Se ontem a expectativa do acordo comercial ajudou as bolsas, hoje o comportamento já não é o mesmo

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa encerrou terça-feira com alta de 0,26% aos 116.610 pontos e giro financeiro de R$ 21,1 bilhões, após ficar do lado negativo uma parte do dia. Se ontem a expectativa do acordo comercial ajudou as bolsas, hoje o comportamento já não é o mesmo, com sinais de que a retirada das tarifas sobre produtos chineses não deve acontecer agora. Segundo o noticiário internacional, o acordo, para ser concretizado, envolve compromissos importantes do lado da China. Com isso, os mercados pesaram lá fora, no fechamento da Ásia e no andamento na zona do euro. Os futuros de NY também mostram queda. Tudo isso num dia de agenda carregada com a produção industrial na zona do euro (nov/19) negativa em 1,5% no A/A e a uma balança comercial em US$ 19,2 bilhões, abaixo da leitura anterior. Nos EUA, indicadores importantes de demanda somados aos dados do Livro Bege, completam a lista externa. No Brasil, destaque para as vendas no varejo em nov/19, com alta de 0,6% no M/M e de 2,9% no A/A. Com este cenário externo, a B3 pode voltar a pesar hoje.

Câmbio

A moeda americana recuou de R$ 4,1426 para R$ 4,1314 (-0,27%) no fechamento de ontem. Este pequeno recuo foi atribuído à expectativa em relação ao encontro hoje da China com os Estados Unidos em Washington, para a assinatura do acordo comercial fase 1.

Juros

A expectativa positiva em relação aos indicadores domésticos (dados do varejo, hoje) e momento mais calmo em relação à nossa economia, colocam a chance de redução da Selic novamente no radar. A taxa do contrato do Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 4,445% de 4,490% no ajuste da segunda-feira e para jan/27, a taxa passou de 6,740% para 6,750%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Azul (AZUL4) 

Acordo para aquisição da TwoFlex por R$ 123 milhões

A Azul e a Two Taxi Aereo “TwoFlex” anunciaram ontem que assinaram uma oferta vinculante para a Azul adquirir a empresa aérea regional TwoFlex por R$ 123 milhões.

O negócio é positivo para a Azul que aumenta seu alcance de atuação, com maior presença no Aeroporto de Congonhas (SP).

Ontem a ação AZUL4 encerrou cotada a R$ 59,19 com valorização de 1,5% no ano e 61,9% no ano de 2019.


Petrobras (PETR4)
Finalização da venda de ativos na África

A empresa comunicou ontem, após o pregão, que finalizou a venda para a Petrovida Holding a participação (50%) que a Petrobras International Braspetro BV (PIBBV) detinha na Petrobras Oil & Gas B.V. (PO&GBV).
• O valor do negócio foi de US$ 1.454 milhões, após os ajustes, do qual a Petrobras já recebeu US$1.030 milhões na forma de dividendos pagos pela PO&GBV desde a data base da transação (01/jan/2018). Ontem, a Petrobras recebeu US$ 276 milhões e mais US$ 25 milhões serão recebidos até 30/junho deste ano. Os outros US$ 123 milhões, devem ser pagos quando o processo de redeterminação do campo de Abgami for implementado;
• O fechamento desta transação é positivo para a Petrobras, compondo seu Plano de Desinvestimentos, que efetivamente tem contribuído para a redução do endividamento.


Comgas (CGAS5)  
Cosan repassa ações da empresa para a DG e não altera o controle

A Cosan S.A. repassou à Distribuidora de Gás Participações (DG), sua subsidiária integral, a totalidade das ações que detinha da Comgás, equivalente a 103.699.333 ações ordinárias e 27.682.044 ações preferenciais, o que equivale a 99,84% das ON, 96,60% das PNA e 99,14% do capital social total da empresa.
Demais acionistas (free float) equivale a 0,16% das ordinárias, 3,40% das preferenciais e 0,86% do capital total. A mudança não altera a composição de controle ou da gestão da Comgas, que passa a ser controlada indireta da Cosan S.A.


Helbor (HBOR3)
Venda de imóveis por R$ 175,2 milhões

A Helbor anunciou a venda de imóveis prontos para a constituição do Fundo Imobiliário Multi Renda Urbana. Os recursos serão destinados ao pagamento de debêntures.
A expectativa é que uma nova tranche aconteça neste 1º semestre englobando outros três empreendimentos.
Ontem a ação HBOR3 encerrou cotada a R$ 4,96 com alta de 9,0% neste ano.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.