As pedras também fazem parte da construção

O alicerce antes de tudo

A reforma da previdência é o carro-chefe e é isso que o mercado está olhando. Qualquer dúvida a respeito gera movimentações principalmente na B3 e no câmbio, mas volatilidade será a palavra da vez neste ano.

Os mercados não gostaram. Mas é bom voltar à realidade em se tratando de novo governo e novo Congresso e ganhar fôlego realizando lucros. E por que não a possibilidade de se concretizar um modelo que possa fazer efeito não pelos próximos 5 anos, mas quem sabe por muito mais tempo ? É bem verdade que sobre isso está a mudança de fundamentos, de trajetória de juros, de crescimento econômico.

Reforma da Previdência e Disposição para Atuar

O novo governo tem mostrado disposição de atuar em várias frentes e concessões e privatizações são possibilidades de novos recursos para atenuar a dívida pública.

A decisão de enviar uma nova proposta de emenda constitucional (PEC) para a reforma da previdência e não mais o projeto do governo Temer, tem a ver com a preocupação da área econômica em ver um texto aprovado de forma que seja considerado relevante pelo mercado financeiro e pelos empresários e não apenas um “remendo”, o que permitirá um ciclo maior de investimentos.

Além disso, o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) já considerou a possibilidade de judicialização se o texto anterior fosse utilizado. Ao utilizar a PEC do governo Temer, seria necessário realizar adequações ao texto com as emendas já protocoladas, sem a criação de novo texto, o que o novo governo pretende fazer para mudar o abono e a criação do regime de capitalização.

Ao encaminhar uma nova PEC, as comissões CCJ e Especial terão que avalia-la e isso levará mais de 3 meses, embora possam levar 2 meses se Rodrigo Maia achar que há votos.

Lembrando que os Estados precisam de ajuda financeira e isso pode servir de apoio para a votação.

Baixar o Relatório Completo – PDF

Índice:

Privatizações e Concessões
Aparecendo o que vai ser feito

Grau de risco e Credit Default Swap
Mudança de rating não está longe

Taxa de Inflação
Sem pressões relevantes em janeiro

Zona do Euro
Grecia de volta à mira dos investidores

Mercados Emergentes e Economias em Desenvolvimento – EMDE
China como grande perdedora nessa guerra comercial, o mundo agradece a iniciativa


DISCLAIMER

Este relatório foi preparado pelo Departamento Econômico da Planner Corretora de Valores por profissional qualificado, e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas às mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas de fontes públicas, julgadas confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, são dadas sobre sua exatidão. O Departamento Econômico da Planner Corretora de Valores não se responsabiliza por quaisquer atos ou decisões tomadas com base neste relatório. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento do Departamento Econômico da Planner Corretora de Valores.
Economista – Ricardo Tadeu Martins, Corecon-SP 21.394-2, OEB 9.640.
Fontes deste relatório: FIESP, CONAB, Valor Econômico, Valor Data, Estadão, Folha, O Globo, IBGE, FGV, BCB, Pesquisa Focus, Economática, Atique & Mello Advogados, BMA Review, além das citadas no texto.