Ibovespa cai 1,19% após ata do Federal Reserve

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a quarta-feira com queda de 1,19% aos 100.854 pontos e giro financeiro total de R$ 28,3 bilhões (R$ 25,7 bilhões à vista).  A divulgação da ata do Fed já influenciou a B3 no final do dia. Hoje as bolsas internacionais mostram queda generalizada com a sinalização passada pelo Federal Reserve para a economia americana, em razão da pandemia. O vírus ainda não foi controlado e a economia global vai sofrer. Tudo isso acontecendo num momento em que as bolsas de NY atingem o topo com alguns estrategistas americanos vendo as ações caras neste momento. Até o final deste ano, muitos eventos importantes vão influenciar as decisões dos investidores e os mercados podem mostrar volatilidade. Hoje a agenda econômica traz em destaque dados de seguro desemprego nos EUA e nível de conforto do consumidor e na zona do euro o resultado da produção de construção. Do lado doméstico, nenhum dado importante para hoje. O petróleo mostra queda nesta manhã. Com este cenário, o Ibovespa pode sofrer mais pressão nesta quinta-feira.

Câmbio
Com o real pressionado pela moeda americana o voltou a atuar no mercado vendendo 10.000 contratos (US$ 500,0 milhões) em dinheiro novo. No fechamento o dólar marcou R$ 5,5566 contra R$ 5,4677 no dia anterior, variação de 1,63%.  Com a puxada no dólar, o Banco Central precisou atuar no mercado, com a venda de 10.000 contratos (US$ 500,0 milhões) em dinheiro novo.

Juros
A ata do Fed mexeu também com o humor do mercado de juros. No final, a taxa do DI para jan/22 subiu de 2,692% para 2,78%.  Para jan/27, a taxa passou de 6,703% para 6,85%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

C&A Modas (CEAB3)
Prejuízo líquido pro forma de R$ 181,6 milhões no 2T20 e de R$ 227,4 milhões no 1S20

A C&A registrou prejuízo líquido pro forma de R$ 181,6 milhões no 2T20, variação de R$ 210,7 milhões em relação ao lucro do 2T19. A margem líquida pro forma negativa de 61,6% foi 63,9 pp inferior. No primeiro semestre o prejuízo líquido pro forma foi de R$ 227,4 milhões com margem líquida pro forma negativa de 17,9%.  Observação: o resultado pro forma leva em conta os ajustes que consideram o impacto do IFRS16 e do registro do ganho do crédito fiscal referente à exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins no 6M19.

A pandemia pesou fortemente sobre os negócios da C&A que tem grande dependência dos shopping centers, que permaneceram fechados por grande período e que retomam as atividades ainda de maneira restrita.

No 2T20, a receita líquida totalizou R$ 294,5 milhões, (- 76,6% versus o 2T19) e a margem bruta total de 48,6% foi 0,6 pp menor principalmente pelo efeito da maior participação de fashiontronics nas vendas. No 2T20, o EBITDA ajustado pro forma foi negativo R$ 201,4 milhões. No 1S20, a C&A consumiu um caixa livre de R$ 400,8 milhões, um aumento em relação a 2019 de R$ 220,0 milhões. A C&A encerrou o 2T20 com dívida bruta total de R$ 1,2 bilhão e com uma sólida posição de caixa, com caixa líquido de R$ 53,8 milhões. A dívida total tem um prazo médio de 2,16 anos e um custo médio (all in) de CDI + 2,35%.

Ontem a ação CEAB3 encerrou cotada a R$ 10,22 com queda de 41,7% no ano.


Cosan Limited (NYSE: CZZ)
Resultado do 2T20

A Cosan Limited (CZZ) anunciou ontem (19 de agosto) seus resultados referentes ao 2T20, um lucro líquido de R$ 102 milhões, 51% inferior a igual trimestre do ano anterior, reflexo do cenário de pandemia que afetou negativamente a demanda e as vendas das companhia controladas; os preços dos produtos e o resultado operacional.

A CZZ controla a Cosan S.A. (CSAN3) com 64,4% do capital e a Cosan Log (RLOG3) com 73,4% do capital total; e cujos resultados já haviam sido reportados.

Em termos das principais linhas de resultados ressalte-se a queda de 30% da receita líquida consolidada na CZZ no 2T20 ante o 2T19 para R$ 13,6 bilhões. Nessa base de comparação o EBITDA caiu 18% somando R$ 1,9 bilhão. Em base ajustada o EBITDA registrou queda de 39% para R$ 1,2 bilhão. A alavancagem financeira elevou-se de 2,1x em jun/19 para 2,8x em jun/20.

Em julho a companhia anunciou a Reorganização Societária do grupo Cosan de modo a fortalecer a Governança. A proposta é incorporar a CZZ e a RLOG na CSAN, que continuará listada no Novo Mercado da B3 e emitirá ADRs listados na NYSE. Conforme destacado “a operação unifica a base de acionistas da companhia, combina os free-floats das três companhias, aumentando a liquidez, e consolidando a CSAN como a plataforma para desenvolvimento de novos projetos”.

Vemos como positiva esta decisão cuja completa definição e fechamento da operação, estão estimados em até 250 dias. Atentar que eventuais sinergias, embora existam, ainda não estão quantificadas.


Localiza (RENT3)
Rescisão da Cooperação de Marcas com a Hertz

Na noite de ontem, a empresa informou que rescindiu com a The Hertz Corporation e Hertz Systems, o Instrumento de Rescisão dos Contratos de Cooperação de Marcas (e de Encaminhamento de Clientes.
• Não acreditamos que a Localiza terá uma perda importante com esta rescisão de acordos com a Hertz, dado que a empresa tem uma marca forte no Brasil. Porém, algum prejuízo pode ocorrer nos negócios no exterior, uma vez que os clientes nacionais da Localiza podiam usar a estrutura da Hertz fora do país dentro do acordo rescindido;
• Em setembro de 2017, a Localiza adquiriu as operações no Brasil e realizou acordos de uso conjunto das marcas no país e exterior. Os clientes da Localiza também poderiam ser atendidos globalmente em lojas da Hertz, o que se somaria à troca de tecnologias entre as duas empresas e intercâmbio de executivos. A Localiza pagou na época R$ 360 milhões e assumiu os negócios da Hertz no Brasil, que incluíam uma frota total de 8,4 carros e uma rede de 44 agências próprias.



Petrobras Distribuidora (BRDT3)
Venda da controlada Stratura Asfaltos

Pouco antes do início do pregão de ontem, a empresa informou que fechou a operação de venda da sua controlada Stratura Asfaltos S/A para a Bitumina do Brasil Participações Ltda, por um valor que pode chegar a R$ 100 milhões.
• A Petrobras (BR) Distribuidora já recebeu R$ 4 milhões no fechamento da operação, sendo que o valor restante será pago de acordo com um mecanismo de desempenho da empresa (“earn-out”) e a recuperação de créditos tributários. A transação também envolve o pagamento de mútuo no valor de aproximadamente R$ 147 milhões;
• Acreditamos que é uma boa notícia a venda desta empresa, já que não pertencia ao foco dos negócios que a BR quer atualmente.


Petrobras (PETR4)
Renegociação de pagamento com a Petros

Minutos antes do começo do último pregão, a empresa informou que renegociou a postergação de um pagamento com valor de R$ 2,05 bilhões com a Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros). Isso ocorreu devido à orientação da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST/ME), como forma de preservação do caixa da Petrobras. O pagamento agora será realizado semestralmente nos próximos 20 anos.

· Esta notícia é positiva para a Petrobras, porque “alivia” o caixa em um momento de crise como o atual;

· Em maio/20, a Petrobras assinou com a SEST um Novo Plano de Equacionamento de Déficit (Novo PED) dos planos Petros. A insuficiência de recursos dos planos abrangidos pelo Novo PED era de R$ 33,7 bilhões ao final de 2019. Deste valor, a Petrobras terá responsabilidade por R$ 13,6 bilhões. Neste Novo PED foi estabelecido que a Petrobras pagará sua parte por meio de contribuições ao longo da vida dos planos (91% do total em 25 anos).


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.