Boletim Diário – 16 de julho 2018

MERCADO

Bolsa

Na sexta-feira o Ibovespa fechou com alta de 0,97% aos 76.594 pontos e giro financeiro de R$ 9,4 bilhões. Com a ausência de novos desdobramentos entre EUA e China, sem influência no mercado doméstico, somado a alta do petróleo e a queda do dólar, foram aspectos que favoreceram a busca dos investidores por ativos de risco. A agenda de hoje traz o Boletim Focus, o IBC-Br de maio, o IGP-10 de julho em 0,93% acelerando ante 0,81% de junho, o IPCS de 15/jul em 0,67% ante 0,70% da leitura anterior. Nos EUA as vendas no varejo de junho e o Índice Empire State de atividade de manufatura. Hoje pela manhã, dólar e petróleo operavam em queda, ao passo que as bolsas registravam comportamento misto. Em dia de vencimento de opções sobre ações na B3 a tendência é de manutenção da alta no curto prazo.

Câmbio

O mercado de câmbio na sexta-feira seguiu em linha com cenário externo, em dia marcado pelo aumento do apetite por risco dos investidores. Ao final o dólar à vista caiu 0,88% para R$ 3,8497 (-0,43% na semana), e o dólar para agosto recuava 0,72% a R$ 3,8630. Atentar que a tendência no médio prazo é de alta.

Juros

Os juros oscilaram em queda, alinhados ao desempenho do câmbio e com baixa liquidez. A taxa do DI para janeiro de 2019 fechou a 6,820%, de 6,884% do dia anterior, e o DI para janeiro de 2020 caiu de 8,32% para 8,21%. Já o DI para janeiro de 2021, fechou a 9,21%, de 9,31% do dia anterior.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

CSN (CSNA3)
Aumento de preços

A CSN vai aumentar seus preços entre 7% a 10%, para a rede de distribuição, a partir do final de julho.  Esta é uma notícia positiva para a empresa.

ELETROBRAS (ELET6)
AGU e BNDES recorrem da decisão de suspensão da venda das distribuidoras

A Advocacia-Geral da União (AGU) e o BNDES apresentaram na sexta-feira (13/julho) ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) um pedido de derrubada da liminar que suspendeu o leilão de seis distribuidoras de energia da Eletrobras.

  • Mais um desdobramento desta questão, que segue impactando negativamente o preço das ações da companhia. Este ano as ELET3 registram queda de 24,3% para R$ 14,64/ação e as ELET6 caem 26,7% para uma cotação de R$ 16,64/ação.
  • O Tribunal de Contas da União (TCU) reconheceu recentemente a legalidade do leilão, indicando que a manutenção das subsidiárias sob controle da Eletrobras colocará em risco a continuidade do fornecimento de energia elétrica nos Estados do Acre, de Alagoas, do Amazonas, do Piauí, de Rondônia e de Roraima.
  • Diante das restrições financeiras da União e da Eletrobras para fazerem os investimentos necessários, as subsidiárias, que dependem de elevadas aplicações de recursos, ficam prejudicadas.
  • Caso não sejam vendidas, as distribuidoras terão de ser liquidadas pela Eletrobras, com a consequente demissão de funcionários e risco de descontinuidade no fornecimento de energia para os estados.

EMBRAER (EMBR3)
Demanda de 10.550 novas aeronaves comerciais de até 150 assentos nos próximos 20 anos

A Embraer estima uma demanda de 10.550 novas aeronaves com capacidade para até 150 assentos nos próximos 20 anos, um mercado avaliado em US$ 600 bilhões. Suas ações registram alta de 3,8% este ano, cotadas a R$ 20,66.

  • Segundo a companhia, “a frota de aeronaves em serviço deve aumentar para 16 mil unidades no período, comparado às nove mil atualmente em operação, cujo crescimento do mercado deve estimular 65% dessa demanda, enquanto os 35% restantes serão para reposição de aviões antigos” sendo que a maior eficiência e sustentabilidade referendam a projeção de demanda deste mercado.
  • A Embraer destaca ainda que “as aeronaves de até 150 assentos estão mais bem posicionadas para combinar eficiência de custo com maior receita unitária” e que “vem se preparando para um período de aumento de custos, com contínua pressão por aumento da rentabilidade”.
  • Aeronaves do segmento de até 150 assentos são um dos principais pilares de sustentabilidade do negócio da companhia, possuem um custo por viagem aproximadamente 20% menor, aproximando a eficiência operacional por assento de grandes aeronaves de corredor único.

BOLETIM FOCUS
Mercado revisa expectativas de inflação para baixo, com arrefecimento no PIB e taxa de câmbio estável

  • Dentre as alterações contidas no Boletim Focus publicado nesta segunda-feira, destaque para a redução das expectativas do IPCA em 2018, após 8 elevações consecutivas, enquanto os demais períodos agora divulgados (2019,2020 e 2021) permaneceram sem alteração.
  • As expectativas de crescimento da economia (PIB) para este ano apresentaram a segunda redução marginal, permanecendo constante nos anos subsequentes.
  • Já a taxa de câmbio para 2018 permaneceu estável, sofrendo depreciação nas estimativas dos 2 anos subsequentes. Para os demais indicadores de relevância, não houve alteração em relação às estimativas anteriores.

Clique para acessar o Boletim Diário Completo:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.
As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.