Após queda, teto de 100 mil pontos foi mantido

MERCADO


Bolsa
O teto de 100 mil pontos para o Ibovespa foi novamente mantido, após a queda de 0,30% ontem, , com o índice ficando em 98.605 pontos e giro financeiro de R$ 12,2 bilhões, abaixo da média recente. A sexta-feira abre com a agenda econômica mostrando a inflação na zona do euro em fevereiro (alta de 0,3%) e dados de produção industrial nos EUA, sem peso do nosso lado. O mercado deverá mais uma seguir pautado pelas notícias recorrentes do lado externo e doméstico, podendo ter alguma influência pelo vencimento de opções nos EUA (quadrimestral) e pelo vencimento de opções sobre ações na segunda-feira na B3. As bolsas internacionais mostram alta no fechamento da Ásia e no andamento na zona do euro, mesmo com o assunto “Brexit” dominando o noticiário. Alguns resultados corporativos (BRMalls, Ecorodovias, Estácio, etc) divulgados ontem deverão mexer com os respectivos papéis hoje.

Câmbio
O dólar encerrou a quinta-feira com alta de 0,93% cotado a R$ 3,8489 no mercado à vista, após quatro pregões consecutivos de baixa. A moeda segue influenciada pelos mesmos assuntos que ocupam o noticiário internacional nos últimos meses, levando investidores a definirem pontos de negociação para a divisa americana

Juros
Acompanhando o movimento do dólar, os juros futuros também subiram ontem. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 fechou a etapa regular em 6,390%, de 6,355% na quarta-feira e para jan/25 a taxa avançou de 8,501% para 8,61%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Tupy (TUPY3)
Crescimento do lucro com fatores não recorrentes no 4T18

A empresa divulgou na noite de ontem um resultado do 4T17, que na comparação com o mesmo período de 2017, mostrou aumento de vendas e receita, mas elevações de custos levaram à queda das margens operacionais.  Porém, ganhos não recorrentes permitiram um forte aumento no lucro líquido.

  • No 4T18 o lucro líquido somou R$ 78 milhões (R$ 0,54 por ação), que foi 12,1% menor que no trimestre anterior, mas 459,2% maior que o número do 4T17;
  • Em 2018 a Tupy obteve um excelente resultado.  As margens da operação permaneceram estáveis no ano, permitindo uma elevação de 29,9% no EBITDA ajustado e 77,1% no lucro líquido, quer somou R$ 272 milhões (R$ 1,88/ação);
  • A Tupy pagará no dia 28 março/2019 provento no valor total de R$ 37,5 milhões (R$ 0,26 por ação).  Para este ano, a empresa definiu que distribuirá R$ 100 milhões (R$ 1,04 por ação).

Marisa Lojas (AMAR3)
Lucro líquido de R$ 159,5 milhões no 4T18 e de R$ 28,4 milhões em 2018 refletem o reconhecimento de valores não recorrentes

A Marisa Lojas encerrou o 4T18 com lucro líquido de R$ 159,5 milhões ante um prejuízo de R$ 0,3 milhão no 4T17 e no acumulado do ano a reversão foi de menos R$ 60,4 milhões para R$ 28,4 milhões em 2018. Em ambos os casos, houve o reconhecimento de créditos tributários, no montante total de R$ 801,2 milhões.

A ação AMAR3 encerrou ontem cotada a R$ 6,24 acumulando alta de 28,2% no ano com valor de mercado de R$ 1,28 bilhão. A cotação/VPA está em 1.31x.


Ecorodovias (ECOR3)
Aumento de custos e queda no lucro do 4T18

Os resultados da Ecorodovias no 4T17, comparado ao mesmo período de 2017, apresentaram redução no tráfego e aumento de custos, com redução do lucro líquido.

  • O lucro líquido (excluindo os ativos mantidos para venda) no 4T18 foi de R$ 71 milhões (R$ 0,13 por ação), 27,2% menor que no 4T17 e 25,4% abaixo do trimestre anterior;
  • O ano de 2018 foi um ano difícil para as concessionárias de rodovias, em função da greve dos caminhoneiros e da isenção na cobrança do eixo suspenso, que determinaram uma diminuição importante da receita.  O lucro líquido em 2018 atingiu R$ 393 milhões (R$ 0,70/ação), 1,8% menor que no ano anterior.

Valid (VLID3)
Forte expansão de 251,4% no lucro líquido de 2018, somando R$ 100,1 milhões

  • A companhia registrou resultados bastante positivos nos dois períodos No acumulado do ano o lucro líquido somou R$ 100,1 milhões contra R$ 27,7 milhões em 2017, um crescimento de 261,4%, mesmo com o impacto negativo de R$ 9,9 milhões da provisão para perda sobre crédito realizada no 3T18.
  • A ação VLID3 encerrou ontem cotada a R$ 19,73 com valorização de 9,6% neste ano. A ação fazia parte de uma de nossas carteiras, retirada para realização de lucro.

Santander Brasil (SANB11)
Interesse pelo exercício de opção de venda – Banco Olé

O Santander informou que ontem (14/mar) a Bosan Participações S.A. formalizou seu interesse em exercer a opção de venda prevista no Contrato de Investimento, celebrado em 30/07/2014, para alienação de sua participação de 40% no capital social do Banco Olé Bonsucesso Consignado S.A. à Aymoré Crédito, Financiamento e Investimento S.A., sociedade controlada pelo Santander Brasil.

  • Em julho de 2014 o Santander Brasil, através da Aymoré, investiu R$ 460 milhões numa Joint Venture (JV) com o Bonsucesso passando a ter uma participação no capital social da JV de 60%, tornando-se acionista controlador.
  • A efetivação da operação estará sujeita à execução dos procedimentos previstos no Contrato de Investimento. Apenas como base de comparação, estimamos um valor de R$ 490 milhões desta participação remanescente, com base no preço pago quando da formação da JV, corrigido pelo CDI.
  • As Units do banco registram alta de 12,0% este ano para uma cotação de R$ 46,56. Seguimos com recomendação de compra para SANB11 com preço justo de R$ 49,00/Unit.

IRB-Brasil Resseguros S.A. (IRBR3)
Ex-proventos em 22/03/19

O IRB-Brasil Resseguros aprovou ontem (14/mar) em AGO, o pagamento de proventos (dividendos de R$ 2,112/ação e juros de R$ 0,214/ação), relativos ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2018.

  • Os proventos serão pagos em 30 de abril de 2019 com base nas posições de ações do dia 21 de março de 2019, sendo as ações negociadas ex-proventos a partir de 22 de março de 2019.
  • O retorno líquido com base na cotação de R$ 89,00/ação é de 2,57%.

BRF S.A. (BRFS3)
Esclarecimento sobre cancelamento de benefício fiscal

A BRF comunicou que ontem (14/mar) foi publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, despacho do Secretário de Fazenda decidindo pelo desenquadramento de benefício concedido e a consequente restauração da cobrança normal de ICMS, referente ao crédito presumido sobre as saídas de produtos cárneos da Companhia.

  • No entender da companhia, referido despacho, se aplicável, somente gerará efeitos com relação a utilizações futuras de créditos. Diante disso, já impetrou pedido de liminar no sentido de reverter à decisão e garantir o direito de continuar utilizando o benefício corrente.
  • Ainda, no que se refere aos créditos já apropriados, este despacho não implica qualquer tipo de devolução de recursos. Eventual restituição dependerá da instauração de devido procedimento legal pelas autoridades competentes, a qual a BRF não tem conhecimento até o momento. Caso isto ocorra, a companhia tomará as devidas providências legais para proteger o seu direito ao benefício.
  • De acordo com o Governo do estado o valor a ser devolvido alcança R$ 300 milhões. As BRFS3 registram queda de 5,4% este ano para uma cotação de R$ 20,75, equivalente a um valor de mercado de R$ 16,9 bilhões.

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.