Ibovespa fecha março com alta de 6,0% em meio a um cenário de incertezas

MERCADO


Bolsa
O mercado de ações teve um desempenho até surpreendente no mês de março, se considerados todos os problemas acumulados no período, além do repique da pandemia com recorde de mortes no Brasil e o desgaste do governo, com este e outros problemas. No fechamento do mês o Ibovespa cravou alta de 6,0% com uma pequena queda de 0,18% ontem fechando em 116.634 pontos. O giro financeiro foi de R$ 32,3 bilhões (R$ 28,8 bilhões à vista). Abril começa com uma agenda econômica carregada de indicadores, mas o destaque fica para o resultado a produção industrial de fevereiro no Brasil. Hoje os mercados lá fora mostram alta na Europa e nos futuros de NY, com sinais de aceleração na criação de empregos nos EUA somado a um otimismo em relação à recuperação global. Hoje, petróleo também opera em alta antes da reunião da Opep que pode estender cortes na produção para o mês de maio. Nos EUA, especialistas veem barreiras para o ambicioso programa de investimentos de US$ 2,25 trilhões anunciado pelo presidente Biden, destacando o suprimento de matérias primas e insumos para o gigantesco programa de crescimento.

Câmbio
No último pregão de março o dólar recuou de R$ 5,7751 para R$ 5,6344, queda de 2,43%.  No fechamento de fevereiro (26) a moeda americana estava cotada a R$ 5,6023, marcando alta de 0,57% no mês. A redução da tensão nos últimos dias deu uma acalmada neste mercado, mas sem sinais de um recuo mais forte para abril.

Juros
O mercado de juros futuros mostrou flutuação nas taxas durante o dia, mas no fechamento ficaram perto da estabilidade, com o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 passando de 4,666% para 4,595%. Para jan/27, a taxa foi de 8,694% para 8,70%, praticamente estável.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Movida (MOVI3)
Pagamento de R$ 0,0907 por ação em JCP, Ex-Juros em 30/06

O conselho de administração da Movida aprovou ontem o pagamento  de R$ 27 milhões em JCP, equivalente a R$ 0,0907 por ação. As ações serão negociadas ex-direito aos juros sobre capital próprio a partir de 30 de junho de 2021, inclusive. Um retorno para os acionistas de 0,54%.

A Movida fechou cotada a R$ 16,75 com uma desvalorização de 18,3% no ano.


M Dias Branco (MDIA3)
Aumento de custos e pressão nas margens resulta num lucro líquido de R$ 209 milhões no 4T20 (-21% versus o 4T19)

A companhia registrou no 4T20 um lucro líquido de R$ 209 milhões, com queda de 21,1% em relação ao 4T19. Esse resultado refletiu a estabilidade da receita líquida em R$ 1,7 bilhão (+0,4%), sustentada pelo aumento de 18,9% do preço médio, que compensou a queda de 15,5% dos volumes.

Já o EBITDA caiu 33,5% entre os trimestres para R$ 192,2 milhões (margem de 11,3%), em função da redução dos volumes de venda, menor utilização de capacidade instalada, menor diluição dos custos fixos, aumento dos custos variáveis, resultado da desvalorização do real combinado com a alta dos preços das commodities em dólar.

Destaque para o market share – volume de 33,5% em biscoitos e 32,4% em massas no 4T20, com crescimento frente ao 4T19. A companhia manteve a liderança nacional em ambos os mercados.

Ressaltem-se ainda os ganhos estruturais de eficiência e produtividade com o Projeto Multiplique. Foram R$ 184 milhões de ganhos recorrentes reconhecidos nos resultados de 2020, equivalentes a R$ 438 milhões de ganhos anualizados.

A companhia irá pagar em 21 de abril o JCP bruto de R$ 0,05/ação referente ao 1T21. Será considerada a data de 7 de abril sendo as ações negociadas “ex” juros a partir de 8 de abril de 2021. O retorno líquido estimado é de 0,14%.

A companhia vem executando sua estratégia de crescimento nos mercados de atuação, com a criação de novas categorias e o fortalecimento nas exportações. Ao preço de R$ 30,70 (valor de mercado de R$ 10,4 bilhões) a ação MDIA3 registra queda de 9,9% este ano. Temos recomendação de COMPRA e Preço Justo de R$ 45,00/ação que traz um potencial de alta de 46,6%.


Cielo S.A. (CIEL3)
Cessão dos Direitos Relacionados à Plataforma Elo

A Cielo concluiu ontem (31/03), transação por meio da qual realizou a cessão, à Elo Serviços S.A. (“Elo”), em caráter definitivo, de todos os direitos relativos à plataforma de processamento e ao autorizador de transações desenvolvido pela Cielo para a bandeira Elo (“Softwares”).

O valor total da transação é de R$ 380 milhões, que compreende a cessão e transferência dos Softwares, bem como os valores referentes ao período de licenciamento, cujo pagamento integral desse valor será realizado à vista.

Conforme declarado: “a transação, deduzida dos valores já reconhecidos contabilmente como receitas de licenciamento – R$ 187,5 milhões – acrescidas de atualização monetária, e líquida da baixa de custos residuais de desenvolvimento e efeitos fiscais, produzirá um efeito inicialmente estimado de R$ 75,9 milhões no resultado do 1º trimestre de 2021”.

Ao preço de R$ 3,72/ação (valor de mercado de R$ 10,1 bilhões) a ação CIEL3 registra queda de 6,9% este ano.


Porto Seguro S.A. (PSSA3)
AGOE aprova dividendos adicionais e complementares. Ex hoje (01/04)

A companhia aprovou ontem (31/03) em AGOE a distribuição de dividendos complementares no valor de R$ 82,4 milhões, correspondendo a R$ 0,25760941409/ação; e dividendos adicionais no valor de R$ 443,3 milhões, equivalentes a R$ 1,38563457646/ação.

  • Ambos os proventos serão creditados contabilmente aos acionistas na data de 31 de março, conforme posição acionária registrada nesta data.
  • As ações emitidas pela companhia serão negociadas ex-direito aos dividendos complementares e adicionais a partir de 1º de abril de 2021 (hoje).
  • O retorno destes dois proventos é de 3,5%.

Pagamentos: Em 12 de abril de 2021 será realizado o pagamento da totalidade do dividendo complementar no montante de R$ 82,4 milhões; e de parte dos dividendos adicionais no valor de R$ 147,9 milhões. O saldo de R$ 295,4 milhões dos dividendos adicionais será pago até o dia 30 de outubro de 2021.

Ao preço de R$ 46,98/ação (valor de mercado de R$ 15,2 bilhões) a ação PSSA3 registra queda de 4,1% este ano. Seguimos com recomendação de COMPRA e Preço Justo de R$ 65,00/ação, que traz um potencial de alta de 38,4%.


Camil Alimentos S.A. (CAML3)
Aprovado novo programa de recompra de ações

O Conselho de Administração da companhia aprovou ontem (31/03), o novo programa de recompra de ações para atendimento das outorgas realizadas no âmbito do plano de opção de compra de ações da companhia.

  • Poderão ser adquiridas até 4,0 milhões de ações ordinárias, no prazo máximo de 12 meses, contados a partir de 1º de abril de 2021, inclusive, tendo como termo final o dia 31 de março de 2022.
  • Em 31 de março de 2021, a Camil possui 116.463.797 ações ordinárias em circulação e 3.986.500 ações ordinárias em tesouraria.
  • O novo programa de recompra representa 3,43% das ações em circulação (free float) e 1,08% do total de ações da companhia. Se recompradas na totalidade, o montante alcança R$ 40,9 milhões, equivalente a 2,5 dias de negociação.

Ao preço de R$ 10,23/ação (valor de mercado de R$ 3,8 bilhões) a ação CAML3 registra queda de 7,1% este ano. O Preço Justo de R$ 14,00/ação embute um potencial de alta de 36,9%.


Enauta (ENAT3)
Queda na produção e nos resultados do 4T20

Na noite de ontem, a empresa divulgou seus números do 4T20 mostrando redução na produção, na receita e no lucro.  Isso foi decorrente dos problemas operacionais em seu Campo de Atlanta, principal ativo de produção da Enauta.  O resultado também foi impactado negativamente pelo forte aumento nos custos financeiros.

  • No 4T20, a Enauta lucrou R$ 38 milhões (R$ 0,14 por ação), 68,6% menos que no mesmo trimestre de 2019 e 3,0% abaixo do 3T20;
  • A produção total da Enauta no 4T20 foi de 1,276 milhão de barris equivalentes de petróleo (boe) nos dois campos operados, equivalente a 13,9 mil boe ao dia.  Este volume foi 6,8% menor que no trimestre anterior e 49,1% abaixo do 4T19;
  • Em função da contração na produção, o lifting cost do trimestre em Atlanta teve uma forte alta, ficando em US$ 40,8 por barril, 145,0% acima do 4T19, com isso comprometendo a rentabilidade da empresa, cuja margem bruta caiu 24,1 pontos percentuais.

Vale (VALE3)
Conclusão na venda da VNC

Próximo ao final do pregão de ontem, a empresa informou que sua subsidiária Vale Canada Limited concluiu a venda da Vale Nouvelle-Calédonie S.A.S. (VNC) para a Prony Resources.

  • A venda da VNC é uma notícia positiva para a Vale, mesmo que importe ainda em gastos.  A VNC estava listada no Vale Day do ano passado como dos mais importantes redutores de caixa.  No 4T20, a VNC gerou um EBITDA negativo de US$ 33 milhões, somando US$ 150 milhões de perdas em todo o ano de 2020;
  • Para o fechamento da operação, a VNC receberá recursos no valor de US$ 1,1 bilhão, no qual a Vale vai contribuir com US$ 555 milhões.  Mesmo após a venda, a Vale terá direito a uma parte da produção de níquel da VNC.

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.