Governo não terá facilidades

MERCADO


Bolsa
A decisão da Câmara dos Deputados em relação ao Orçamento Impositivo foi uma demonstração que o governo não terá facilidades nos seus projetos e a bolsa refletiu imediatamente a este momento de atrito entre as partes. O clima ruim entre governo e parlamentares só serve para empurrar o projeto da Previdência para a frente e que deverá sofrer alterações para conseguir avançar. Neste ambiente, o Ibovespa encerrou a quarta-feira com queda de 3,57% aos 91.903 pontos, com giro financeiro de R$ 17,1 bilhões. Hoje a agenda econômica vem carregada de dados da zona do euro (indicadores de confiança na economia e indústria) e Estados Unidos (PIB do 4T18). No Brasil, destaque para a inflação de março medida pelo IGP-M com alta de 1,26% no M/M e de 8,27% no A/A. As bolsas internacionais mostram alta nesta quinta-feira com noticiário mais calmo no exterior

Câmbio
A moeda americana ainda na ponta contrária da bolsa com o nervosismo instalado no mercado financeiro com os atritos políticos durante o dia. No fechamento, o dólar marcou alta de 3,13%, passando de R$ 3,8741 para 3,9952. No exterior, os Treasuries (10 anos) encerraram a quarta-feira com alta de 1,1% na taxa, a 2,38% ao ano.

Juros
O mercado de juros também reagiu de maneira mais acentuada em relação aos fatos políticos do dia, com as taxas subindo forte. A taxa do DI para jan/20 passou de 6,465% para 6,565% e para jan/25 a alta foi de ,832% para 9,05%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Vale (VALE3)
Bons resultados no 4T18 e no ano
A Vale divulgou ontem, após o pregão, seus resultados do 4T18 que foram bons, mostrando aumento nas vendas, da receita e margens, seja na comparação com o trimestre anterior ou com o 4T17.

  • O lucro líquido da Vale no 4T18 foi de US$ 3,8 bilhões, valor 168,9% maior que no 3T18 e quase cinco vezes acima do mesmo trimestre do ano passado;
  • Em 2018, a Vale obteve um bom resultado, com volumes e preços elevados de ferrosos.  Assim, no ano a empresa lucrou US$ 6,9 bilhões, valor 24,6% maior que em 2017;
  • Naturalmente, os números de 2018 ainda não foram impactados pelo acidente de Brumadinho, o que deve começar a acontecer no 1T19.  Estes custos incluirão os gastos com o descomissionamento das barragens construídas a montante, estimado inicialmente em R$ 5 bilhões, e a remediação dos danos com o acidente.

Eletrobras (ELET3, ELET6)
Lucro líquido de R$ 12,1 bilhões no 4T18 e de R$ 13,3 bilhões em 2018

A Eletrobras registrou um lucro líquido de R$ 12,1 bilhões no 4T18, que se compara ao prejuízo de R$ 4,0 bilhões do 4T17. No acumulado de 2018, o lucro líquido somou R$ 13,3 bilhões, revertendo prejuízo de R$ 1,7 bilhão de 2017. Um excelente resultado trimestral imactado positivamente por reversão de provisões para contingências, no valor de R$ 1,2 bilhão, dos quais R$ 563 milhões relativos à provisão para empréstimos compulsórios.

  • As ELET3 cotadas a R$ 33,50/ação registram alta de 38,3% este ano. As ELET6 ao preço de R$ 35,70/ação apresentam valorização de 26,7% em 2019. Este desempenho se mostra acima da valorização de 4,6% do Ibovespa e de 13,6% do IEE no mesmo período.
  • O resultado de 2018 foi o maior já registrado pela empresa nos últimos 20 anos, com destaque para (i) as reversões do “impairment” e dos contratos onerosos de Angra 3, no total de R$ 7,2 bilhões; (ii) do patrimônio líquido negativo de R$ 3,0 bilhões referente à venda das distribuidoras Cepisa, Ceron, Boa Vista Energia e Eletroacre; e (iii) da provisão de R$ 739 milhões relativa a reclassificação de risco de contingência das distribuidoras acima descritas.
  • A companhia destacou ainda a contabilização de receita por melhorias feitas nas hidrelétricas que operam sob regime de cotas, no valor de R$ 517 milhões, fazendo com que essa contabilização passe a representar uma receita de R$ 1 bilhão por ano, segundo a Eletrobras.
  • Em 2018, a receita líquida da companhia somou R$ 25,0 bilhões, com queda de 15,2% em doze meses. O EBITDA gerencial das operações de geração e transmissão apresentou crescimento de 26%, saindo de R$ 6,7 bilhões em 2017 para R$ 8,5 bilhões em 2018.
  • O nível de endividamento da companhia, medido pela relação dívida líquida/Ebitda, recuou de 3,7x ao final de 2017 para 3,1x no fechamento de 2018. Destaque para os programas de desligamento de empregados e as medidas de gestão, que resultaram em uma redução de custo de pessoal de 18% em 2018.

Cesp (CESP6)
Teleconferência de resultados de 2018

A Cesp realizou ontem (27/março) sua teleconferência de resultados de 2018. O atual controlador da companhia, a VTRM Energia (50% da Votorantim Energia e 50% do CPP Investment Board) detém 40,0% do capital total, sendo 93,5% das ON e 13,7% das PNB. O free float soma 60,0% (6,5% das ordinárias e 86,3% das preferenciais). As CESP6 registram alta de 7,4% este ano para R$ 23,41/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 7,7 bilhões.

  • Leilão de privatização em 19/out/18; Pagamento pelas ações detidas pelo Estado de SP em 11/dez/18; Emissão de R$ 1,8 bilhão em debêntures e Protocolo de pedido de registro de OPA, realizado em 9/jan/19; E em 19/mar/19 ocorreu a assinatura pela Cesp do Contrato de Concessão da UHE Porto Primavera. Por 30 anos, a contar da assinatura pela Annel (que ainda não aconteceu).
  • Ativos Operacionais. Atualmente a companhia possui 3 usinas hidrelétricas, com destaque para a UHE de Porto Primavera (potência instalada de 1.540 MW, Energia assegurada de 887 MW médios e prazo de concessão até 2049); UHE Paraibuna (potência instalada de 87 MW, Energia assegurada de 48 MW médios e prazo de concessão até 2021); UHE Jaguari (potência instalada de 28 MW, Energia assegurada de 13 MW médios e prazo de concessão até 2020).
  • Mercado de Energia. O nível de Armazenamento nas áreas de concessão da companhia terminou 2018 em 32%, evoluindo para 34% em fev/19 e final de março em 43% próximo do pico em abril de 2018 de 46%. Nesse contexto de início de hidrologia mais difícil, o PLD que ao final de 2018 estava em R$ 79,00 por MWh, elevou-se a R$ 192,00 em janeiro e para R$ 444,00 por MWH em fevereiro de 2019. A companhia estima um PLD de R$ 230,00 por MWH em março.
  • No ano passado o Preço Médio de Aquisição de energia pela Cesp foi de R$ 353,00 por MWh, 2,3% acima do PLD médio de 2018, de R$ 345,00 por MWh. A Produção de Energia Elétrica da companhia atingiu 2.429 GWh no 4T18 (+0,4%) e 9.275 GWh, após redução de 2% em relação a 2017. As vendas de energia foram de 2.555 GWh no trimestre (+5,6%) e de 11.570 GWh em 2018, com crescimento de 3,9% em doze meses.
  • Ao final do 4T18 a Dívida Financeira da companhia era de R$ 217 milhões, abaixo dos R$ 312 milhões do 3T18. Considerando os recursos em Caixa de R$ 410 milhões, a Cesp era aplicadora líquida de caixa de R$ 196 milhões. Em base pró-forma para dez/18, considerando R$ 1,8 bilhão em debêntures, o efeito proporcional no caixa, o pagamento de R$ 1,4 bilhão de outorga e o pagamento de R$ 297 milhões em dividendos, a dívida da companhia era de R$ 1,5 bilhão equivalente a 3,0x o EBITDA ajustado.
  • Como já informado, com base no resultado de 2018, a Administração submeterá à aprovação dos acionistas em AGO, prevista para 29 de abril de 2019, a proposta de distribuição de dividendos aos acionistas no montante de R$ 297,3 milhões, sendo de R$ 1,8245 por ação PNA, e de R$ 0,8866 para as ações ON e PNB. O retono para os detentores de CESP6 é de 3,7%.

Suzano (SUZB3)
Amortização de R$ 2,056 bilhões de debêntures 

A Suzano comunicou ontem (27) a realização de amortização extraordinária facultativa parcial sobre o saldo das debêntures simples, não conversíveis em ações, da sua sétima emissão.

Foram pagos R$ 2.056.172.600,00, o que corresponde a parcela a ser amortizada do saldo total das debêntures.

A Suzano destaca que a amortização extraordinária está em linha com a gestão responsável de seu endividamento e posicionamento de mercado.

A companhia fará hoje (28) sua reunião anual com analistas, o Suzano Day.

Ontem a ação SUZB3 encerrou cotada a R$ 47,47 acumulando valorização de 24,7% em 2019, após a valorização de 104,7% em 2018. O valor de mercado atual da companhia é de R$ 64,0 bilhões e suas ações estão sendo negociadas a 4,32x o valor patrimonial.


Cia. Hering (HGTX3)
Pagamento de JCP de R$ 0,1423 por ação, ficando “ex” em 05/abril

A Cia Hering pagará juros sobre o capital próprio com base no lucro que vier a ser auferido no exercício de 2019, no valor total de R$ 22.993.877,77.

  • Valor bruto por ação: R$ R$ 0,1423;
  • Acionistas com direito até 04/abril, com as ações ficando “ex” no dia 05/04;
  • O pagamento será realizado em 24 de abril.

Ontem a ação HGTX3 encerrou cotada a R$ 28,31. Com base nesta cotação o retorno para os acionistas é de 0,50%.


Klabin (KLBN11)
Emissão de US$ 1 bilhão em notes

A Klabin comunicou ontem (27) duas emissões de notes: a primeira de US$ 500 milhões em bônus de 10 anos e US$ 500 milhões em bônus de 30 anos. A emissão foi feita por sua subsidiária integral Klabin Austria GmbH.

Detalhes das emissões:

  • Primeira emissão: Títulos representativos de dívida (senior unsecured notes), no valor total de US$ 500 milhões com yield de 5,80% aa e cupom de 5,75% aa, com vencimento em 03 de abril de 2029.
  • Segunda emissão: US$ 500 milhões com yield de 7,125% ao ano e cupom (juros) de 7,00% ao ano, com vencimento em 03 de abril de 2049.

Os recursos da notes 2049 serão destinados ao financiamento ou refinanciamento, no todo ou em parte, de custos e/ou investimentos em “Green Projects”.

 

Ontem a unit KLBN11 (1 ON + 4 PN) encerrou cotada a R$ 17,01 acumulando valorização de 7,2% em 2019. O valor de mercado atual da companhia é de R$ 19,6 bilhões e suas ações estão sendo negociadas a 2,85x o valor patrimonial.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.