Prezado Sr.(a),

Bolsonaro parece realmente obstinado a deixar sua marca indelével no Brasil. Em um momento de recrudescimento da pandemia com crescente número de casos e mortes, age para além de seu negacionismo e omissão, sai a campo promovendo aglomerações, menosprezando o uso de máscaras, e desmoralizando certas vacinas. O comportamento irresponsável e belicoso não se circunscreve a crise sanitária, não. A desmoralização e a humilhação alcançam, também, quem foi um dia seu principal Ministro: Paulo Guedes.

Em uma saraivada de desmandos e arroubos, em conduta típica de arrasa-quarteirão, destronou o Presidente da Petrobras em um episódio tão organizado e delicado como um macaco em uma sala de cristais. Não foi um caso isolado, e também não foi só mais um desatino do Comandante-em-Chefe. Foi claramente um ponto de inflexão, quando se deixou desavergonhadamente para trás qualquer resquício do que um dia seus eleitores imaginaram poderia ser um governo com agenda econômica liberal.

 

Clique aqui para ler o relatório completo.