Santander Brasil – Relatório de Análise

Resultado sólido no 1T19 acima do esperado

O Banco Santander (Brasil) registrou no 1T19 um lucro líquido, em base gerencial, de R$ 3,5 bilhões (ROAE de 21,1%), com crescimento de 22% ante os R$ 2,9 bilhões do 1T18 (ROAE de 19,1%), um resultado melhor que o esperado impactado positivamente pelo crescimento de 9% da Margem Financeira Líquida, redução de 2% das despesas com PDD, incremento de 10% das Receitas de Serviços, que mais que compensaram o crescimento de 6% das Despesas Gerais. No 1T19 o banco destacou o valor de R$ 1,0 bilhão na forma de JCP com pagamento a partir de 29 de abril de 2019.

O modelo de negócio do banco permanece centrado no cliente, com foco no aumento de rentabilidade suportada (i) pelo crescimento da carteira de crédito e ganho de participação de mercado; (ii) crescimento da base de clientes, com maior vinculação e volume de transações; (iii) adequado modelo de risco, aumento de produtividade e eficiência. Revisamos nossas premissas de crescimento, com melhora de rentabilidade, mantendo o custo de capital, e estamos elevando nosso preço justo de R$ 49,00 para R$ 52,00/Unit e mantendo a recomendação de COMPRA.

Margens financeiras crescem influenciadas pela evolução das margens de crédito. No 1T19 a Margem Financeira Bruta (MFB) permaneceu estável em base trimestral, e com crescimento de 5,9% em relação ao 1T18 somando R$ 10,8 bilhões, influenciada pela evolução das margens de crédito e de captação, em função de maiores volumes médios.  As despesas com PDD somaram R$ 2,6 bilhões no 1T19, com queda de 13,1% no trimestre e redução de 2,1% em relação ao 1T18, contribuindo para um maior crescimento da Margem Financeira Líquida. Receitas de Serviços permanecem contribuindo positivamente para a formação do resultado líquido. As Receitas de Serviços cresceram 9,6% em doze meses para R$ 4,5 bilhões, impulsionadas pelo aumento da base de clientes e vinculação, com destaque para os segmentos de cartões de crédito, serviços adquirente, serviços de conta corrente e seguros.

Despesas Gerais acima da inflação, notadamente por maior evolução das despesas administrativas. O banco sinalizou para um maior alinhamento com os indicadores inflacionários a partir desse ano. As Despesas Gerais (pessoal/outras administrativas) registraram alta de 6,2% no 1T19 para R$ 5,1 bilhões, refletindo a evolução de 11,5% das outras despesas administrativas, impactadas por maiores despesas com serviços técnicos especializados/terceiros e com processamento de dados, compensadas parcialmente por alta de 0,4% das Despesas com Pessoal/PLR. A carteira de crédito total cresceu 10,8% em doze meses para R$ 310,7 bilhões, sensibilizada (i) pelo efeito da variação cambial; e (ii) pela evolução no segmento das Pessoas Físicas e do financiamento ao consumo, com desempenho diferenciado, com impacto direto na participação de mercado do banco, que ao final de fevereiro 2019 era de 9,4%. Já a carteira de crédito ampliada cresceu 9,3% em doze meses para R$ 386,9 bilhões, estável em base trimestral.

 

Clique para acessar:

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]