Ibovespa fecha em alta de 0,37% aos 97.380 pontos

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa oscilou durante o dia acompanhando o bom desempenho das bolsas de NY e o ambiente doméstico favorável. No fechamento o índice subiu 0,37% aos 97.380 pontos, com giro financeiro de R$ 13,9 bilhões. Nos EUA, destaque para a sinalização de uma política expansionista feita pelo presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, abrindo caminho para a tomada de risco. O destaque do dia foi a queda dramática 17,11% das ações da Braskem após o anúncio de encerramento das negociações entre a petroquímica brasileira e a holandesa LyondellBassell. Do lado positivo, a alta das ações das companhias de saneamento com a aprovação no Senado pela Comissão de Infraestrutura do projeto de lei que recupera conteúdo da MP do Saneamento, que perdeu validade ontem. Hoje a agenda econômica traz indicadores de preços da zona do euro e nos Estados Unidos o livro bege no meio da tarde, que pode indicar o caminho dos juros americanos. No Brasil nenhum dado relevante para hoje, com atenção na pauta política. As bolsas internacionais mostram alta no fechamento da Ásia e na zona do euro, nesta manhã. Há espaço para alta do lado doméstico.

Câmbio

A moeda americana recuou mais uma vez ontem (-0,75%) encerrando o dia cotada a R$ 3,8570 contra R$ 3,8862 na segunda-feira. O ambiente favorável para uma redução nos juros americanos e expectativa de avanço na reforma da Previdência, determinou o rumo do dólar nas últimas sessões.

Juros

Os juros futuros voltaram a cair ontem, refletindo um cenário menos pressionado pelas incertezas políticas das últimas semanas. A taxa do DI para jan/20, fechou em 6,230%, de 6,264% na véspera e para jan/25 a taxa recuou para 7,84%, de 7,991%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Renova Energia S.A. (RNEW11)  
Aneel rejeita plano de transferência de controle de centrais eólicas para a AES

A companhia informou ontem (4/junho), após o fechamento do mercado, que a Aneel rejeitou, em sua 19ª Reunião Pública Ordinária da Diretoria de 2019, o plano de transferência de controle de 20 centrais eólicas para a AES e determinou:

A revogação das autorizações dos referidos empreendimentos; e

A abertura de processo administrativo para instrução de penalidade de suspensão temporária da participação da Renova em leilões de energia.

A companhia esclareceu que a decisão da Aneel impacta apenas os parques da Fase B do complexo eólico Alto Sertão III, os quais, ainda que sem outorgas, podem ser transacionados, de modo que as negociações envolvendo a Operação com a AES continuam vigentes.

As Units da companhia (RNEW11) registraram forte queda de 30,4% ontem para R$ 21,50/unit, equivalente a um valor de mercado de R$ 299 milhões, acumulando baixa de 0,9% em 2019. A liquidez subiu de R$ 0,4 milhão até anteontem para R$ 1,8 milhão ontem.

AES Tietê (TIET11): Com referência a decisão da Aneel, de revogação da outorga da conexão da Fase B do Complexo Eólico Alto Sertão III, a AES Tietê reiterou que, “conforme previsto no contrato, a manutenção da outorga era condição precedente para conclusão da Operação. Nesse contexto, reavaliará o interesse na aquisição da Fase B deste projeto”. Já a “Fase A e o Pipeline não foram objeto de avaliação da Aneel, e, portanto, seguem o seu curso normal dentro do cronograma para a conclusão da Operação”.

Suas Units (TIET11) registram alta de 18,1% este ano para R$ 11,45 (valor de mercado de R$ 4,5 bilhões). O Preço justo de R$ 13,00/unit traz um potencial de alta de 13,5%.


Cosan S.A. (CSAN3)
Aquisição das ações remanescentes da Comgas

A companhia realizou ontem (4/junho) o leilão da oferta pública voluntária para aquisição de ações ordinárias de emissão da Comgás, tendo sido adquiridas 2.479.066 Ações Ordinárias pela Cosan S.A., representativas de 1,88% do capital social da Comgás (e 2,40% do capital ordinário), pelo preço de R$ 83,16 por ação. A liquidação está prevista para ocorrer em 7 de junho de 2019.

Uma vez que a Cosan adquiriu mais de 2/3 das Ações Ordinárias em circulação (92,37% do free float nas ON), o acionista que desejar alienar suas Ações Ordinárias à Cosan poderá apresentar um pedido à companhia, durante o período de 3 meses seguintes ao Leilão, ou seja, até 4 de setembro de 2019, pelo mesmo preço, corrigido pela Selic.

Com esta aquisição a Cosan S.A. passa a deter 103.268.213 ações ordinárias, correspondentes a 99,80% do capital ordinário da Comgas, permanecendo no mercado 204.769 ações ON, representativas de 0,20% no tipo, equivalentes a 0,16% do capital social da Comgás.


CPFL Renováveis (CPRE3) 
Conselho homologa aumento de capital

O Conselho de Administração da CPFL Renováveis homologou ontem (4/junho) o aumento privado parcial de capital social da companhia, no valor total de R$ 300,0 milhões, dentro do limite do capital autorizado.

Foram subscritas 17.503.602 novas ações ordinárias correspondentes a 99,9462% das ações disponíveis para subscrição. Desta forma, o capital social integralizado da companhia passa a ser de R$ 3.698 milhões, composto por 521.315.091 ações ordinárias.

Suas ações, cotadas a R$ 14,41/ação, equivalentes a um valor de mercado de R$ 7,5 bilhões, registram queda de 10,8% este ano.


Alliar (AALR3) 
Abertura de programa de recompra de até 1 milhão de ações ON

O prazo para a recompra será de 18 meses e o percentual é de aproximadamente 2,5% do total de ações em circulação.

Ontem a ação AALR3 encerrou cotada a R$ 13,50 acumulando queda de 2,0% no ano. Com base neste preço o desembolso na recompra pode chegar a R$ 13,5 milhões.


Ecorodovias (ECOR3)   
Emissão de R$ 1,1 bilhão em debêntures

A empresa informou, que seu Conselho de Administração aprovou ontem a quinta emissão de debêntures simples no valor total de R$ 1,1 bilhão.  O vencimento destes títulos será no dia 14 de julho de 2020.

Os recursos desta emissão serão utilizados para aportes em controladas e reforço de caixa;

A dívida líquida consolidada da Ecorodovias em março/2019 era de R$ 5,0 bilhões, que aumentou 5,2% no trimestre e 14,6% em doze meses.  No 1T19, a relação dívida líquida/EBITDA ficou em 2,8x, vindo de 2,7x no trimestre anterior e 2,4x no 1T18.


Exportações de minério de ferro:  
Queda no volume, mas crescimento da receita em abril

As exportações brasileiras de minério de ferro em abril foram de 29,0 milhões de toneladas, volume 16,2% menor que no mesmo mês de 2018, conforme os dados fornecidos pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex).
A queda do volume exportado em abril continua refletindo os problemas da Vale com os fechamentos de várias minas, que se seguiram ao acidente em Brumadinho. No entanto, alta dos preços mais que compensou a redução no volume exportado;
Os números positivos para a receita das exportações em abril, indicam bons resultados para o segmento de minério de ferro da Vale e CSN no 2T19


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

>>Mapa de Oscilações

>>Mapa de Posições Alugadas

>>Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.