano.

O valor de mercado da empresa é de R$ 1,3 bilhão.


LInx (LINX3)
Companhia registrou prejuízo de R$ 9 milhões no período contra um Lucro Líquido de R$ 17,1 milhões no 1T19

A empresa, que reafirma compromisso com o longo prazo, mostrou um forte crescimento de receita recorrente, representando 82,6% da receita operacional bruta, com 15,6% de crescimento nesse segmento. Ao final do 1T20, a Linx atingiu uma taxa de renovação de clientes de 99,0%.

A Companhia registrou um Prejuízo Líquido de R$ 9 milhões no período vs um Lucro Líquido de R$ 17,1 milhões no 1T20, em consequência de uma despesa financeira líquida maior em relação à registrada no 1T19. Retirando os impactos de efeitos não recorrentes, o prejuízo foi de R$ 5,6 milhões.

O modelo de negócio baseado em receita recorrente demonstrou a resiliência. A LINX está bem se beneficiando das tendências de digitalização das varejistas de um modo geral, dado o efeito pandemia no varejo e acredita recuperar em trimestres seguintes considerando também as iniciativas adotas a partir da segunda quinzena de março. Entretanto, é importante observar com cautela a confirmação de capturas de sinergias das aquisições realizadas desde o início de 2019. Além da operação do Linx Pay, que atua no segmento de subadquirência e no longo prazo tende a ver a rentabilidade reduzir..


Petrobras Distribuidora (BRDT3)
Venda da CDGN Logística

A empresa anunciou na manhã de ontem, que concluiu a venda da totalidade de sua participação (49%) na CDGN Logística por R$ 25,8 milhões para o MDC I Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia.

  • No fechamento da operação em dezembro/2019, foi recebido o valor de R$ 3,9 milhões, sendo que o saldo restante será pago em seis parcelas iguais corrigidas monetariamente, a partir de agosto/2020.;
  • Como esta venda está alinhada com a estratégia da empresa de focar em atividades que gerem maior valor, este negócio é uma boa notícia para a BR Distribuidora.

CSN (CSNA3)
Renegociação de dívidas com a Caixa Econômica Federal

Na noite de ontem, a empresa comunicou a conclusão de negociações com a Caixa Econômica Federal para a extensão dos prazos de dívidas no valor de R$ 300 milhões. Os vencimentos seriam entre junho e setembro deste ano e foram renegociados para 2021 e 2024.

  • Esta notícia é positiva para a CSN, apesar dos valores renegociados serem pequenos (0,8% da dívida bruta em março/2020);
  • No mês passado, a CSN anunciou a renegociação de dívidas no valor de R$ 1,4 bilhão com o Banco do Brasil. Com a negociação, foram transferidos para 2022 vencimentos que ocorreriam em maio de 2020 e março/2021. Além disso, este prazo poderá ser estendido com a utilização de operações no mercado de capitais.

 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.