Ibovespa sobe 1,24% aos 116.850 pontos

MERCADO


Bolsa
Na reta final de fechamento de março o Ibovespa se descolou de outros mercados e encerrou o dia com alta de 1,24% a 116.850 pontos e giro financeiro de R$ 33,2 bilhões (R$25,3 bilhões à vista). Diferente do mês anterior, a bolsa engatou uma sequência de altas nos últimos dias, melhorando o desempenho do mês. Apesar de tensão presente no campo da política, com o orçamento do governo em questão e os problemas amplamente conhecidos., há quem aposte na recuperação da economia no curto prazo, e o mercado refletiu este sentimento, após a reforma ministerial, que pode ajudar a destravar assuntos importantes. Hoje a agenda econômica traz a taxa de desemprego nacional em janeiro, o resultado primário dos setores público e privado e a relação líquida/PIB em fevereiro. Na Europa saem índices de preço ao consumidor e nos EUA dados do mercado de trabalho. O presidente Joe Biden prepara um programa agressivo de investimentos de US$ 2,25 trilhões em infraestrutura nos EUA. O plano do presidente é unificar e mobilizar o país para enfrentar os grandes desafios atuais.  O plano é de 8 anos e foca na mobilidade social, saneamento, tecnologia, assistência social, etc. O petróleo mostra recuperação hoje e as bolsas internacionais operam ligeiramente em baixa.

Câmbio
A moeda americana caiu de R$ 5,7829  para R$ 5,7751 (-0,13%), em dia de volatilidade no mercado, com investidores atentos a todos os movimentos no mercado doméstico e internacional.

Juros
O mercado de juros também reagiu positivamente à reforma ministerial do dia anterior, mas o orçamento do governo para 2021 ainda está no radar. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 passou de 4,776% para 4,655% no fechamento do dia e para jan/27, a taxa caiu de 8,834% para 8,69%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Qualicorp (QUAL3)
Lucro líquido de R$ 67,6 milhões no 4T20 e R$ 392,1 milhões no ano

A Qualicorp é líder no Brasil na comercialização, administração e gestão de planos de saúde coletivos por adesão e empresariais. No 4T20, o resultado líquido foi superior ao 4T19, mas abaixo do 3T20. No acumulado do ano houve crescimento de 5,3% no resultado, o que em período de pandemia e desafios na economia, foi um bom desempenho.
Em 2020, o EBITDA Ajustado chegou a R$ 938,9 milhões, com variação negatvia de 2,6% em relação ao ano anterior, e a margem EBITDA Ajustada foi de 46,3%. Excluindo a PDD extraordinária de R$ 51,3 milhões no ano, o EBITDA Ajustado de 2020 foi 2,7% maior do que em 2019.

Ontem (30/03), a Qualicorp informou ao mercado que seu Conselho de Administração aprovou a cisão parcial e subsequente incorporação da subsidiária Qualicorp Administradora. A empresa estima em R$ 500 mil os custos totais da operação e diz que o movimento está alinhado com a estratégia de otimização das estruturas societárias e negócios da companhia, reduzindo custos em áreas administrativas e gerando aproveitamento de sinergias.
Ontem a ação QUAL3 encerrou cotada a R$ 21,0 com desvalorização de 11,1% no ano.


Magazine Luiza (MGLU3)
Empresa faz 2 aquisições e fortalece entrada no segmento de food delivery

Magazine Luiza comunica mais uma aquisição, desta vez da  TONOLUCRO E GRANDCHEF.

TONOLUCRO:  Fundada em Palmas-TO, a Tonolucro é uma plataforma de entrega de comida e de itens de supermercado com forte participação de mercado nos estados de Tocantins, Goiás e Pará. Ela está presente em mais de 40 cidades — incluindo unidades próprias e franquias — e conta com mais de 5 mil restaurantes parceiros cadastrados.

GrandChef: Fundada em Paranavaí/PR, a Grandchef é uma plataformas de tecnologia para pequenos e médios restaurantes do Brasil. Por meio de aplicativos para celular e sistemas para desktop, a GrandChef possibilita a gestão completa da operação do restaurante, incluindo o controle de pedidos online e offline (mesas, comandas e balcão) e a integração com plataformas de delivery, além da gestão financeira e controle de estoque.

A aquisição da AiQFome marcou a entrada do Magalu no segmento de food delivery, aumentando os serviços oferecidos no seu SuperApp e a frequência de compra dentro do seu ecossistema.

A ação MGLU3 apresentou uma queda de 19% em 2021, mas uma alta de 109% em 2020.


Centauro (SBFG3)
Resultado ainda muito pressionado mostra Lucro Líquido de R$ 14,596 milhões no 4T20, uma queda de 91%

Centauro apresentou resultados ainda muito pressionados por conta da pandemia, o que deve ser ainda mais difícil no próximo trimestre. A companhia acaba de mudar seu ticker de CNTO3 para SBFG3 e ao completar 40 anos de atividades este ano, dirige o negócio em três principais frentes: Centauro, com foco em varejo de artigos esportivos,  Fisia, representante exclusiva da Nike no Brasil e NWB, plataforma de mídia digital esportiva.

Para o ano de 2020, os Resultados do Grupo SBF e de FISIA incluem apenas o mês de dezembro de FISIA. Para o ano de 2019, os Resultados do Grupo SBF incluem APENAS Centauro. A Plataforma Digital cresceu 63,2% em comparação com o 4T19, saindo de R$142,7 milhões para R$232,9 milhões. No ano de 2020 houve crescimento de 67,1%, totalizando R$734,9 milhões. As Lojas Físicas apresentaram retração de 1,5% em relação ao 4T19 e 28,2% em relação ao ano acumulado.

A receita bruta da Centauro cresceu 10,9% no 4T20/4T21, com plataforma digital subindo 67,4%. Já a receita bruta do consolidado do grupo aumentou 31,2% no trimestre.

A queda de 3,1 p.p. de margem bruta no trimestre ainda é devida ao ambiente promocional causado pela pandemia.

As despesas operacionais tiveram um forte crescimento de 210% no 4T20. O aumento no trimestre foi causado principalmente pelo crescimento das despesas variáveis,  atreladas à operação do canal digital.

O EBITDA (Ex-IFRS 16) atingiu R$118,2 milhões no 4T20 com margem de 10,7%, uma contração em relação aos R$121,0 milhões registrados no 4T19 com margem de 14,2%. No acumulado de 2020, o EBITDA ajustado foi R$39,9 milhões, com margem de 1,7%.

Houve um aumento de despesas financeiras no trimestre devido ao maior endividamento da companhia, justificado pelos esforços de reforço de caixa realizados no início da pandemia e pelas dívidas tomadas para a aquisição da Fisia.

O Lucro Líquido foi de R$ 14,596 milhões no 4T20, uma queda de 91% quando comparado ao 4T19.

A ação da CNTO3 apresentou uma queda de 5,5% em 2021 e  15,5% em 2020.


Taesa (TAEE11)
Ex dividendos em 05 de maio. Retorno estimado de 4,1%

Na AGO da Taesa a ser realizada em 29 de abril de 2021 deverá ser aprovada a destinação do lucro liquido de 2020, com destaque para o montante de R$ 561,9 milhões, a título de dividendos (remanescentes e adicionais).

  • Serão R$ 105,9 milhões a título de dividendos mínimos obrigatórios remanescentes e R$ 456,0 milhões na forma de dividendos adicionais.
  • Esse montante equivale a R$ 1,63119213894 por Unit, e serão pagos até 31 de maio de 2021, com base na posição acionária existente em 04 de maio de 2021.
  • As Units da companhia serão negociadas “ex-dividendos” a partir de 05 de maio de 2021, inclusive. O retorno estimado é de 4,1%.

Suas units (TAEE11) cotadas a R$ 39,44 (valor de mercado de R$ 13,6 bilhões) registram alta de 18,3% este ano.


Omega Geração S.A. (OMGE3)
Companhia liquida antecipadamente R$ 408,6 milhões em financiamentos

Na data de ontem (30/03) o Complexo Hermenegildo (180,8 MW) liquidou antecipadamente o montante de R$ 408,6 milhões, referente ao saldo devedor dos contratos de financiamento junto ao BNDES e ao BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, com vencimento original em 15 de junho de 2032 e custo de TJLP + 4,19% ao ano, equivalente a aproximadamente 8,75% a.a. em termos nominais.

O comunicado destaca que: “a liquidação antecipada dos contratos de financiamento de BNDES e BRDE do Complexo Hermenegildo, em conjunto com as debêntures corporativas emitidas no dia 15 de março de 2021 com taxa indexada ao CDI e custo nominal de aproximadamente 4,7% a.a., tem o objetivo de otimizar a estrutura de capital consolidada da Omega Geração, reduzindo sua despesa financeira, melhorando seu perfil de pagamento e aumentando sua liquidez”.

Ao final de dezembro de 2020 a dívida líquida da companhia era de R$ 4,55 bilhões, equivalente a 6,0x o EBITDA ajustado. O caixa era de R$ 1,34 bilhão.

Cotadas a R$ 39,43/ação (valor de mercado de R$ 7,7 bilhões) a ação OMGE3 registra queda de 2,3% este ano. O Preço Justo de R$ 40,00/ação traz um potencial de alta de 1,4%.


Odontoprev (ODPV3)
Programa de recompra de 10 milhões de ações ON (3,80% das ações em circulação)

O conselho de administração da Odontoprev aprovou um programa de recompra de até 10 milhões de ações ordinárias de emissão própria, o equivalente a 3,80% dos papéis em circulação no mercado. As aquisições poderão ser feitas no prazo de até 18 meses, com início amanhã (31) até 30 de setembro de 2022.

Segundo a companhia, o objetivo da operação é maximizar a geração de valor para os acionistas, pois o preço atual das ações não reflete os fundamentos do modelo de negócios, ativos e perspectiva de retorno futuro. A Odontoprev possui atualmente 890.541 ações em tesouraria.

Ontem a ação emcerrou cotada a R$ 13,01 com queda de 10,4% no ano.


Petrobras Distribuidora (BRDT3)
Recebimento da Eletrobras

Na noite de ontem, a empresa informou que recebeu a 35ª parcela (penúltima) dos Instrumentos de Confissão de Dívida (ICDs) da Eletrobras no valor de R$ 34,3 milhões.  A devedora já pagou à Petrobras Distribuidora (BR) um total de R$ 4.766,9 milhões desde a assinatura dos ICDs.

  • Este recebimento é uma boa notícia para a BR Distribuidora, com impacto direto no resultado do 1T21, dado que esta dívida já havia sido inteiramente provisionada.  O balanço da empresa no 1T21 será divulgado no dia 11 de maio;
  • Os ICDs foram assinados em abril/2018, entre a Petrobras Distribuidora e a Eletrobras, com algumas de suas controladas (Eletrobras Amazonas, Eletrobras Roraima, Eletrobras Rondônia e Eletrobras Acre), para o pagamento de débitos com valor de R$ 4,6 bilhões (não corrigidos) em 36 parcelas sem carência.  Estas dívidas são decorrentes do fornecimento de combustíveis para a geração de energia.

CCR (CCRO3)
Aditivo ao contrato da ViaMobilidade

A empresa informou, após o pregão de ontem, que assinou o primeiro termo aditivo ao contrato entre sua controlada Concessionária da Linhas 5 e 17 do Metrô de São Paulo S/A (ViaMobilidade) e a Secretaria de Transportes Metropolitanos.  Este aditivo dá a possibilidade da ViaMobilidade fazer os estudos e os investimentos para a expansão das Linhas 5 – Lilás e 17 – Ouro do Metrô de São Paulo.

  • Esta é uma notícia positiva para a CCR, por indicar que a empresa aumentará seus negócios de mobilidade em São Paulo;
  • Em 2020, a receita da ViaMobilidade foi de R$ 323 milhões, valor 17,3% menor que no ano anterior, devido às restrições da circulação de pessoas determinada para o combate da pandemia.

Ecorodovias (ECOR3)
Tráfego maior pela base fraca de comparação

Divulgados ontem, os dados de tráfego da empresa mostraram forte crescimento na semana e um pequeno número positivo no acumulado do ano.  Isso ocorreu devido a base de comparação fraca em 2020, quando já ocorria a quarentena para combater o início da pandemia de Covid-19.  Melhor seria, como fez a CCR, mostrar como comparação os dados de 2019, um período que pode ser chamado de normal.

  • O tráfego comparável (sem a Ecovias do Cerrado), entre os dias 22 e 28 de março/21, foi 39,3% maior que no mesmo período de 2020.  Este forte crescimento se deve ao fator já comentado;
  • No acumulado do ano, até o dia 28/março, o tráfego comparável aumentou 1,1% em relação ao ano anterior.  Na semana passada, houve uma contração de 1,2% no tráfego nesta mesma base.

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.