Ibovespa cai 1,18% na abertura da semana

MERCADO


Bolsa
A semana curta iniciou com o Ibovespa marcando queda 1,18% no fechamento, em dia de mais uma baixa nas bolsas de NY, com o Nasdaq voltando a pesar mais forte. O índice fechou a terça-feira em 100.050 pontos, com giro financeiro de R$ 26,1 bilhões (R$ 23,4 bilhões no à vista). A agenda econômica de hoje vem com poucos indicadores, com destaque apenas para a inflação de agosto medida pelo IPCA. As bolsas internacionais mostram queda no fechamento da Ásia, refletindo a baixa nas bolsas americanas e as bolsas europeias mostram alta generalizada nesta manhã, acompanhando a recuperação dos futuros de NY, após as fortes quedas nos pregões anteriores, lideradas por ações de tecnologia.  Hoje, o petróleo também opera com alta nos tipos WTI e Brent após uma forte correção no dia anterior.  Destaque negativo, ontem para a notícia sobre a AstraZeneca Plc que vinha num ritmo acelerado de desenvolvimento de sua vacina e que agora pode sofrer um atraso por conta do teste positivo para a Covid-19 em um dos voluntários. As ações da companhia caíram forte logo após da divulgação da notícia.

Câmbio
A moeda americana encerrou o dia ontem com alta de 1,14%, passando de R$ 5,3016 para R$ 5,3622. Com poucas notícias do lado doméstico, o comportamento externo ganha mais peso e os investidores buscam proteção no dólar.

Juros
O mercado de juros futuros abriu a semana em alta, acompanhando a curva do dólar. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 fechou em 2,83%, de 2,743% no ajuste de sexta-feira e para jan/27 a taxa passou de avançou de 6,643% para 6,79%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Hapvida (HAPV3)
Aquisição de participações acionárias em diversas regiões do Brasil

A Hapvida comunicou ao mercado e aos seus acionistas, a celebração de um conjunto de instrumentos de arrendamento e de compra e venda envolvendo a aquisição de participações acionárias de múltiplas entidades de saúde nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil (Transações), em linha com sua estratégia de expansão e consolidação nacional.

Aquisição de 100% do Grupo Promed que possui suas operações concentradas na região metropolitana de Belo Horizonte/MG, por R$ 1,5 bilhão, valor que terá a dedução de uma dívida de R$ 500 milhões.

Em continuidade ao projeto de expansão e verticalização das empresas recém-adquiridas pelo Hapvida, a Companhia assinou contrato de arrendamento do Hospital Materno Infantil Sinhá Junqueira, em Ribeirão Preto/SP (Hospital Sinhá Junqueira e Transação Sinhá, respectivamente).

Aquisição em Goiânia da integralidade da carteira de beneficiários da Samedh – Multi Saúde – Assistência Médica e Hospitalar Ltda. (Samedh) pela sua subsidiária integral Hapvida Assistência Médica Ltda. O valor foi de R$ 20 milhões.

Ontem a ação HAPV3 encerrou cotada a R$ 67,34 com alta de 5,7% no ano.


OI (OIBR3 e OIBR4)
Aprovada em AGE a mudança no Plano de Recuperação Judicial

Ontem à noite (09/09) foi aprovada em uma assembleia virtual que durou 12 horas, a proposta de mudanças no plano de recuperação judicial da companhia.

Após uma tentativa de cancelamento da assembleia por parte de bancos credores (Caixa Econômica, Banco do Brasil e Itaú), sem sucesso e apesar das divergências durante a assembleia com os bancos, a companhia conseguiu maioria necessária para iniciar uma reestruturação ampla dos seus negócios, que marcará a saída do setor de telefonia e internet móveis, passando a atuar como uma empresa de infraestrutura de fibra ótica.

A proposta de reformulação do plano prevê a venda de redes móveis, torres, data centers e parte da rede de fibra ótica, levantando mais de R$ 22 bilhões. O dinheiro será usado para fazer o pagamento antecipado de dívidas, com cortes dos valores na faixa de 50% a 55%, além de sustentar os investimentos futuros.

Se tudo der certo após a alienação dos ativos, a Oi espera reduzir o endividamento e concluir a recuperação judicial em maio de 2022.

Ontem a ação OIBR3 fechou a R$ 1,86 (+116,3% no ano) e a OIBR4 encerrou a R$ 3,02 (+145,5% no ano). O valor de mercado da empresa é de R$ 11,3 bilhões.


Vale (VALE3)
Não houve acordo para a venda da VNC

A empresa informou ontem, que não chegou a um acordo para a venda da sua participação (95%) na Vale Nouvelle Caledonie S.A.S. (VNC) para a New Century Resources Limited (NCZ). A Vale estava em negociações exclusivas com a NCZ desde o dia 25 maio/2020.
• A Vale ainda informou que vai continuar a buscar uma solução para a VNC, sempre incluindo sua saída do capital desta empresa. Com a frustração da venda, a Vale vai iniciar as etapas necessárias para paralisar as operações da VNC;
• Esta é uma má notícia, dado que a VNC é uma unidade que traz resultados negativos para Vale. No primeiro semestre/2020, o EBITDA negativo da VNC foi de US$ 94 milhões. Além disso, no 2T20, a Vale realizou um impairment de US$ 314 milhões relativo a estas operações.


Localiza (RENT3)
Distribuição de um novo provento e mudança na data do pagamento de outros

O Conselho de Administração da empresa, reunido na última sexta-feira (4/setembro), autorizou o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) no valor de R$ 65,6 milhões (R$ 0,087305099 antes do Imposto de Renda).
• O pagamento deste provento será realizado no dia 5 de novembro, considerando as posições dos acionistas da Localiza em 10/setembro (próxima quinta-feira);
• Além disso, o Conselho da empresa alterou a data de pagamento de dois proventos já anunciados. O primeiro, anunciado em 1/abril (R$ 0,089006724 por ação antes do IR), que seria pago no dia 5/janeiro/2021, foi antecipado para 15/set/20. O segundo JCP (R$ 0,086217537 por ação antes do IR), teve seu pagamento antecipado para 15/out/20, quando antes isso estava previsto para 15/abril/21.


Petrobras (PETR4)
Avanço na venda do Bloco BM-S-51

Na noite de ontem, a empresa informou que iniciou a fase vinculante da venda de 50% a 100% de sua participação na concessão BM-S-51, localizada na Bacia de Santos.
• Nesta fase da venda, os potenciais compradores terão mais instruções sobre o processo de venda e também para a realização do due diligence;
• A continuidade do processo de desinvestimentos da Petrobras é sempre uma boa notícia. Estas vendas de ativos têm ajudado na redução da dívida e dos investimentos, o que leva a uma maior rentabilidade da empresa;
• Este bloco está localizado em lâmina d’água que varia de 350 a 1.650 metros e cerca de 215 quilômetros da costa de São Paulo. A Petrobras é operadora com 80% de participação, tendo como sócia a Repsol Sinopec Brasil (20%). Esta concessão foi adquirida na Sétima Rodada de Licitações de Blocos realizada pela Agência Nacional do Petróleo em 2005 e está no Primeiro Período Exploratório.


Ecorodovias (ECOR3)
Tráfego em contínua melhoria

A empresa divulgou ontem seus dados gerenciais de tráfego no acumulado do ano e após a quarentena, mostrando uma contínua recuperação no tráfego em suas nove concessões rodoviárias.
• Entre 16 de março a 6/setembro, o tráfego total comparável (sem Eco135 e Eco050) caiu 17,2% (início da quarentena até o último domingo), comparado ao um período similar de 2019 (18/março a 8/setembro). Nestes mesmos intervalos, o tráfego acumulado em 2020 teve uma redução de 11,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados sem as duas rodovias é o que permite melhor comparação, dado que estas concessões foram agregadas no início de 2019;
• No período anterior, o tráfego total comparável, havia caído 18,1% após o começo da quarentena e 12,2% no acumulado do ano.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.