Ibovespa cai 1,17% aos 100.721 pontos

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa pesou ontem, com a bolsa influenciada pela queda acentuada das bolsas de NY, que passou por uma realização de lucros após testar seguidos recordes de alta. A queda mais forte foi no Nasdaq, com investidores trocando posições em papeis de tecnologia por outros setores. No mercado a questão é se as bolsas já não estão muito valorizadas nos EUA. O Ibovespa recuou 1,17% aos 100.721 pontos, com giro financeiro de R$ 38,9 bilhões (R$ 35,1bilhões no à vista). Hoje a agenda econômica vem concentrada nos EUA, com destaque para os dados do payroll que saem às 9:30 horas e a taxa de desemprego no país.  A qualidade destes dados pode ditar o rumo das bolsas de NY que podem ainda ter mais efeito da pressão vendedora de ontem. A ação da Apple encerrou o dia com queda de 8,01%, com quase US$ 180 bilhões de perda de valor de mercado. O sinal de venda já havia acontecido no dia anterior.  As bolsas internacionais mostram alta nesta manhã. É importante lembrar que nas segunda-feira as bolsas de NY e o Ibovespa não funcionarão por conta do feriado do Dia do Trabalho nos EUA e Independência do Brasil. Portanto, os investidores poderão ter comportamento de cautela hoje. O petróleo operava em alta neste começo de manhã.

Câmbio
Mesmo com as bolsas pesando ontem, o real teve mais um dia de valorização em relação ao dólar.  No fechamento o dólar marcou queda de 0,94% passando de R$ 5, 3424 na quarta-feira para R$ 5,2921.

Juros
As taxas de juros futuros cederam mais um pouco ontem, com a o envio do texto da reforma administrativa ao Congresso e pela queda do dólar. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 caiu de 2,833% para 2,79% enquanto o DI para jan/27 recuou de 6,793% para 6,72%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Magazine Luiza (MGLU3)
Aquisição da startup AIQFome, delivery de comida

Ontem, o Magazine Luiza anunciou a aquisição da startup de delivery de comida AiQFome, com sede na cidade paranaense de Maringá.

A plataforma já atende mais de 2 milhões consumidores em 350 cidades e deve atingir mais cerca de 150 municípios neste ano. O foco são cidades do interior, de 15 mil a 300 mil habitantes.

O valor não foi mencionado, mas o negócio deve ser visto principalmente como mais um canal de logística para o Magalu. Segundo o Magazine Luiza, a AiQFome recebe milhões de pedidos por ano, preparados por 17 mil restaurantes parceiros.

Na teleconferência de resultados, o CEO da companhia Frederico Trajano sinalizou que o Magalu seguiria trazendo novidades com novas aquisições em setores diversos. Ontem a ação MGLU3 encerrou cotada a R$ 88,50 com valorização de 85,9% no ano. Valor de mercado: R$ 143,4 bilhões.


Suzano (SUZB3)
BNDESPAR avalia vender sua posição na Suzano equivalente a 11,03% da empresa

A Suzano divulgou em fato relevante, que recebeu correspondência da BNDES Participações S.A. comunicando que está avaliando a venda de até a totalidade das ações ordinárias de sua titularidade e de emissão da Companhia, por meio de uma oferta pública de distribuição secundária de ações (follow-on).

A BNDESPAR comunicou, ainda, em sua correspondência, que selecionou o Banco JP Morgan S.A. para figurar como coordenador líder da referida oferta, que terá também no consórcio de coordenação o Bank of America Merrill Lynch Banco Múltiplo S.A., o Banco Itaú BBA S.A., Banco Bradesco BBI S.A. e a XP Investimentos Corretora de Câmbio Títulos e Valores Mobiliários S.A.

Além disso, a BNDESPAR ressaltou que o lançamento da oferta pública em questão está sujeito a diversos fatores, entre os quais a existência de condições de mercado favoráveis, notadamente de preço, a aprovação de sua governança interna e a análise da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e dos demais órgãos reguladores e autorreguladores, nos termos da legislação aplicável.

Em 31 de agosto de 2020, a BNDESPAR detinha 150.217.425 ações ordinárias de emissão da Companhia, representando cerca de 11,03% do total de ações ordinárias emitidas pela Companhia.

Ontem a ação SUZB3 encerrou cotada a R$ 48,00 com valorização de 21,0% no ano.


Hapvida (HAPV3) 
Aprovação de JCP de R$ 0,14op por ação (ex em 11/09)

O conselho de administração da Hapvida aprovou o pagamento de Juros sobre Capital Próprio (JCP) antecipado dos resultados de 2020, no valor de R$ 110,769 milhões, ou R$ 0,1490 por ação ON.

·         O valor será pago de acordo com a posição acionária do dia 10 de setembro, e a partir do dia 11, a ação passa a ser negociada ex-juros.

·         O crédito aos acionistas será feito em 30 de abril de 2021.

Outra decisão do conselho da Hapvida foi antecipar a segunda parcela dos JCP e dividendos referentes a 2019, que estava prevista para ser paga em 30 de dezembro, e será creditada aos acionistas em 18 de setembro.

Ontem a ação HAPV3 encerrou cotada a R$ 66,90 com ata de 5,0% no ano. Com base neste preço o retorno para os acionistas é de 0,22%.


Vale (VALE3)
Pedido do MPF de intervenção judicial

Pouco antes do pregão de ontem, a imprensa divulgou a informação de que o Ministério Público Federal (MPF), em Minas Gerais, havia ajuizado uma ação pública

pedindo a intervenção judicial na empresa para garantir a segurança de suas barragens. A ação inclui o pedido de afastamento dos executivos responsáveis por segurança na Vale, assim como a suspensão do pagamento de dividendos aos acionistas.

· Durante o dia, a Vale publicou um comunicado informando que tomou conhecimento da medida judicial pela imprensa e reafirmou todo seu trabalho de melhoria na gestão das barragens de rejeitos. Estas mudanças incluem muitas medidas destinadas a aumentar a vigilância da segurança das barragens, monitoradas agora por pessoal interno e externo;

· Esta notícia prejudicou a ação ontem, quando VALE3 caiu 3,3%, enquanto o Ibovespa teve uma desvalorização de 1,2%. A questão de segurança das barragens e novas ações judiciais de reparação, são eventos que continuam tendo impacto negativo na ação. Portanto, qualquer futura notícia acerca destas questões, também impactará muito negativamente as ações da Vale.


Eletrobras (ELET3, ELET6)
Venda de 49,5% na Manaus Transmissora para a Evoltz por R$ 251,1 milhões

A Eletrobras concluiu ontem (3/setembro) a transferência da totalidade das ações que detinha da Sociedade de Propósito Específico Manaus Transmissora de Energia S.A. (MTE), correspondente a 49,5% do capital social total, para a Evoltz Participações S.A. (Evoltz).

Pela venda, a Eletrobras recebeu o valor atualizado de R$ 251,1 milhões, corrigidos até 03 de setembro de 2020.

Vemos como positivo. Lembrando que a alienação foi aprovada pelo CAE em 13 de maio de 2020, e  representa uma das iniciativas vinculadas ao Plano Diretor de Negócios e Gestão 2020/2024.


AES Tietê Energia S.A. (TIET11)
Conclusão do Acordo de Investimento com a Unipar

A AES Tietê concluiu em 3 de setembro de 2020 a constituição de uma joint venture com controle compartilhado (JV) com a Unipar Carbocloro S.A., para geração de energia eólica.

·         O Projeto possui 155 MW de capacidade eólica instalada, equivalentes a 78 MW médios de energia assegurada, sendo que 60 MW médios já foram comercializados por meio de um contrato com prazo de 20 anos (PPA) firmado entre JV e Unipar.

·         A fazenda eólica está em construção e faz parte do Complexo Eólico Tucano de 583 MW, localizado no Estado da Bahia. A entrada em operação dos 155MW está prevista para o segundo semestre de 2022.

O Acordo de Investimento havia sido firmado em 11 de novembro de 2019 com um Capex estimado de R$ 4,0 milhões/MW instalado. Esta JV está em linha com a estratégia de crescimento por meio de projetos de geração em energia renovável e que criam valor para os acionistas.

Suas Units (TIET11) registram queda de 2,7% este ano para R$ 14,82 (valor de mercado de R$ 5,9 bilhões). O preço justo de R$ 17,00/unit traz um potencial de alta de 14,7%.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.