Os mercados já sofrem nesta quarta-feira, com queda generalizada

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa segue pesado neste começo de ano, influenciado pelo conflito entre EUA e Irã, que ontem à noite ganhou uma maior proporção com o ataque de 12 mísseis iranianos à base americana no Iraque. No fechamento o Ibovespa marcou queda de 0,18% aos 116.662 pontos com giro financeiro de R$ 20,0 bilhões. As consequências do ataque ainda não foram divulgadas, mas os mercados já sofrem nesta quarta-feira, com queda generalizada. O petróleo bruto mostra alta nos tipos WTI e Brent nesta manhã. A agenda econômica traz dados domésticos com destaque para a inflação pelo IGP-DI (dez/19) com alta de 1,74% no M/M e de 7,70% no A/A. Na zona do euro saíram indicadores de confiança na economia (um pouco acima do anterior), indústria (pior), serviços (melhor) e do consumidor, (negativa e estável). O Ibovespa deverá refletir a tensão externa.

Câmbio

O dólar seguiu acomodado ontem, fechando praticamente estável a R$ 4,0658 contra R$ 4,0652 na segunda-feira. A tensão no mercado internacional pode mexer com a moeda americana nesta quarta-feira.

Juros

Os juros tiveram um dia mais calmo, encerrando o dia com queda na taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechando no menor nível desde 30 de outubro, a 4,485%, de 4,525% na segunda-feira. O DI para jan/27 encerrou a sessão regular com taxa de 6,790%, mesmo nível do ajuste de ontem, e a estendida em 6,770%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Eletrobras (ELET3, ELET6)  

S&P elevou o rating da companhia de  “B+” para “BB-”.

Ontem, 7 de janeiro de 2020, a agência de classificação e risco Standard & Poor’s elevou o StandAlone Credit Profile (SACP) da Eletrobras de “B+” para “BB-”. O rating em escala global foi reafirmado em BB-. A elevação da nota reflete todo o esforço da companhia na sua reestruturação operacional e financeira, com efetiva melhora de resultados.


Copel Energia (CPLE6)
Concessão da hidrelétrica Foz do Areia vence em set/2023

Notícias veiculadas na mídia dão conta do interesse manifesto pelo presidente da ENGIE Brasil Energia (EGIE3) de, eventualmente, adquirir a hidrelétrica Foz do Areia. É claro que tem que combinar com a própria Copel que já opera a hidrelétrica. A Usina Gov. Bento Munhoz da Rocha Netto (Foz do Areia) tem 1.676 MW de capacidade instalada, garantia física de 603 MW médios, sendo a maior do parque gerador da Copel Energia S/A, e cujo vencimento da concessão acontece em 19.09.2023.
Em dezembro de 2019 a Copel Geração possuía 6.298 MW de capacidade instalada em operação. Esse número considera os inícios de operação comercial parcial do empreendimento Cutia (97% operacional) e UHE Colíder (67% operacional), além de 30% da participação na UHE Baixo Iguaçú. Nesse contexto estamos falando de aproximadamente 27% da capacidade de geração da estatal paranaense. A Copel espera a manifestação do poder concedente e deve participar ativamente do pleito.


Enauta (ENAT3)
Produção total cresceu 23,5% no 4T19

Durante o pregão de ontem, a empresa comunicou que sua produção total durante o 4T19 foi de 2.508 mil barris equivalentes de petróleo nos dois campos que opera (Manati e Atlanta), equivalente a 27,3 mil barris de óleo equivalente (boe).
• O volume total produzido no 4T19 foi 23,5% maior que no 3T19, com um bom desempenho nos dois campos da Enauta.;
• Estes números são indicadores positivos para os resultados da empresa n 4T19.


Indústria automobilística 
Redução na produção, mas aumento das vendas em dezembro

A produção de veículos em dezembro/2019 foi de 170,5 mil unidades, volume 3,9% menor que no mesmo mês de 2018, segundo os dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Em relação a novembro/19, houve uma queda de 22,0% no total produzido.
• A produção em dezembro continuou a ser negativamente impactada pela queda das exportações, dado que o mercado interno continua forte;
• Em dezembro, a venda (licenciamentos) de veículos novos nacionais foi de 233,1 mil unidades, 13,1% maior que no mesmo mês de 2018. Em 2018, o volume vendido de 2,5 milhões de unidades) ficou 10,4% acima do mesmo período de 2018;
• As estimativas da Anfavea são de que em 2019 a produção brasileira de autoveículos crescerá 7,3%, com aumento de 9,4% nas vendas, que devem atingir 3,05 milhões de unidades.


Vulcabras (VULC3)
Venda da participação na Vulcabras Azaleia SE por R$ 25 milhões

A Vulcabras comunica que celebrou um contrato de compra e venda de quotas e outras avenças com a Dok Participações Societárias para alienar a participação que possui na Vulcabras Azaleia SE. O valor estimado da transação é de R$ 25 milhões, incluindo a absorção de passivos pela compradora, mas sem os ativos e passivos de capital de giro.
Ontem a ação VULC3 encerrou cotada a R$ 8,99 acumulando alta de 29,6% em 2019 e queda de 2,3% neste ano.


Iguatemi (IGTA3)
Aquisição de 47% na Majorama Participações, que tem 14% no Shopping Iguatemi Porto Alegre

A Iguatemi fechou a compra de uma participação de 47% na Majorama Participações, que tem 14% no Shopping Iguatemi Porto Alegre, na torre Iguatemi Business anexa ao empreendimento e na Administradora Gaúcha, responsável pelo complexo, pelo valor de R$ 123 milhões, pagos à vista.
Ontem a ação IGTA3 encerrou cotada a R$ 54,85 com valorização de 30,0% em 2019 e 3,3% neste ano.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Posições Alugadas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.