Bolsa mostra recuperação e fecha com ganho de 0,81% próxima de 124 mil pontos

Ibovespa sobe 0,30% acima de 124 mil pontos, com a divulgação de dados positivos no Brasil e no exterior

MERCADO


Bolsa

O Ibovespa encerrou a quinta-feira com alta de 0,30% a 124.367 pontos com giro financeiro de R$31,6 bilhões (R$ 23,9 bilhões à vista). O mercado voltou a se animar ontem com a divulgação pelo Tesouro, do superávit primário do governo central de R$ 16,5 bilhões, o melhor para o mês desde 2014 e o dobro do esperado pelo mercado.

A agenda econômica desta sexta-feira vem carregada de indicadores, com destaque, nos EUA, para os estoques no atacado e no varejo, em abril, dados de renda pessoal, gastos pessoais, inflação e expectativas para a economia. No Brasil, destaque para volume de crédito e a taxa de inadimplência em empréstimos. As bolsas internacionais operam em alta neste começo de sexta-feira, animadas com a divulgação de queda nos pedidos de desemprego nos EUA, indicando recuparação da economia. O pacote proposto de gastos em infraestrutura no montante de US$ 1,7 trilhão, vem tendo dificuldades para ser emplacado, recebendo uma contra proposta de US$ 900 bilhões por parte dos republicanos, mas o governo Biden, tem meta de elevar os investimentos federais para US$ 6 trilhões no próximo ano fiscal.

O petróleo começa o dia em alta no mercado nternacional, e o minério de ferro, que vinha em queda, abriu a sexta-feira em recuperação, mais um indicador positivo para o mercado.

Câmbio
A moeda americana teve uma queda importante de 1,38% passando de R$ 5,3120 para R$  5,2387, reflexo da decisão da agência de ratings Fitch, de manter a nota soberana do Brasil e o forte superávit primário do governo em abril.

Juros

O dia foi de queda na taxas de juros futuros na ponta mais longa. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 fechou em 4,99%, de 4,996% e para jan/27 a taxa caiu de 8,684% a 8,52%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Camil Alimentos S.A. (CAML3)

Distribuição de R$ 0,0547/ação em JCP. Ex dia 02/06

O Conselho de Administração da companhia aprovou ontem (27/05) a distribuição de Juros sobre capital próprio (JCP), no valor bruto de R$ 20,0 milhões, correspondente a R$ 0,054774397 por ação ordinária.

·        Terão direito os acionistas detentores de ações ordinárias na data base de 1º de junho de 2021.

·        As negociações de ações, a partir do dia 2 de junho de 2021, serão realizadas na condição “ex-juros”.

·        Os JCP serão pagos no dia 14 de junho de 2021. O retorno líquido estimado é de 0,47%.


Ecorodovias (ECOR3)

Contratação de bancos para realizar oferta pública de ações

Nesta manhã, a empresa informou que contratou um grupo de bancos nacionais e estrangeiros para a possível realização de uma oferta pública de distribuição primária e secundária de ações.

·       A CCR informou que ainda não há definição sobre o montante da oferta, o preço por ação a ser praticado ou o cronograma para a operação;

·       Acreditamos que esta notícia tem impactos diferentes no tempo.  No curto prazo, vemos um impacto negativo, com os investimentos temendo por um “excesso” de ações em mercado.  Porém, no longo prazo a captação de recursos vai permitir a Ecorodovias investir em novas concessões, além de que o aumento da liquidez pode facilitar a valorização das ações.


Ferbasa (FESA4)

Distribuição de proventos

A empresa informou, após o pregão de ontem, que seu Conselho de Administração aprovou a distribuição de juros sobre o capital próprio (JCP) no total de R$ 17,5 milhões, sendo de R$ 0,19283886627 para cada ação ordinária e de R$ 0,21212275290 para cada ação preferencial (valores antes do Imposto de Renda).

·       O pagamento deste provento será realizado no dia 22/junho/2021, com base nas posições acionárias de 4/junho.  As ações da empresa já serão negociadas “ex-JCP” a partir do dia 7/junho;

·       Este provento permitirá um retorno de 0,6% (bruto) para os acionistas de FESA4, considerando a cotação desta ação ao final do último pregão.  É importante destacar que a empresa paga proventos trimestralmente.


Dotz (DOTZ3)

Preço da ação é definido em R$ 13,20 em IPO que levantou R$ 390,7 milhões

A empresa de fidelidade Dotz informou que precificou sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em R$ 13,20 – no piso da faixa que ia até R$ 16,60 -, mediante a emissão de 29,6 milhões de ações ordinárias, perfazendo o montante total de R$ 390,72 milhões, dos quais R$ 195,36 milhões serão destinados ao capital social e R$ 195,36 milhões destinados à reserva de capital, bem como a sua homologação.

Segundo a empresa, a totalidade dos recursos líquidos provenientes da oferta restrita serão destinados para investimentos na plataforma tecnológica e digital Dotz.

A meta é ampliar a participação da Companhia nos negócios de fidelização, marketplacee techfin e a busca de potenciais aquisições estratégicas e pagamentos relacionados à operação de mezanino existente.

A empresa começa a ser negociada na segunda-feira sob o ticker DOTZ3.


Petrobras (PETR4)

Decisões sobre a ação coletiva movida na Holanda

A empresa informou ontem, durante o pregão, que a Corte Distrital de Rotterdam (Holanda) decidiu que a ação coletiva movida pela Stichting Petrobras Compensation Foundation (Fundação) deve prosseguir.  Porém, estão excluídos desta ação os investidores que já tenham iniciado processos de arbitragem contra a Petrobras.

·       Ações judiciais contra a Petrobras, ainda discutindo os fatos levantados pela Operação Lava Jato, são claramente negativas.  No entanto, esta ação ainda está longe de uma decisão final, portanto não há uma perda clara à vista;

·       Vale lembrar que a autorização para a abertura desta ação ocorreu em setembro de 2017.  A ação coletiva foi proposta pela Fundação contra a Petrobras, algumas empresas controladas e ex-gestores e se refere a perdas de investidores fora dos Estados Unidos antes de junho de 2015.


 

Se preferir, baixe em PDF:

Ibovespa sobe 0,30% acima de 124 mil pontos, com a divulgação de dados positivos no Brasil e no exterior

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.