Ibovespa bate novo recorde atingindo 129,6 mil pontos com ganho de 1,04% na quarta-feira.

Ibovespa bate novo recorde atingindo 129,6 mil pontos com ganho de 1,04% na quarta-feira.

MERCADO


Bolsa

Na quarta-feira o Ibovespa registrou mais uma alta, (1,04%) marcando nova máxima histórica de 129.601 pontos e giro financeiro de R$ 46,6 bilhões (R$ 37,2 bilhões à vista). Na semana, o Ibovespa avança 3,22%, elevando os ganhos do ano a 8,89%. Destaque para a alta firme de Petrobras, Vale e bancos, embora algumas empresas exportadoras  com peso no índice tenham registrado queda, com o recuo do dólar.

Do lado doméstico destaque para a aprovação pela Câmara dos Deputados, da MP que eleva a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSSL dos bancos de 20% para 25% até 31/12. O texto agora vai para o Senado. Os recursos serão destinados a cobrir incentivos em redução de impostos. Com a nossa bolsa fechada pelo feriado de Corpus Christi, a repercussão da MP foi negativa sobre ao ADRs brasileiros negociados em Nova York.

Hoje a agenda econômica vem carregada de dados com as vendas a varejo na Europa para o mês de abril mostrando queda de 3,1% no M/M, ficando abaixo da expectativa em 12 meses. O destaque do dia fica por conta dos dados do “payroll”  que traz a variação da folha de pagamento em maio e ainda a taxa de desemprego no mês e os pedidos de fábrica em abril. Estes dados vão ditar o rumo das bolsas, podendo influenciar também om comportamento do dólar.

Entre as principais commodities, neste começo de sexta-feira, o petróleo mostra alta no mercado internacional nos tipos Brent e WTI enquanto o minério recua, após uma forte puxada nos dias anteriores.

As bolsas internacionais operam com pequena queda na Europa e os futuros de Nova York também mostram cautela, na expectativa da divulgação dos dados do payroll, nesta manhã.

Câmbio
O otimismo repentino com a melhora dos indicadores econômicos e projeções de crescimento do PIB revisadas para cima, derrubaram o dólar em 1,54% na quarta-feira de R$ 5,1512 para R$ 5,0762 com investidores desmontando posições de proteção.

Juros
As taxas de juros futuros também tiveram um dia de queda, com a melhora do humor em relação à economia brasileira. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 recuou de 5,132% na terça-feira para  5,11% no fechamento da quarta-feira. O DI para jan/27 caiu de 8,444% a 8,34%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

CSN (CSNA3)
Recompra de títulos

Durante o último pregão, a empresa informou que iniciou a recompra da totalidade da emissão de US$ 923 milhões de Senior Unsecured Guaranteed Notes em circulação no mercado internacional, emitidas pela CSN Resources e com vencimento em 2023.

·       A forte geração de caixa e operações recentes, permitem a CSN recomprar esta grande emissão com juros elevados, o que é positivo para a empresa;

·       As operações que trouxeram recursos para a CSN recentemente foram a venda das ações da Usiminas e o pré-pagamento de exportações.  No dia 7/maio/21, a empresa informou que vendeu um total de 56 milhões de USIM5.  Considerando a cotação média de USIM5 no pregão da venda (R$ 23,07), a CSN deve ter arrecadado R$ 1,3 bilhão.  Seis dias depois a companhia comunicou que assinou com um sindicato formado por quatro bancos internacionais, contrato de Pré-Pagamento de Exportação no valor de US$ 350 milhões (R$ 1,9 bilhão).


Petrobras (PETR4)
Operações para gestão da dívida e início do processo de venda da Deten

Pouco antes do início do último pregão, a empresa divulgou um comunicado acerca da emissão de títulos e da oferta de recompra de até US$ 2,5 bilhões de operações, que vencem entre 2024 e 2050.  A recompra será finalizada em 8/junho.  A emissão será realizada no dia 10 de junho (próxima quinta-feira), com vencimento em 2051, mas não teve seu valor informado.

·       Esta gestão da dívida é positiva para a Petrobras, permitindo a extensão de prazos e redução dos juros pagos.  Isso ocorre pela boa situação financeira atual da empresa;

·       Após o último pregão, a Petrobras comunicou o início do processo de desinvestimento, com a divulgação do teaser, da totalidade de sua participação acionária (27,88%) na Deten Química S/A.  A Deten está instalada no polo industrial de Camaçari, no estado da Bahia, e fabrica as principais matérias-primas para a produção de detergentes biodegradáveis líquidos e em pó;

·       Como sempre enfatizamos, a continuação do processo de desinvestimentos da Petrobras é sempre uma boa notícia.  Estas vendas vêm ajudando a companhia a reduzir investimentos e sua dívida, o que contribui para melhores resultados.


BRF S.A. (BRFS3)
Marfrig amplia participação acionária na BRF para 31,66%

A BRF comunica que recebeu, em 2 de junho de 2021, após o fechamento do mercado, comunicação da Marfrig Global Foods S.A (“Marfrig”), informando que adquiriu ações ordinárias de emissão da companhia, via opções e leilão realizados em bolsa, e que pode resultar em uma participação acionária de até 257.267.671 correspondente a, aproximadamente, 31,66% do capital social.

A Marfrig reiterou que (i) aquisição desta participação na BRF visa a diversificar os investimentos da companhia em um segmento que possuí complementaridades com seu setor de atuação; (ii) não pretende alterar o controle ou a estrutura administrativa da BRF; e que (iii) não busca eleger membros para a administração da empresa ou influenciar em suas atividades.

Em comunicado, a BRF ressaltou que continua sendo uma empresa sem controlador definido.


Copel (CPLE11)
UTE Araucária – Homologação do CVU

Em 1º de junho de 20221 a Aneel revisou o Custo Variável Unitário (CVU) da Usina Termelétrica UTE Araucária e determinou ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) a aplicação dos seguintes valores:

Esta determinação se dá para fins de planejamento e programação da operação eletroenergética do SIN, a partir da data de publicação do Despacho (01/06) até 30 de junho de 2021, e pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE para fins de contabilização da geração verificada no mês de junho de 2021.

·        Nesse contexto o CVU será de R$ 1,054,56/Mwh até que seja atingido o limite de geração necessário para a recuperação dos custos fixos. Atingido o limite necessário, o valor do CVU cai para R$ 825,99/MWh.

·        Também foi aprovado pela agência o montante de geração necessário à recuperação dos custos fixos, de 584.796 MWh.


Cosan S.A. (CSAN3)
Pedido de registro da oferta pública de distribuição de ações da Raízen

A Cosan S.A. comunicou que que sua co-controlada Raízen S.A. (anteriormente denominada Raízen Combustíveis S.A.) e sua controlada Raízen Energia S.A. protocolaram ontem (03/06), perante a CVM o pedido de registro da oferta pública de distribuição de ações da Raízen.

Estima-se que o IPO deverá alcançar entre R$ 10 bilhões e R$ 13 bilhões. Cotada a R$ 24,25 (valor de mercado de R$ 45,4 bilhões) a ação CSAN3 registra alta de 29,6% este ano.


Se preferir, baixe em PDF:

Ibovespa bate novo recorde atingindo 129,6 mil pontos com ganho de 1,04% na quarta-feira.

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.