Banco do Brasil – Relatório de Análise

Recuperação Judicial têm impacto limitado

Odebrecht S.A. (ODB) ajuizou em 17 de junho, em conjunto com suas sociedades controladoras e certas controladas, pedido de recuperação judicial, contemplando R$ 51 bilhões de créditos concursais, excluídos os créditos entre as próprias empresas do Grupo (R$ 33,0 bilhões) e R$ 14,5 bilhões referentes à alienação fiduciária, com boa parte de dívidas garantidas com ações da Braskem. No total as dívidas alcançam R$ 98,5 bilhões e a exposição do Banco do Brasil soma R$ 4,8 bilhões. O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, reiterou na quarta-feira, dia 19 de junho, que o banco segue confiante quanto à recuperação judicial da Odebrecht e que, a partir da decisão, irá procurar o melhor caminho. A exposição do banco é da ordem de R$ 4,8 bilhões, sendo que 50% do valor estão provisionados, acima do mínimo de 30%, comum nesses casos. Assim, de acordo com a sua avaliação, a situação está sob controle, sem impacto relevante.

Não descartamos aumento de inadimplência já no 2T19 e alguma redução dos índices de cobertura da carteira de crédito do banco, de R$ 684,2 bilhões ao final de março de 2019, no critério ampliado.  O índice de inadimplência (NPL >90 dias) permanecia controlado, em 2,6% e a cobertura estava compatível com o perfil de risco da carteira, sendo de 214% ao final do 1T19, em linha com os 212% do trimestre anterior. Em março de 2019 a Basileia do BB era de 19,3% sendo de 10,5% o índice de capital principal, para um Patrimônio Líquido de R$ 105,1 bilhões. Como objetivo, o BB espera atingir um mínimo de 11,0% de capital principal até janeiro de 2022. De acordo com o banco, “esse índice será sustentado de forma orgânica, refletindo o incremento de lucro, amparado na alocação em linhas com menor consumo de capital e mais atrativas sob o critério de risco versus retorno”.

Nossa precificação atual para o Banco do Brasil contempla premissas de crescimento que julgamos sustentáveis para os próximos anos. Temos um custo de capital de 12,0%, crescimento de 3% na perpetuidade, taxa efetiva de IR/CS de 32% e preço justo de R$ 62,00/ação. Considerando a possível elevação da CSLL de 15% para 20%, realizamos uma análise de sensibilidade, elevando a alíquota efetiva de 32% para 37% ao longo de todo o período de projeção, e reduzimos o custo de capital de 12,0% para 11,3% (em patamar compatível com o banco no momento), e chegamos ao mesmo preço justo, reiterando então, a precificação e a recomendação de compra para suas ações

 

Clique para acessar:

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.