Dia de pânico no Ibovespa com queda de 14,8% se torna histórico

MERCADO


Bolsa
O cenário de alta volatilidade e forte queda dos ativos dominou os negócios ontem na B3 com o “circuit breaker” sendo acionado por duas vezes, amenizando a baixa na parte final do pregão, pela ação do Fed que anunciou a injeção de R$ 1,5 trilhão em liquidez no mercado. Ao final o Ibovespa fechou com queda de 14,78% aos 72.583 pontos e giro financeiro de R$ 30,3 bilhões. Na agenda desta sexta-feira, sem destaques no Brasil. Nos EUA a divulgação do índice Sentimento Univ de Michigan de março. Petróleo em alta, assim como as bolsas europeias e futuros americanos, indica a abertura do mercado em recuperação.

Câmbio
Em novo dia de tensão no mercado financeiro mundial, em meio ao aumento da preocupação com os efeitos econômicos da pandemia de coronavírus. O Banco Central fez quatro leilões de dólar ao longo do dia e trouxe alívio ao mercado. A decisão do Fed de injetar US$ 1,5 trilhão no mercado financeiro também ajudou, mas mesmo assim o dólar fechou em novo recorde, com alta de 1,41%, cotado em R$ 4,7891.

Juros
Os impactos do coronavírus na economia global somados à piora do risco fiscal, após o Congresso ter derrubado o veto ao projeto que eleva o limite de renda o Benefício de Prestação Continuada (BPC), fizeram os futuros disparar nesta quinta-feira, enfraquecendo a aposta de corte da Selic na semana que vem. Ao final a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou em 4,950%, de 4,215% no ajuste do dia anterior. O DI para janeiro de 2027 terminou com taxa de 8,880%, ante 7,602% no ajuste.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Taesa (TAEE11)
Lucro Líquido (IFRS) de R$ 1,0 bilhão em 2019

• A Taesa registrou no 4T19 um lucro líquido (IFRS) de R$ 178 milhões, com queda de 34% em relação aos R$ 269 milhões do 4T18, reflexo (i) da reversão de R$ 81 milhões no 4T19 da receita de construção das melhorias, ainda em fase de construção; (ii) redução da receita de correção monetária por queda nos índices macroeconômicos; (iii) aumento da despesa financeira líquida, por aumento do endividamento. No acumulado de 2019 o lucro líquido (IFRS) somou R$ 1,0 bilhão, com queda de 6% na comparação com 2018.
• Com base neste resultado o Conselho de Administração aprovou a distribuição de R$ 61,8 milhões (R$ 0,18/Unit) a título de dividendos adicionais, e que será submetido à aprovação da Assembleia de Acionistas. O retorno estimado é de 0,6%.
• A taxa de disponibilidade das linhas de transmissão atingiu 99,90% e a Parcela Variável totalizou R$ 15,3 milhões, equivalente a 0,98% da RAP consolidada da companhia em 2019.
• No 4T19 a companhia tinha em caixa R$ 2,4 bilhões, 18% acima do registrado no 3T19. Nesta base de comparação sua dívida líquida era de R$ 2,84 bilhões, com crescimento de 9% em base trimestral, e alavancagem de 2,2x o EBITDA, acima de 2,0x no 2T19.


Light (LIGT3)
Prejuízo no 4T19

• A Light registrou no 4T19 um prejuízo líquido de R$ 366 milhões, ante lucro líquido de R$ 92 milhões do 4T18. Em base recorrente o prejuízo reduz-se a R$ 48 milhões, e se compara ao lucro recorrente de R$ 92 milhões no 4T18. Esta queda é explicada principalmente pela piora do resultado financeiro, impactado pela marcação a mercado das dívidas em moeda estrangeira.
• Em 2019 o lucro líquido recorrente foi de R$ 178 milhões, 7% superior ao lucro líquido recorrente de R$ 166 milhões em 2018. Em base contábil o lucro de 2019 somou R$ 1,3 bilhão, impactado pela atualização do crédito de PIS/COFINS de R$ 1,46 bilhão e impacto no resultado de R$ 1,64 bilhão (líquido de impostos).
• O indicador de Dívida Líquida/EBITDA encerrou o 4T19 em 2,98x, em linha com o valor apurado no 3T19 (3,0x) e abaixo do limite de 3,75x estabelecido como covenant na maioria dos contratos de dívida. A dívida líquida no final do 4T19 era de R$ 6,75 bilhões.


Energisa (ENGI11)
Lucro de R$ 353 milhões no 4T19 e R$ 527 milhões em 2019

• A Energisa registrou um Lucro líquido consolidado de R$ 353,3 milhões no 4T19, com queda de 47% sobre 4T18, acumulando em 2019, um lucro líquido consolidado de R$ 527,2 milhões, com redução de 55% em relação a 2018. A empresa destaca que, desconsiderando a combinação de negócios ocorrida no 4T18, o lucro teria crescido 82% em 2019.
• O EBITDA ajustado consolidado totalizou R$ 1,06 bilhão no 4T19, queda de 44% em relação ao 4T18. Em 2019, o EBITDA ajustado atingiu R$ 3,84 bilhões, queda de 6% em relação a 2018. Sem o efeito da combinação de negócios ocorrida no 4T18, o EBITDA ajustado do ano teria aumentado em 31%.
• Ao final de dez/19 o Caixa, equivalentes de caixa, aplicações financeiras e créditos setoriais consolidados atingiram R$ 4,5 bilhões, ante R$ 6,2 bilhões de dezembro de 2018. Sua dívida líquida consolidada totalizou R$ 13,7 bilhões em dezembro de 2019, contra R$ 10,85 bilhões em dezembro de 2018. A relação dívida líquida por EBITDA ajustado ficou em 3,6x. Os Investimentos consolidados somaram R$ 998 milhões no 4T19 e R$ 3,2 bilhões em 2019.


 

Vale (VALE3)
Riscos da COVID-19 nas operações

Ontem após o pregão, a empresa divulgou seu resultado do 4T19, que mostrou forte aumento das vendas e da receita, mas maiores gastos exploratórios e despesas financeiros impactaram negativamente o lucro, comparado ao mesmo período do ano anterior.
• O lucro líquido da Enauta no 4T19 foi de R$ 102 milhões (R$ 0,38 por ação), 143,7% maior que no trimestre anterior, mas 18,5% abaixo do 4T19;
• No 4T19, a produção no campo de Manati, foi de 4,5 milhões de m³, 6,2% menor que no mesmo trimestre de 2018. Esta redução reflete o declínio natural da produção deste campo;
• No Campo de Atlanta, a produção média no 4T19 atingiu 28,5 mil barris ao dia, totalizando 1.309,5 mil barris no trimestre (parcela da Enauta). A produção média no trimestre em Atlanta ficou 128,8% maior que no 4T18.


A ENGIE Brasil Energia S.A. (EGIE3)
Confirmado ratings pela Fitch

  • Em comunicado à imprensa divulgado nesta quinta-feira (12) a agência Fitch Ratings reafirmou o Rating Nacional de Longo Prazo  da companhia em ‘AAA(bra)’ com perspectiva estável e em escala global ‘BB’ com perspectiva estável, ainda um nível acima do rating soberano.
  • A Agência reafirmou também o rating ‘AAA (bra)’ com perspectiva estável, atribuído às sexta, sétima e nona emissões de debêntures quirografárias da ENGIE Brasil Energia (EBE).
  • Conforme divulgado no comunicado, os ratings da EBE refletem sua posição de destaque no mercado como a maior empresa privada de geração de energia elétrica do Brasil, com um portfólio relevante e diversificado, eficiência operacional e geração robusta de fluxo de caixa, decorrentes da existência de contratos de longo prazo com seus clientes.

Odontoprev (ODPV3)
Conselho aprova JCP de R$ 0,0261/ação. Ex dia 18/03

  • O Conselho de Administração da Odontoprev aprovou o pagamento de Juros sobre o capital próprio (JCP) de R$ 0,026139961/ação, equivalente a R$ 13,9 milhões. O pagamento será feito em 02 de abril de 2020. As ações da Companhia serão negociadas ex-direito a juros sobre o capital próprio a partir de 18 de março de 2020, inclusive. O retorno líquido é de 0,2%.

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.