Ibovespa registra queda de 0,18%

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa passou a maior parte do dia de lado e encerrou com queda de 0,18% aos 102.118 pontos, com giro financeiro de R$ 23,7 bilhões (R$ 21,8 bilhões no à vista). As bolsas de NY tiveram comportamento misto, com destaque para o S&P e o Nasdaq testando novas máximas. Hoje a agenda econômica vem fraca com a divulgação do INCC (inflação da construção civil) e dados dos EUA, sem peso para os mercados. Os mercados aguardam para amanhã o início do Simpósio em Jackson Hole, onde o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell irá falar sobre a política econômica dos EUA. Hoje o petróleo operava com pequena queda no começo da manhã e as bolsas internacionais também mostram comportamento misto, com predomínio de alta. Em dia de noticiário fraco, o que pode chamar a atenção do lado doméstico é o desconforto causado ontem pela ausência do ministro Paulo Guedes, no evento de lançamento no novo programa habitacional “Casa Verde Amarela” levantando novamente especulações a respeito de sua permanência no comando do ministério da economia.

Câmbio
A moeda americana teve um dia de queda acentuada (1,83%) passando de R$ 5,6117 para R$ 5,5092. O fluxo de venda mais forte pressionou a moeda no meio da tarde.

Juros
Os juros também mostraram oscilação reduzindo a curva de alta, mas mesmo assim a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 terminou praticamente estável, em 2,75%, de 2,742% no dia anterior e para jan/27 a taxa passou de 6,733% para 6,76%.


Qualicorp (QUAL3)
Lucro líquido de R$ 126,7 milhões no 2T20 e R$ 195,2 milhões no 1S20

O lucro líquido consolidado do 2T20 foi beneficiado pela venda do QSaúde, atingindo R$ 126,7 milhões, aumento de 21,5% sobre o 2T19.  No acumulado do ano, o lucro líquido atingiu R$ 195,2 milhões (-3,0%), impactado negativamente por efeitos não recorrentes (R$ 21,0 milhões) resultantes, principalmente, da rescisão de executivos ao longo do semestre e pela maior despesa financeira em função do aumento do endividamento da companhia após redução de capital efetuada em 2019, parcialmente compensados pelo forte controle de custos, despesas e redução na alíquota efetiva de IR/CSLL.

A receita liquida teve uma pequena redução de 2,8% no 2T20 mas cresceu no acumulado do ano. É importante destacar que a pandemia do coronavírus levou a uma série de mudanças nas operações da empresa, que conseguiu com eficiência controlar custos e despesas, além da queda das despesas com PDDs e liminares.

Endividamento – A Qualicorp encerrou junho com uma dívida liquida de R$ 594,8 milhões, redução em relação ao 1T20, como consequência da forte geração de caixa e da não distribuição de dividendos no trimestre. Em relação ao 2T19 o endividamento líquido aumentou como consequência da redução e capital efetuada em 2019. Vale lembrar que da dívida total de R$ 1,36 bilhão, apenas R$ 59,3 milhões estão no curto prazo.

Ontem a ação QUAL3 encerrou cotada a R$ 30,70 com queda de 17,2% no ano.


Sanepar (SAPR11)
AGEPAR aprova reajuste tarifário de 9,6299% com vigência a partir de 31/10

Em continuidade à divulgação das informações referentes ao reajuste tarifário de 2020, a Sanepar comunicou que o Conselho Diretor da AGEPAR – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná, em reunião realizada ontem (25/agosto), aprovou o reajuste tarifário anual de 9,6299% com vigência a partir de 31 de outubro de 2020.

Ainda, de acordo com a AGEPAR, eventuais perdas de receita decorrentes da não aplicação do índice na data-base poderão ser objeto de análise quando do início do processo de revisão tarifária, previsto para o ano de 2021.

Mais uma notícia positiva que se soma ao resultado da 1ª Etapa do Programa de Aposentadoria Incentivada (PAI) reportado na véspera.


Eneva (ENEV3)
As gestoras Atmos, Dynamo e Velt formaram bloco de acionistas minoritários independentes

A Eneva informou nesta terça-feira (25/08) que as gestoras de investimento Atmos, Dynamo e Velt assinaram um acordo de acionistas, o qual regula determinados direitos e obrigações referentes às ações detidas na companhia. Juntas, as gestoras somam 15,61% das ações ordinárias da Eneva (Atmos com 5,00%, Dynamo com 5,02% e Velt com 5,59%).

O acordo estabelece os termos que deverão reger o relacionamento das gestoras e inclui regras a serem observadas “no exercício de seus direitos políticos para a transferência de ações de emissão da Eneva de titularidade dos referidos veículos de investimento”.

O presente acordo “permitirá a formação de um bloco de acionistas independente, ágil e articulado, que atuará em benefício do melhor interesse de longo prazo da Eneva”.

Atmos, Dynamo e Velt acreditam que a criação deste bloco de acionistas reforça o apoio à administração da Eneva, para continuar executando suas estratégias com visão de longo prazo.


Neoenergia (NEOE3)
Aneel aprovou aumento médio de 5,36% das tarifas da Elektro Redes

A Neoenergia informou que a Aneel aprovou ontem (25/08), o reajuste tarifário da Elektro Redes S.A. (“ELEKTRO”) a ser válido a partir de 27 de agosto de 2020. O efeito médio para o consumidor será de 5,36% sendo +5,02% em baixa tensão e 6,00% para alta e média tensão.

Combinando Parcelas A e B o impacto foi de +13,59%, que descontados dos componentes financeiros de -8,22% (aqui incluídos a contribuição para redução do reajuste, pela antecipação dos recursos da Conta-Covid), resulta num efeito médio a ser percebido pelo consumidor de +5,36%.


Energisa (ENGI11)
Aneel aprovou aumento médio de 4,28% para tarifas da Energisa Paraíba (EPB)

A Aneel aprovou ontem (25/08) o reajuste tarifário da Energisa Paraíba Distribuidora de Energia S.A. (“EPB”), a ser aplicado a partir de 28 de agosto de 2020. O efeito médio para o consumidor será de 4,28% sendo +3,61% em baixa tensão e 6,60% para alta e média tensão.


CSN (CSNA3)
Esclarecimento sobre emissão de ações da CSN Mineração

Após o pregão de ontem, a empresa divulgou um Fato Relevante onde informa que avalia constantemente alternativas de captação de recursos através dos mercados de renda fixa ou variável.
• Entendemos sobre este Fato Relevante, que a notícia publicada ontem sobre a oferta de ações da CSN Mineração não seria completamente verdadeira. Porém, a comunicação da empresa confirma os estudos para realizar esta operação;
• Ontem, as ações da CSN estavam em baixa durante a maior parte do pregão e passaram a subir, após a notícia de que a companhia teria contratado um banco para coordenar uma oferta inicial de ações da sua subsidiária do segmento de mineração. Ainda segundo esta informação, a captação seria de R$ 10 bilhões;
• Uma emissão de ações da CSN Mineração seria altamente positiva, por permitir a redução do endividamento da controladora e contar com o momento de mercado adequado, considerando os volumes elevados de outras emissões recentes que foram bem-sucedidas. Além disso, a alta da cotação do minério de ferro nos últimos meses, traz um otimismo quanto aos resultados das empresas do setor.


Petrobras (PETR4)
Pagamento antecipado de linhas de crédito compromissadas

A empresa comunicou, na noite de ontem, que realizou o pré-pagamento parcial, no valor de R$ 2,1 bilhões, de linhas de crédito compromissadas contratadas em março último.
• Esta é uma boa notícia, indicando a recuperação da geração de caixa da Petrobras, após os difíceis momentos vividos no 2T20. É importante também lembrar que do dia 27/julho, a empresa informou que havia pré-pagado US$ 3,5 bilhões destas mesmas linhas contratadas em março;
• No dia 20 de março, a empresa divulgou a contratação de US$ 8 bilhões de linhas de crédito compromissadas. Na época, a empresa justificou a tomada destes recursos com reforço de caixa no momento de início da pandemia de Covid-19 e da forte queda nas cotações do petróleo.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.