Expectativa de avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a sexta-feira com alta de 0,98% aos 97.886 pontos, com giro financeiro de R$ 14,0 bilhões. O mercado passou o dia na expectativa de avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China, assunto que se arrasta por longo tempo, mas que teve uma sinalização positiva no final de semana, puxando fortemente as bolsas internacionais nesta segunda-feira. Do
lado doméstico, também o mesmo assunto, a reforma da Previdência. Na semana, a bolsa valorizou 0,37%. Os resultados corporativos têm tido algum peso nos preços dos papéis, mas o mercado segue influenciado pelo noticiário externo. A semana abre com agenda econômica mostrando o IPC-Fipe semanal com alta de 0,53%. Ainda nesta manhã sai o saldo de investimento estrangeiro direto. No exterior a agenda está fraca e o destaque fica para o otimismo em relação ao avanço das negociações entre China e EUA

Câmbio
Após dois dias de alta, a moeda americana encerrou a sexta-feira em queda de 0,51%, a R$ 3,7406. Na semana, porém, acumulou alta de 0,96%, e no mês, sobe 2,2%.

Juros
Os juros futuros fecharam a sessão estendida perto da estabilidade, após terem terminado a etapa regular com viés de baixa. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/20 encerrou 6,450% de 6,430% na quinta-feira e para jan/25 a taxa subiu caiu 8,712% para 8,68%.

 

ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Alpargatas (ALPA4)
Aprovação aumento de capital via bonificação de 25/100 ações existentes

Na RCA de 22/02, o conselho de administração da Alpargatas aprovou hoje o aumento do capital social da companhia em R$ 851,502 milhões, com bonificação de ações, mediante a utilização do valor destinado como Reserva de Incentivo Fiscal de 2008 a 2015 (parcial).

• O aumento terá a emissão de 117.612.445 novas ações, sendo 60.402.138 ações ordinárias e 57.210.307 ações preferenciais, incluídas as ações em tesouraria;
• A bonificação ocorrerá na proporção de 25 ações para cada 100 ações possuídas em 20 de março de 2019, sendo o custo atribuído às ações bonificadas de R$ 7,239904 por ação;
• A matéria será submetida à aprovação dos acionistas na próxima assembleia geral extraordinária em 20 de março.
Na sexta-feira a ação ALPA4 encerrou cotada a R$ 19,07 acumulando valorização de 12,0% neste ano. O valor de mercado atual da companhia é de R$ 9,4 bilhões.


Banco do Brasil (BBAS3)
Conselho aprova payout entre 30% e 40% para 2019

O Conselho de Administração do Banco do Brasil aprovou na sexta-feira (22/fev.) para o exercício de 2019, o intervalo de 30% a 40% do lucro líquido a ser distribuído (payout), via dividendos e/ou juros sobre o capital próprio (JCP).

  • O intervalo de payout estimado corresponde a um intervalo de retorno entre 3,3% e 4,4%. Seguimos com recomendação de compra para BBAS3 com preço justo de R$ 62,00/ação, que apresenta um potencial de alta de 16,8% ante a cotação de R$ 53,09/ação.
  • JCP relativos ao 1T19. O Conselho Diretor do BB, reunido em 18/02/19, aprovou o valor de R$ 435,0 milhões (R$ 0,15612473967/ação) a título de remuneração aos acionistas sob a forma de Juros sobre o Capital Próprio (JCP), relativos ao 1T19. Os JCP serão pagos em 29/03/2019 e terão como base a posição acionária de 11/03/2019, sendo as transferências de ações a partir de 12/03/2019 efetuadas “ex” JCP. O retorno líquido estimado é de 0,25%.

Energisa (ENGI11)
Dividendos intercalares de R$ 0,65/Unit. “Ex” em 28 de fevereiro

O Conselho de Administração da Energisa aprovou em reunião realizada dia 22/02/19, a distribuição de dividendos intercalares no valor de R$ 235,8 milhões correspondentes a R$ 0,65 por Unit.

  • Os pagamentos serão efetuados a partir de 11 de março de 2019, com base na posição acionária da companhia em 27 de fevereiro de 2019.
  • As ações serão negociadas ex-dividendos no dia 28 de fevereiro. Com base na cotação de R$ 41,56/Unit o retorno é de 1,56%.

SLC Agrícola S.A. (SLCE3)
S&P atribui rating de crédito corporativo de longo prazo ‘brAA-’

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s “S&P Global Ratings” anunciou na sexta-feira, dia 22 de fevereiro de 2019, a atribuição, à companhia, de rating de crédito corporativo de longo prazo ‘brAA-’ na Escala Nacional Brasil, com perspectiva estável.

  • A SLC Agrícola comemorou o resultado, “decorrente da comprovação de resiliência do nosso negócio, derivada de uma política de gestão de riscos assertiva, que reduziu substancialmente a volatilidade inerente à operação agrícola, o que tem possibilitado saudável e consistente geração de caixa operacional, e níveis de alavancagem bastante confortáveis”.
  • Ao final de set/18 a relação Dívida Líquida/EBITDA era de 1,45 vezes. Ao preço de R$ 42,85/ação, equivalente a um valor de mercado de R$ 4,1 bilhões, suas ações registram alta de 2,4% este ano.

Petrobras (PETR4)
Produção de petróleo no Brasil caiu 3,4% em janeiro

A produção de petróleo realizada pela Petrobras no Brasil foi de 2.038,7 mil barris por dia (mbpd), 3,4% menor que em dezembro/2018 e 3,1% abaixo do volume no mesmo mês do ano passado.

  • A produção total, incluindo gás natural e o volume extraído no exterior, somou 2,610,3 mbpd, uma queda de 3,2% em relação a janeiro/2018 e 3,3% comparado ao mês anterior;
  • Esta redução na produção ocorreu, principalmente, pelas paradas para manutenção em cinco plataformas, sendo três no pré-sal da Bacia de Santos e duas na Bacia de Campos.

Boletim Focus
Estimativas de inflação são revistas para baixo

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus no último Boletim Focus desta segunda-feira, destaque para o arrefecimento das estimativas do IPCA de 2019, do mesmo modo, as atualizações dos últimos 5 dias também apresentaram desaceleração em relação a última apuração. Já a mediana das estimativas dos demais indicadores como: PIB, Taxa de Câmbio e Taxa Selic permaneceram estáveis.

Já mediana do agregado para a produção industrial registrou arrefecimento, sugerindo crescimento de 2,90% em 2019 ante 3,00% na semana anterior. Para os demais indicadores de relevância, não houve alteração em relação às estimativas anteriores.

Com isso, para 2019, as expectativas para o IPCA ficaram em 3,85%, o PIB em 2,48%, Taxa de Câmbio R$/US$ 3,70 e a Meta da Taxa Selic em 6,50% a.a.

Destaques do Boletim Focus publicado na segunda-feira, para 2019:

  • IPCA: 3,85%;
  • IPCA (atualização dos últimos 5 dias): 3,88%;
  • PIB: 2,48%
  •     Taxa de Câmbio: R$/US$ 3,70;
  • Meta Taxa Selic: 6,50% a.a.

Se preferir, baixe em PDF:

 

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações

Mapa de Posições Alugadas

Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.