Ibovespa marca 2,29% de alta com bom ritmo de recuperação

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa voltou a subir ontem, (2,29%) chegando aos 83.171 pontos com giro financeiro de R$ 25,7 bilhões. Ontem o destaque ficou para a agenda econômica carregada com o PIB fraco nos EUA e a manutenção dos juros pelo Fed perto de zero nos Estados Unidos. A notícia de um potencial medicamento para o tratamento do coronavírus teve influência no mercado também. Nesta quinta-feira, a agenda econômica vem carregada com destaque para o PIB da zona do euro no 1T20 com queda de 3,8% no T/T e de 3,1% no A/A e a taxa de desemprego na região em 7,4% em março, (7,3% na leitura anterior). No Brasil, destaque para a taxa de desemprego nacional, criação de empregos formais e o coeficiente % de dívida sobre o PIB que sai na parte da tarde (expectativa: 53,3%). Hoje, último pregão de abril e véspera de feriado, as bolsas internacionais mostram alta no fechamento da Ásia e sobem também na Europa. Com o feriado de amanhã e o ânimo dos últimos dias, somado à safra de balanços, podemos ter mais um dia positivo.

Câmbio
O dólar voltou a recuar ontem, de R$ 5,5031 para R$ 5,3366 (-3,0%). A notícia de esforço concentrado do governo americano no combate ao vírus e a expectativa de avanço nas pesquisas para uma vacina, ajudaram para ajustar o mercado.

Juros
Os juros futuros recuaram novamente com a taxa do DI para jan/21 terminando o dia com taxa de 2,835%, ante 2,825% na terça-feira. Para jan/29 a taxa caiu de 8,172% para 7,95%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Multiplan (MULT3)
Resultado liquido soma R$ 177,7 milhões, crescimento de 93,3% sobre o 1T19

A despeito de todos os problemas causados pelo coronavírus na economia brasileira, a Multiplan conseguiu manter bom desempenho nos dois primeiros do ano, sofrendo pequeno impacto em março. Com isso, a receita liquida do 1T20 somou R$ 326,0 milhões ante R$ 307,9 milhões no 1T19 (+3,8%).

O EBITDA atingiu R$ 343,7 milhões no 1T20 contra R$ 230,5 milhões no 1T19 (+49,1%).

O 1T20 ainda foi positivo para a empresa, mas o efeito mais pesado da pandemia deverá ser sentido neste 2º trimestre cujo período de paralisação está sendo mais longo. Mesmo com a empresa conseguindo importantes reduções de custo e despesas, a queda no faturamento e os investimentos de suporte em solidariedade aos parceiros por conta da pandemia, deverão pesar sobre os números da empresa.

Ontem a ação MULT3 ncerrou cotada a R$ 22,37 acumulando queda de 32,1% no ano e no mês a alta é de 5,0%. O preço justo do mercado para a ação é de R$ 27,40 com potencial de valorização de 22%.


Odontoprev (ODPV3)
No 1T20, o lucro líquido atingiu R$ 75,2 milhões, 22,8% abaixo do 1T19

A companhia encerrou o 1T20 com um resultado líquido de R$ 75,2 milhões. O número representa uma queda de 22,8% em relação ao 1T19 e alta de 4,9% comparado do 4T19. Neste 1T20 a empresa contabilizou um aumento significativo em provisão nos planos individuais por conta da pandemia. É possível que este 2T20 exija novamente uma cautela da empresa neste aspecto.

A companhia anunciou o pagamento de dividendos no valor total de R$ 23,7 milhões (R$ 0,04 por ação) a serem pagos em outubro.

Ontem a ação ODPV3 encerrou cotada a R$ 16,00 com queda de 5,0% no ano. O mercado avalia a ação em R$ 17,00, portanto atualmente está bem precificada.


Vale (VALE3)
Teleconferência para discutir os resultados do 1T20

A empresa realizou na manhã de ontem uma reunião com analistas para discutir o resultado do 1T20, divulgado na noite anterior. O tom da reunião foi positivo, com a

diretoria confiante em redução de custos e melhoria de produtividade no restante do ano, podendo inclusive, voltar a pagar dividendos assim que os riscos desta crise puderem ser melhor mensurados.

· O impacto total estimado da Covid-49 nos resultados é de US$ 500 milhões, contemplando aumentos de custos, redução no ritmo de projetos e a ajuda humanitária (US$ 100 milhões) que a empresa está realizando;

· A Vale já tem condições financeiras de retornar ao pagamento de dividendos e o fará assim que os riscos da crise atual puderem ser melhor dimensionados.


Petrobras (PETR4)
Ganhos com novo modelo de assistência de saúde

A empresa informou, na noite de ontem, que seu Conselho de Administração aprovou um novo modelo de gestão para a AMS – Assistência Multidisciplinar de Saúde, com a criação de uma associação civil, sem fins lucrativos, mantendo a modalidade de autogestão. A gestão da AMS atualmente é feita pela área de Recursos Humanos da própria Petrobras.

· Em pelo menos dez anos, a empresa espera obter uma economia com valor presente de R$ 6,2 bilhões decorrente desta mudança;

· Neste momento de crise, em que a empresa terá seu fluxo de caixa abalado pelas quedas no preço do petróleo e no consumo interno, uma notícia de economia com valor relevante é sempre muito boa.


Bradesco (BBDC4) 
Lucro do 1T20 reduz-se 40% ante o 1T19 para R$ 3,8 bilhões 

O Bradesco registrou no 1T20 um lucro líquido recorrente de R$ 3,8 bilhões (ROAE de 11,7%) com forte redução de 39,8% em relação ao 1T19 (ROAE de 20,5%). Um resultado abaixo dos R$ 6,0 bilhões que esperávamos, explicado principalmente pelo reforço de R$ 2,7 bilhões em provisã0 para devedores duvidosos, em função do cenário de pandemia do Covid-19 e o reflexo direto na atividade econômica.

Do lado positivo, (i) o crescimento de 2,9% da Margem Financeira e que refletiu a queda de 27,8% da Margem Financeira com o Mercado, compensada pelo crescimento de 8,4% da Margem Financeira com Clientes; (ii) as despesas operacionais (despesas com pessoal e outras administrativas), que cresceram 2,1% em percentual abaixo da inflação; e (iii) o incremento de 2,6% das receitas de serviços.

Do lado negativo (i) a alta de 86,1% na PDD expandida (por reforço de R$ 2,7 bilhões no trimestre), impactando diretamente a margem financeira líquida que registrou queda de 25,7%; e (ii) a redução de 23,4% do resultado de seguros. Esses aspectos foram decisivos para a redução do lucro líquido recorrente do banco e a expressiva queda de 8,8pp no ROAE para 11,7% 9em base de 12 meses).

Com base no cenário atual o banco suspendeu o Guidance para 2020. Seguimos com recomendação de COMPRA para BBDC4 com preço justo de R$ 30,90/ação para 2020.


Cesp (CESP6)
Lucro Líquido de R$ 53,8 milhões no 1T20

A Cesp registrou no 1T20 um lucro líquido de R$ 54 milhões e se compara ao prejuízo líquido de R$ 158,2 milhões do 1T19. Um bom resultado, melhor que o esperado, construído pelo cresciment0 de 30% da receita líquida e forte melhora do resultado operacional medido pelo EBITDA.

Crescimento de 30% na Receita Operacional Líquida, atingindo R$ 461 milhões no 1T20, sendo R$ 61 milhões proveniente das operações da CESP Comercializadora.

Redução de 63% no custo de energia comprada e de 46% nos custos e despesas de Pessoal e Administração no 1T20 em relação ao 1T19.

EBITDA ajustado consolidado de R$ 336 milhões e margem de 73% no 1T20, aumento de R$ 294 milhões em relação ao 1T19.

Geração de R$ 242 milhões de fluxo de caixa operacional após serviço da dívida, com o índice de conversão de caixa de 72% no 1T20.


Cteep – Transmissão Paulista (TRPL4) 
Resultado do 1T20 acima do esperado

A Cteep registrou no 1T20 um lucro líquido de R$ 308 milhões (em base regulatória) com crescimento de 34% em relação aos R$ 230 milhões de  igual trimestre do ano anterior. Um bom resultado, acima do esperado e que refletiu o incremento de receita e principalmente a melhora do resultado operacional. Pelo IFRS o lucro líquido do trimestre eleva-se a R$ 392 milhões para uma receita operacional líquida de R$ 806 milhões (e que se compara a R$ 734 milhões pelo regulatório).

No 1T20, a receita operacional bruta consolidada atingiu R$ 851,5 milhões (+5,5% em 12 meses) explicado principalmente pela variação positiva do IPCA, que impactou a receita de O&M e da RBSE, e pela receita proveniente da energização de novos projetos de reforços e melhorias.

As deduções da receita bruta no 1T20 atingiram R$ 117,1 milhões em linha com o 1T19 e a variação dos encargos regulatórios. Desta forma, a receita líquida totalizou R$ 734,3 milhões no 1T20 com incremento de 5,8% ante o 1T19.

Os custos e despesas de O&M, ex-depreciação, somaram R$ 127,7 milhões no 1T20 com queda de 1,9%  em relação a igual trimestre do ano anterior, contribuindo para o aumento do EBITDA ajustado que totalizou R$ 673,8 milhões no 1T20.

Ao final do 1T20 a dívida líquida consolidada da companhia era de R$ 2,67 bilhões, 5% acima dos R$ 2,55 bilhões do trimestre anterior, e alavancagem de 1,1x bem abaixo do covenant mais restritivo, equivalente a 3,0x o EBITDA ajustado.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.