Boletim Diário – 13 de julho 2018

MERCADO

Bolsa

A bolsa teve dia de recuperação forte com alta de 1,96% marcando 75.856 pontos, com giro financeiro de R$ 9,6 bilhões.  A alta das bolsas de NY contribuiu para a recuperação da B3 com Investidores voltando a enxergar oportunidades em papéis de grandes empresas, com destaque para o setor financeiro e blue chips ligadas a commodities. Hoje a agenda econômica traz a balança comercial da China de junho com saldo positivo de US$ 41 bilhões (US$ 24,9 bi na leitura anterior), com destaque para a queda forte nas importações. Nos EUA, destaque para o índice de preços de importação e exportação em junho. As bolsas internacionais mostram alta no fechamento da Nikkei e Hang Seng e sobem também na Europa, nesta manhã. Do lado doméstico, os sinais de volta de estrangeiros às compras poderão dar novo ânimo ao Ibovespa, mesmo com o cenário doméstico inalterado.

Câmbio
Ontem o dólar andou do mesmo lado da bolsa, fechando em alta de 0,21% cotado a R$ 3,8837 no mercado à vista. O Banco Central tem deixado o mercado caminhar livre, completando 14 dias úteis sem novas ofertas de swap (venda de dólar no mercado futuro) e 11 dias sem leilões de linha (venda de dólar à vista com compromisso de recompra).

Juros
Os juros futuros também tiveram dia de alta, com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/19 fechando a 6,880% (máxima), de 6,834% no ajuste da quarta-feira. A taxa mais longa (jan/25) avançou de 11,19% para 11,36%.



ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

MRV ENGENHARIA (MRVE3)
Recorde de lançamentos e vendas no 2T18

A MRV marcou o melhor 2º trimestre de sua história com recorde de lançamentos e vendas. A geração de caixa foi novamente positiva, somando R$ 98 milhões e os distratos, mostraram redução de 15,9% no período, em relação ao 2T17.

Principais destaques:

  • O VGV lançado (parte MRV), somou R$ 1,71 bilhão no 2T18, aumento de 28,3% sobre o 2T17. 100% dos lançamentos estão vinculados ao FGTS.
  • Foram lançadas 11.377 unidades, contra 8.704 no 2T17, (+30,7%).
  • O preço médio de lançamento praticado por unidade foi de R$ 150 mil, contra R$ 153 mil no 2T17.
  • As vendas brutas totalizaram R$ 1,53 bilhão, evolução de 5,4% sobre o valor de R$ 1,45 bilhão no 2T17.
  • No mesmo período comparativo os distratos caíram de R$ 283 milhões para R$ 243 milhões no último trimestre (-13,9%).
  • No 2T18, os distratos representaram 15,9% das vendas totais, contra 19,5% no 2T17.
  • As vendas líquidas totalizaram R$ 1,29 bilhão, aumento de 10,0% sobre o 2T17.
  • No acumulado do 1S18 as vendas liquidas cresceram 13,6% somando R$ 2,52 bilhões. Em unidades o volume do semestre chegou a 17.174, evolução de 18,6% sobre o 1S17.
  • A relação vendas x distratos vem caindo nos últimos períodos.

A expectativa da companhia é de um 2º semestre ainda mais forte em termos de lançamentos, sustentando sua meta de chegar a 50 mil unidades por ano.

Recomendação de investimento: Temos recomendação de COMPRA para a ação com preço justo de R$ 16,55 que representa uma valorização potencial de 28,8% sobre a cotação de fechamento de ontem (R$ 12,85). No ano a ação acumula queda de 10,20%. O valor de mercado da MRV é de 5,67 bilhões.

EZTEC (EZTC3)
Prévia operacional do 2T18

  • A Eztec divulgou seus números operacionais para o 2T18 sem lançamentos no período, mas com destaque para a aquisição do projeto residencial do Parque da Cidade. Após seu lançamento, este projeto contribuirá com um VGV de aproximadamente R$ 500 milhões.
  • No acumulado do 1S18 o VGV lançado somou R$ 129 milhões (parte Eztec).
  • As vendas brutas atingiram R$ 134,5 milhões no 2T18, sendo R$ 96 milhões de imóveis performados e o restante (obras e lançamentos). No total houve retração de 31% em relação ao 1T18.
  • Os distratos chegaram a R$ 54,8 milhões com queda de 25%.
  • No 2T18, as vendas líquidas somaram R$ 80 milhões ante R$ 40 milhões no 2T17.
  • No acumulado, as vendas líquidas atingiram R$ 201 milhões.
  • A curva de vendas brutas versus distratos vem reduzindo desde o 3T16, mas os valores dos distratos e o volume de imóveis contabilizados ainda são representativos.
  • O estoque final chegou a 182,7 mil m2 no final de junho/18 e o índice VSO  (Velocidade de Vendas) segue ainda baixo.

Desempenho da ação: A ação EZTC3 encerrou ontem cotada a R$ 17,37 acumulando queda de 17,7% no ano. O valor de mercado da companhia é de R$ 2,87 bilhões atualmente.

PÃO DE AÇÚCAR (PCAR4)
Receita bruta do 2T18 soma R$ 12,8 bilhões, aumento de 9,9% sobre o 2T17

Bom desempenho de vendas consolidadas no GPA Alimentar, somando R$ 12,8 bilhões no 2T18, sendo R$ 7,0 bilhões no Multivarejo e 5,7 bilhões no Assaí, com crescimento de 5,3% e 4,7% respectivamente sobre o mesmo período de 2017.

Principais destaques:

  •  Crescimento de 5,1% nas Vendas Brutas ‘mesmas lojas’ ex calendário, evolução de 2,8% sobre o 1T18  confirmando a forte retomada de vendas iniciada em março no Multivarejo. Todas as bandeiras registraram aumento de volumes.
  • O Multivarejo vem ganhando market share desde março com destaque para as bandeiras Extra Hiper e Pão de Açúcar.
  • Aumento da penetração do aplicativo Meu Desconto, que já conta com cerca de 6,0 milhões de downloads e um aumento de aproximadamente 35% no consumo mensal dos clientes fidelizados.
  • O portfólio multicanal, multiformato possibilitou mitigar os impactos da greve dos caminhoneiros, permitindo a confirmação dos guidances de 2018.
  • Evolução das Lojas: No trimestre foram abertas 3 lojas Assaí, sendo uma por conversão de Extra Hiper. Dessa forma, a bandeira encerrou o período com um total de 130 lojas.

Desempenho da ação: Ontem a ação PCAR4 encerrou cotada a R$ 76,02 acumulando queda de 2,80% no ano.

PETROBRAS (PETR4)
Entrevista com o novo presidente

O jornal Valor, em sua edição de hoje, traz uma importante entrevista como o novo presidente da Petrobras. O executivo reafirmou questões fundamentais para os resultados futuros da empresa e tratou de outros assuntos:

  • A manutenção dos objetivos de uma política de preços realista
  • Redução do endividamento
  • Investimentos em níveis compatíveis com a geração de caixa
  • Continuidade do programa de desinvestimentos
  • Venda de participação na Braskem.

CAMIL ALIMENTOS S.A. (CAML3)
Queda de resultado no 1T18

A Camil Alimentos registrou no 1T18 (referentes aos meses de março, abril e maio de 2018) um lucro líquido de R$ 32,6 milhões, com queda de 46,7% em relação ao 1T17 reflexo de um trimestre impactado por cenário competitivo e os efeitos da greve dos caminheiros no Brasil.

  • Nesse contexto, suas ações registram queda de 18,3% este ano para R$ 6,40/ação. O preço justo de R$ 10,00/ação traz um potencial de alta de 56,3%.
  • A Receita Líquida caiu 18,0% para R$ 1,0 bilhão, e o EBITDA somou R$ 82,0 milhões, com queda de 35,6% e margem de 8,2%.
  • Os investimentos no trimestre cresceram 78,1% para R$ 23,5 milhões e a alavancagem encerrou o período em 1,4x o EBITDA.
  • Em junho de 2018, a companhia concluiu seu primeiro programa de recompra de ações, com a aquisição de 5.821.571 ações ordinárias, equivalentes a 3,74% das ações em circulação e 1,42% do capital social da companhia a um custo médio de R$ 7,77/ação.

Eletrobras (ELET6)
Suspensão da venda das distribuidoras é fator negativo para as ações

A Eletrobras tomou conhecimento de duas decisões desfavoráveis à venda das distribuidoras e que devem impactar negativamente suas ações, que neste ano registram queda de 24,5% para as ON e desvalorização de 26,2% para as PNB.

  • Em decisão proferida pela 2ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Piauí (SJPI), suspendeu os efeitos da AGE realizada pela Companhia Energética do Piauí (Cepisa), a qual deliberou pela venda integral das ações, menos 1 (uma) ação ordinária em 21.03.18, alegando ter havido vício pela ausência de participação de representante da Eletrobras na AGE.
  • Desta maneira a referida decisão exclui a CEPISA do processo de desestatização até o alegado vício seja sanado, embora a Eletrobras tenha esclarecido que foi representada na citada AGE.
  • Em outra ação civil pública proposta pela Associação dos Empregados da Eletrobras (Aeel), em face do BNDES, perante a 19ª Vara Federal do Rio de Janeiro, foi deferida tutela de urgência para suspender o processo licitatório das 6 (seis) empresas distribuidoras da Eletrobras. Em função desta decisão o BNDES suspendeu suspendeu sine die o edital do leilão (previsto para 26/julho).
  • A Eletrobras está avaliando o alcance e eventuais impactos destas decisões sobre o processo de desestatização das distribuidoras e adotará todas as medidas necessárias para resguardar prosseguimento do processo de desestatização.

CEMIG (CMIG4)
Emissão de Eurobonds visa o alongamento da dívida e redução do custo

A Cemig Geração e Transmissão S.A. (Cemig GT), subsidiária integral da Cemig S.A. precificou ontem (12/julho), através da reabertura dos Eurobonds emitidos originalmente em 05/12/2017, a emissão de US$ 500 milhões com yield de 9,14% a.a. e vencimento em 2024.

  • Esta emissão cuja demanda inicial alcançou um montante superior a US$ 1 bilhão (mais de 2 vezes a oferta), está alinhada com a estratégia de alongamento da dívida e redução do custo financeiro.
  • Os recursos serão destinados para o pagamento de dívidas e o custo final desta captação, após proteção cambial, deverá ser inferior ao custo médio das dívidas que serão liquidadas.
  • Suas ações registram alta de 19,0% este ano para R$ 7,69/ação. O preço justo de R$ 10,00/ação traz um potencial de alta de 30,0%.

Clique para acessar o Boletim Diário Completo:

Boletim Diário – PDF

Clique para acessar nossos Mapas Diários:

Mapa de Oscilações


Mapa de Posições Alugadas




DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.
As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.