Boletim Diário – 26 de Novembro 2018

MERCADO

Bolsa
O Ibovespa encerrou a sexta-feira pesada com queda de 1,43%, marcando 86.230 pontos no fechamento, com volume financeiro de R$ 12,6 bilhões. O mercado foi influenciado pela onda de aversão ao risco pesando sobre as commodities no mercado internacional e penalizando as ações da Vale com queda de 6,83% no fechamento e também na Petrobras, (-2,34% na ON e 3,10% na PN). No domingo, destaque para a aprovação do acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).  Os britânicos deixarão o grupo em 29 de março de 2019. As consequências da saída deverão ser avaliadas mais profundamente de agora em diante. A agenda econômica de hoje traz em destaque os dados do Boletim Focus, o Índice de Confiança do Consumidor (FGV) em novembro e o resultado da dívida federal em outubro. As bolsas internacionais operam em alta da zona do euro, e com fechamento positivo na Ásia. Os futuros de NY também indicam alta para hoje. O bom humor dos mercados lá fora poderá ajudar o Ibovespa hoje.

Câmbio
O dólar caminhou no sentido contrário da bolsa, marcando a terceira alta consecutiva, de 0,40% encerrando a sexta-feira cotado a R$ 3,8241. No acumulado da semana, a moeda americana subiu 2,2%. A corrida para o dólar vem das preocupações com o mercado de petróleo e sinais de desaceleração de grandes economias.

Juros
O mercado de juros futuros não sofreu a influência de outros mercados e encerrou a sexta-feira em queda, com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 em 7,86%, de 7,923% ontem no ajuste anterior. Para jan/25 o DI passou de 9,632% para 9,53%.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Notre Dame Intermédica (GNDI3)

Aprovação de oferta pública de ações 

  • A Notre Dame Participações comunicou em fato relevante, a aprovação de um aumento de capital na RCA de 25/11/18, com emissão primária de 12.000.000 novas ações ordinárias e distribuição secundária de 75.000.000 ações ordinárias de emissão da Companhia de titularidade do Alkes II – Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia.
  • A operação poderá somar até R$ 3 bilhões.

Boletim Focus

Mediana dos agregados aponta recuo da inflação, com maior crescimento econômico e estabilidade na taxa de câmbio. Destaque para a redução da Selic em 2019

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus publicado nesta segunda-feira, destaque para a quinta redução marginal das estimativas para o IPCA de 2018, com as atualizações dos últimos 5 dias também registrando recuo. Para o PIB, após três apurações sem variação, a mediana das estimativas apontou ligeiro avanço, enquanto as estimativas para a Taxa de Câmbio seguiram estáveis pela terceira vez consecutiva. Por fim, a Meta da Taxa Selic para o final do período seguiu estável pela 26ª vez consecutiva.

Com isso, para este ano, as expectativas para o IPCA ficaram em 3,94%, o PIB em 1,39%, Taxa de Câmbio R$/US$ 3,70 e a Meta Selic em 6,50% a.a.

A mediana do agregado para a produção industrial apresentou ligeiro recuo, sugerindo crescimento de 2,16% ante 2,19%. Para os demais indicadores de relevância, não houve alteração em relação às estimativas anteriores.

Destaques do Boletim Focus publicado nesta segunda-feira, para 2018:

  • IPCA: 3,94%;
  • IPCA (atualização dos últimos 5 dias): 3,88%;
  • PIB: 1,369
  • Taxa de Câmbio: R$/US$ 3,70;
  • Meta Taxa Selic: 6,50% a.a.

Eletropaulo (ELPL4)

Revisão de projeções operacionais para 2021

  • A Eletropaulo realizou atualizações no seu Formulário de Referência no número de unidades consumidoras.  A expectativa quanto ao número de unidades consumidoras é de um aumento de 7,2 milhões em 2018 para 7,6 milhões em 2021.
  • Após a revisão da previsão de investimentos para o ciclo 2018-2022 o número passou a ser de R$ 5,718 bilhões, voltado para a melhoria da eficiência e confiabilidade operacional. O número anterior era de R$ 4,942 bilhões.
  • A previsão de EBITDA , que pode ser reavaliada trimestralmente, é de R$ 1,242 bilhão para 2018 e de R$ 3,075 bilhões para 2021.

Siderurgia

Vendas no mercado interno continuam crescendo

Em outubro, a produção brasileira de aço bruto atingiu 3,1 milhões de toneladas, volume 3,5% maior que no mesmo mês de 2017, conforme os dados divulgados pelo Instituto Aço Brasil (IABr).
• O volume de produção acumulado nos primeiros dez meses do ano somou 29,2 milhões de toneladas, ficando 2,6% superior a este período no ano passado;
• As vendas de aço no mercado interno continuam mostrando números muito positivos, o que é bom indicativo para a rentabilidade das siderúrgicas nacionais;
• As vendas de aço no Brasil em outubro cresceram 8,4% comparadas ao mesmo mês de 2017, com destaque para a elevação de 18,8% em aços planos.


Se preferir, baixe o Boletim Diário em pdf:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas


Clique para acessar nossas Análises Gráficas:

Análises Gráficas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.