Ibovespa sobe 0,44% em dia de disparada dos preços do petróleo

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a terça-feira com alta de 0,44% aos 119.376 pontos e giro financeiro de R$ 34,3 bilhões (R$ 27,9 bilhões). A terça-feira teve como destaque a forte alta nos preços do petróleo com os principais países da Opep decidindo pela redução da produção de petróleo, antevendo um alongamento da crise econômica. Os investidores estão atentos também à eleição para o comando da Câmara dos Deputados e aos novos números da Covid-19 no mundo. Hoje a agenda traz uma extensa lista de indicadores, mas não deverão ser ponto de atenção, diante das notícias principais: preços do petróleo, que seguem em alta, decisão para o senado americano na Georgia, casos de Covid-19 no mundo, etc. As bolsas internacionais mostram alta moderada na Europa e nos futuros de NY. O Ibovespa, vem pegando carona neste movimento, puxado pelas empresas de commodities. Ontem o destaque ficou para as ações da Petrobras (ON e PN) e também para os papeis de Vale e siderúrgicas.

Câmbio
O dólar fechou a R$ 5,2766 contra R$ 5,2719 no dia anterior, (+0,09%). A moeda americana chegou a subir mais forte mas a disparada do petróleo enfraqueceu a moeda americana, após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) anunciar cortes da produção.

Juros
Ontem, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 fechou com taxa de 2,900% ante 2,849% no fechamento anterior e para jan/27 a taxa passou de 6,403% para 6,500%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Suzano (SUZB3)
Venda de terras pelo valor de R$ 1,056 bilhão

A Suzano comunicou a conclusão da venda de terras para a Bracell SP Celulose e Turvinho Participações, recebendo o preço de compra de R$ 1,056 bilhão. A operação fora divulgada no último dia 20 de novembro, com o acordo de venda de 21.066 hectares.

Segundo a companhia, a operação está alinhada com o plano de desalavancagem anunciado ao mercado e confirma a disciplina financeira adotada pela Suzano na execução de sua Política de Endividamento.

A companhia encerrou o 3T20 com uma dívída liquida de R$ 68,7 bilhões e alavancagem de 5,1x o Ebitda ajustado de 12 meses. De uma dívida bruta de R$ 78,5 bilhões no final de setembro, R$ 62,1 bilhões são em moeda estrangeira. Do lado positivo apenas o fato de R$ 4,32 bilhões estarem no curto prazo para uma posição de caixa R$ 9,76 bilhões.


Ambipar (AMBP3)
Aquisição da empresa Custom Environmental Services nos EUA

Ontem a companhia anunciou a aquisição total das quotas da Custom Environmental Services (CES), através de sua controlada integral indireta Ambipar Holding USA. O valor da operação não foi divulgado.

A empresa, sediada no estado do Colorado (EUA), tem mais de 20 anos de atuação no mercado norte-americano de respostas a emergências, especializada em atendimentos terrestres (rodoviário e industrial). A companhia teve faturamento de US$ 4 bilhões em 2019. Segundo a Ambipar, as aquisições não serão submetidas à aprovação dos seus acionistas.

As ações da Ambipar, iniciaram negociações na B3 no dia 10/07/2020 cotadas a R$ 24,75 e fechou ontem a R$ 26,79.


JBS S.A. (JBSS3)
Companhia fecha o abatedouro de bovinos em Juína (MT)

Segundo noticiado na mídia, a JBS fechou seu abatedouro de bovinos em Juína (MT). Os 300 funcionários da planta de Juína poderão se transferir para a unidade de Brasnorte, a 160 quilômetros de distância.

·        O abatedouro de bovinos de Brasnorte foi inaugurado em 2020 após investimento de R$ 70 milhões;

·        A unidade de Brasnorte receberá novos investimentos para aumento da capacidade de produção, vai ampliar suas atividades e gerar mais empregos na região (estimado em até 900 pessoas).

·        Além de concentrar a produção regional em um frigorífico mais moderno, a JBS espera minimizar a pressão de custos das operações com foco no mercado doméstico.


Equatorial Energia (EQTL3)
Equatorial Piauí prestará todos os esclarecimentos solicitados pela Aneel

A Equatorial Piauí subsidiária da Equatorial Energia confirmou ter recebido nesta terça-feira (05/01), um ofício da Aneel solicitando informações sobre o apagão registrado na área de concessão da distribuidora entre os dias 31 de dezembro e 3 de janeiro de 2021.

·        A solicitação da Aneel visa à fiscalização para apurar a conduta da empresa, que tem até a próxima segunda-feira, dia 11 de janeiro, para responder a notificação.

·        Em nota, a Equatorial Piauí destaca que “o pedido de esclarecimento por parte do regulador é um procedimento usual da agência em eventos como o ocorrido, e que prestará todos os esclarecimentos e informações solicitadas pela Aneel”.

·        A distribuidora informa que “concluiu o restabelecimento do serviço em 100% das ocorrências coletivas registradas em Teresina”. Segundo a concessionária, “as fortes chuvas na região causaram danos severos na rede elétrica devido à queda de, pelo menos, 280 árvores”.


Braskem (BRKM5)
Suspensão do oficio da ANM

Durante o pregão de ontem, a empresa informou que Agência Nacional de Mineração (ANM) aceitou o pedido de reconsideração para suspender seu ofício, no qual pedia medidas para encerramento das atividades de extração de sal-gema em Maceió e preenchimento com material sólido de determinados poços de sal adicionais. Estas medidas agora ficarão suspensas até a avaliação final dos argumentos técnicos apresentados pela Braskem no Pedido de Reconsideração.

· Esta é uma boa notícia para a Braskem, adiando mais uma despesa que a empresa provavelmente terá para mitigar os danos do acidente geológico ocorrido em Maceió – AL;

· Vale lembrar que no dia 26/11/20 a Braskem publicou um Fato Relevante informando de que ANM tinha enviado ofício com determinações para o fechamento de mais poços de sal em Maceió. Para atender às determinações da ANM, naquela data a Braskem avaliou que teria custos adicionais de R$ 3 bilhões aos já provisionados.


Ecorodovias (ECOR3)
A recuperação no tráfego continua

Pouco antes do início do pregão de ontem, a empresa divulgou seus dados de tráfego nas dez concessões rodoviárias que administra, mostrando que a recuperação continua, após as fortes quedas ocorridas no 2T20.

· Entre os dias 16 de março/2020 e 3/janeiro/2021 (após a pandemia), o tráfego total comparável nas rodovias administradas pela Ecorodovias, apresentou uma redução de 10,7%, comparado ao um período similar (18/março/19 a 5/janeiro/20). Nas mesmas bases, o tráfego acumulado em 2020 caiu 8,2% em relação ao mesmo período de 2019;

· Os dados apresentados são uma boa notícia para a Ecorodovias, indicando melhores resultados no 4T20. Além disso, a maior circulação de veículos nas rodovias é um sinal importante de recuperação da economia brasileira.


CCR (CCRO3)
Recuperação do tráfego durante o ano

Na noite de ontem, a empresa divulgou os números das suas operações entre os dias 25 a 31 de dezembro e no acumulado de 2020. Na semana houve piora em todas as operações, em função das festas de final do ano. Porém, no ano observou-se a expressiva recuperação das operações nas rodovias, após a forte queda determinada pelas medidas de distanciamento social ocorridas no 2T20. Por outro lado, nas operações de aeroportos e mobilidade urbana, a recuperação ainda está muito longe.

· Entre os dias 25 e 31 de dezembro (sem a ViaSul), comparado a igual período de 2019, o tráfego total caiu 5,8%, com redução de 14,5% nos veículos de passeio, mas crescimento de 9,1% na movimentação dos comerciais. No período anterior, estes números mostravam uma elevação de 1,8% no tráfego total;

· No acumulado de 2020, a movimentação nas rodovias administradas pela CCR (incluindo ViaSul) mostrou uma diminuição de 2,0%, com queda de 14,5% no tráfego dos veículos de passeio, em parte compensada pelo aumento de 9,1% nos comerciais;

· O número de passageiros transportados na CCR Mobilidade foi negativo em 43,6%, pior que no período anterior, quando houve redução de 40,3%. Na CCR Aeroportos, a diminuição no período foi de 53,3%, também pior que na semana anterior (-52,4%).


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.