Ibovespa sobe 0,52% com destaque para o apetite de estrangeiros nos últimos pregões

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a quinta-feira com ganho de 0,52% aos 106.670 pontos e giro financeiro de R$ 28,1 bilhões (R$ 22,7 bilhões no à vista), tendo como sinal favorável a volta do apetite de investidores estrangeiros pela B3. Na terça-feira a entrada de recursos estrangeiros na B3 somou R$ 2,1 bilhões no mercado à vista, marcando o quinto pregão consecutivo com fluxo diário positivo. Ontem o destaque foi a queda das ações do setor elétrico com o afastamento da diretoria da ANEEL e do ONS. Os mercados vêm mostrando volatilidade, entre sinais positivos em relação às vacinas em fase avançada de desenvolvimento e o novo surto de coronavírus no mundo, atentas para ver o que vai predominar no curto prazo. Ontem, nos EUA chamou a atenção o fato de o secretário do Tesouro Steven Mnuchin ter divulgado uma carta ao presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, exigindo a devolução do dinheiro que o governo fornece ao banco central para que possa emprestar a certos mercados em tempos de estresse. Minutos depois, o Fed emitiu um comunicado instando que “todo o conjunto” de medidas fosse mantido em 2021. Hoje a agenda econômica está fraca e as bolsas internacionais mostram alta na Europa e no fechamento da Ásia. Nos EUA, os futuros indicam queda nesta manhã. O petróleo opera em alta nesta manhã e a sexta-feira pode mostrar cautela de investidores.

Câmbio
O dólar refletiu a sequência de entradas de recursos estrangeiros no Brasil, com destaque para o fluxo na bolsa, caindo de R$ 5,3632 para R$ 5,3091 (-1,01%).

Juros
Ontem, os juros futuros tiveram pequeno recuo na ponta mais longa refletindo o leilão de LTN que teve boa demanda e foi colocado integralmente no mercado. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 fechou em 3,29%, de 3,285% na quarta-feira e para jan/27 terminou com taxa de 7,60% de 7,594%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Hapvida (HAPV3)
Aprovado o desdobramento de ações na razão de 5 para 1

Em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) realizada ontem (19/11), os acionistas da Hapvida aprovaram o desdobramento das ações da companhia na razão de 5 para 1. Para cada ação detida, o investidor receberá mais 4 ações.

  • A data-base da operação será em 24 novembro, e a partir do dia 25, os papéis passam a ser negociados ex-desdobramento.
  • As novas ações serão creditadas no dia 27.

Ontem a ação HAPV3 encerrou cotada a R$ 71,37 com valorização de 12,2% no ano. O desdobramento permitirá maior acesso aos papéis da companhia, melhorando a liquidez.


Ânima (ANIM3)
Aquisição da startup Medroom sem anunciar o valor pago

A Ânima Educação fechou anunciou ontem (19/11), a aquisição do controle da startup Medroom que desenvolve soluções em realidade virtual e aumentada para educação média. A companhia não informou o valor da transação. Segundo a Ânima, a Medroom tem 5 anos de atividade e vai ser um dos componentes da proposta da Inspirali como plataforma de educação médica.

A transação também faz parte de uma aproximação da empresa com as startups por meio do seu hub de inovação Learning Village, que vai oferecer programas de desenvolvimento, que inclui conexão com grandes empresas, mentoria e espaço de trabalho, além de outros benefícios. O hub já tem parcerias com hospitais como o Beneficência Portuguesa e Sírio-Libanês, além de empresas como Deloitte, Vibra (do Grupo Bandeirantes), Ambev e outras.

Ontem a ação ANIM3 encerrou cotada a R$ 29,75 com queda de 0,1% no ano.


Copasa (CSMG3)
AGE aprovou o desdobramento de ações de 1 para 3; e o pagamento de dividendos extraordinários. Conselho aprova a 15ª emissão de debêntures

Em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) realizada ontem (19/11) os acionistas da Copasa aprovaram:

•            Desdobramento das ações ON da companhia, na razão de 1 para 3. A operação será feita com base na posição acionária do dia 25 de novembro, e a partir do dia 26/11, os papéis passam a ser negociados ex-desdobramento.

•            Distribuição de dividendos extraordinários no valor de R$ 820 milhões, equivalente a R$ 6,4876 por ação. O pagamento será feito com base na posição desta quinta-feira (19/11), e hoje, dia 20 de novembro as ações passam a ser negociadas ex-dividendos. O crédito aos acionistas ocorrerá ainda este ano, em data ainda a ser definida. O retorno é de 12,3%.

O conselho de administração aprovou a 15ª emissão de debêntures no valor de R$ 500 milhões em série única. Os papéis terão vencimento de cinco anos, e a remuneração oferecida será composta pela Taxa DI mais um prêmio de até 1,90% ao ano.

Seguimos com recomendação de COMPRA para CSMG3 e Preço Justo de R$ 64,00/ação que traz um potencial de alta de 21,0% em relação à cotação de R$ 52,80/ação de fechamento desta quinta-feira, 19 de novembro. Lembrando que as ações da companhia fazem parte da nossa Carteira – Dividendos de novembro.


Cielo S.A. (CIEL3)
Aquisição das ações remanescentes da “Multidisplay”

A companhia comunicou ontem (19/11) que os acionistas minoritários da sua controlada Multidisplay Comércio e Serviços Tecnológicos S.A. (“Multidisplay”) exerceram opção de venda de sua participação na Multidisplay para a Cielo, nos termos de acordo de acionistas firmado originalmente em 02 de agosto de 2010 e aditado em 04 de julho de 2016.

•            O exercício da opção envolveu ações representativas de 8,56% do capital social, de forma que a Cielo passa a deter 100% do capital social da Multidisplay.

•            O preço total da transação foi de R$ 29,8 milhões pago, em 19 de novembro de 2020, aos acionistas minoritários na proporção de cada um no capital social da Multidisplay.

•            A transação tinha como condição precedente o recebimento das aprovações aplicáveis do Banco Central do Brasil, as quais já foram obtidas.

Conforme destacado no comunicado ao mercado “a Cielo já havia aumentado sua participação na Multidisplay, de 50,01% para 91,44%, em 04 de julho de 2016, seguindo a estratégia da companhia de consolidar sua posição em segmentos de inovação tecnológica e alto potencial de crescimento”.


CSN (CSNA3)
Retomada na produção do Alto Forno 2

Após o pregão de ontem, a empresa informou que retomou a produção no Alto Forno 2, que tem uma capacidade nominal para produzir 1,5 milhão de toneladas ao ano. Este equipamento foi paralisado em maio/20, por conta da redução na demanda dada pela pandemia de Covid-19.
• Esta é uma boa notícia para a CSN, confirmando a retomada na demanda nacional por aço. Este aumento de produção deve impactar positivamente os resultados da empresa já no 4T20;
• Na época da parada deste equipamento, a CSN informou que a reforma recente do Alto-Forno 3, permitiu um expressivo aumento da produção e rentabilidade, que poderia compensar o fechamento do outro forno;
• Vale lembrar que no 3T20, os resultados da CSN mostraram aumento na receita, nas margens e no lucro líquido. Isso foi consequência dos maiores volumes vendidos e preços mais elevados no segmento de mineração e também na siderurgia.


Gerdau (GGBR4)
Crédito fiscal de R$ 600 milhões vai impactar o resultado do 4T20

Durante o pregão de ontem, a empresa informou que sua controlada Gerdau Açominas S/A (GACO), obteve sucesso em processo judicial que pleiteava a exclusão do valor do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS.
• Com a decisão final da justiça, a GACO pode reaver R$ 952 milhões, valor que após os impostos e honorários advocatícios é estimado em R$ 600 milhões e será reconhecido no resultado do 4T20;
• Esta é uma boa notícia para a Gerdau, que aumentará seu lucro do 4T20 e poderá reaver este valor em até cinco anos com descontos nos impostos a serem pagos.


Enauta (ENAT3)
Parada na produção do Campo de Atlanta

Pouco antes do início do pregão de ontem, a empresa informou que a produção no Campo de Atlanta foi paralisada, devido à identificação de falhas em equipamentos (aquecedores de óleo) do FPSO, que é arrendado.
• Ainda segundo a Enauta, no momento estão sendo analisadas as medidas a serem tomadas e o prazo para a retomada da produção;
• Esta foi uma má notícia para a Enauta, que detém 50% deste campo, em sociedade com a Barra Energia (50%). A paralisação vai comprometer a produção e as vendas da empresa no 4T20, reduzindo o lucro. Apesar disso, o mercado não viu assim e ENAT3 subiu ontem 4,1%;
• É importante lembrar que no início deste mês a empresa reduziu mais uma vez sua expectativa de produção no Campo de Atlanta. A Enauta espera agora que em 2020 a produção seja de 20 mil barris ao dia, ao invés do anteriormente esperado de 23 mil b/d. Em 2021, a expectativa foi diminuída de 18 mil b/d para 16 mil b/d. Provavelmente estas projeções serão prejudicadas pela parada anunciada ontem.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.