Ibovespa sobe 0.89%, mas perde 1,38% na semana

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a sexta-feira com ganho de 0,89% aos 101.353 pontos e giro financeiro de R$ 28,3 bilhões (R$ 25,2 bilhões no à vista). Na semana a bolsa caiu 1,38%. Com grande parte da safra de resultados já divulgada, o mercado deverá ficar mais atento à pauta política que tem com maior desafio, nos próximos meses, a tentativa de equalização do grande rombo causado pelo coronavírus. A semana abre com agenda fraca, sem indicadores importantes, em destaque, apenas o Boletim Focus e o vencimento de opções sobre ações, mas a partir de amanhã os indicadores domésticos e do lado externo, podem impactar o mercado. O petróleo abre a semana com pequena baixa e as bolsas internacionais mostram comportamento misto, sem oscilações relevantes. O mercado segue atento ao assunto “teto de gastos” sem um acordo ainda para o assunto e do lado externo, a tensão entre Estados Unidos e China, não atem afetado as bolsas, mas segue trazendo novas decisões do presidente Trump que devem ser consideradas como risco aos mercados, como o aumento da pressão sobre empresas chinesas que atuam no país e uma postura dura contra a repressão de Pequim à liberdade política e de imprensa em Hong Kong.

Câmbio
A semana passada foi de volatilidade nos principais ativos, mas o dólar fechou cotado a R$ 5,4229 de R$ 5,3692 no dia anterior, alta de 1,00%;

Juros
Os juros futuros tiveram uma sexta-feira sem oscilações importantes, com o mercado acompanhando o desenrolar das mudanças no ministério da economia na semana passada e preocupações quanto à continuidade de Paulo Guedes à frente do ministério. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 passou de 2,813% para 2,80%, e para jan/27 caiu de 6,853% para 6,83%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Direcional Engenharia (DIRR3)
Lucro líquido de R$ 33,9 milhões no 2T20 (+30,9% s/ o 2T19)

No 2T20 a empresa lançou 06 empreendimentos/etapas que totalizaram VGV de R$ 351 milhões (R$ 296 milhões % Direcional), crescimento de 151% em relação ao 2T19. A empresa registrou bom resultado de vendas nos dois períodos comparativos, com a velocidade de vendas, no 2T20, medida pelo indicador VSO (Vendas Líquidas sobre Oferta), atingindo 16%.

A Direcional mostrou um bom resultado líquido no 2T20, somando R$ 33,9 milhões contra R$ 26,0 milhões no 2T19. No acumulado do ano, o resultado totalizou R$ 43,9 milhões, queda de 5,1% em relação ao 1S19.

O saldo bruto de Empréstimos e Financiamentos encerrou o trimestre em R$ 881 milhões, 4% inferior ao trimestre anterior e 1% superior em relação ao mesmo período do ano passado. A empresa tem vencimentos de R$ 235 milhões até dez/20. O prazo médio ponderado de vencimento da dívida no fechamento do 2T20 foi de 36 meses.

A dívida líquida ficou em R$ 32,9 milhões no final de junho, com baixo índice de alavancagem medido pela Dívida Líquida Ajustada² em relação ao Patrimônio Líquido, que encerrou o 2T20 em 2,3% um dos menores do setor.

A Direcional encerrou o 2T20 somando R$ 80 milhões em Geração de Caixa, representando 6% do Patrimônio Líquido da Direcional. No acumulado do ano, a Geração de Caixa totalizou R$ 69 milhões.

Na sexta-feira a ação DIRR3 encerrou cotada a R$ 15,3 com alta de 0,2% no ano.


Centauro (CNTO3)
A companhia comunicou que o CADE aprovou a compra das operações da Nike do Brasil

Na sexta-feira a Centauro divulgou fato relevante informando que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição das quotas da Nike do Brasil por parte da empresa.
A transação, avaliada em cerca de R$ 900 milhões, foi anunciada pelas empresas em fevereiro deste ano.

A Centauro se tornará a distribuidora exclusiva de produtos Nike no território brasileiro, incluindo vestuário, calçados, acessórios e equipamentos, além de operar diretamente o canal de vendas eletrônico da marca no País, por um período inicial de dez anos.

O grupo se tornará também a varejista exclusiva de lojas físicas Nike, responsabilizando-se pela comercialização de produtos ao consumidor final através de lojas monobrand Nike, podendo abrir e operar lojas Nike no território brasileiro, pelo período inicial de cinco anos.

Na sexta-feira a ação CNTO3 encerrou cotada a R$ 29,24 com desvalorização de 16,9% no ano.


Cesp (CESP6)
12ª emissão de debêntures no montante de R$ 1,5 bilhão

O Conselho de Administração da companhia aprovou em reunião realizada dia 12 de agosto de 2020, a 12ª Emissão Pública de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, no montante de R$ 1,5 bilhão.

As Debêntures possuem as seguintes principais características:

·        Vencimento em 10 anos contados da data de emissão, ou seja, 15 de agosto de 2030, ressalvadas as hipóteses de resgate antecipado e vencimento antecipado previstas na Escritura de Emissão;

·        Amortização em 3 parcelas anuais e consecutivas, em 2028, 2029 e 2030;

·        Atualização monetária pela variação acumulada do IPCA; e

·        Juros remuneratórios sobre o Valor Nominal Unitário correspondente a 4,30% ao ano, base 252 dias úteis, pagos nos meses de fevereiro e agosto de cada ano.


Banco do Brasil (BBAS3)
Novo presidente do BB

O Banco do Brasil comunica que, após comunicação formal, via Ofício do Ministério da Economia, em 14 de agosto, iniciou-se no âmbito do BB os procedimentos de governança necessários à confirmação da elegibilidade do Sr. André Guilherme Brandão para assumir o cargo de presidente do banco.

No dia 24 de julho o Sr. Rubem de Freitas Novaes entregou pedido de renúncia ao cargo de presidente do BB, com efeitos a partir de agosto, vendo a necessidade de renovação para enfrentar os momentos futuros de muitas inovações no sistema bancário.


Enauta (ENAT3)
Venda do campo de Manati

Durante o final de semana, a empresa informou que vendeu sua participação de 45% no Campo de Manati para a Gas Bridge S/A. O valor da operação é de R$ 560 milhões, incluindo o fundo de abandono, caso sejam superadas determinadas condições contratuais. Este valor é equivale a 18,4% do valor de mercado da Enauta no último pregão.

· É importante destacar que o fluxo de caixa do Campo de Manati permanecerá com a Enauta até o final de 2020;

· A Enauta estimou que a conclusão da negociação vai ocorrer até 31 de dezembro de 2021;

· Vemos esta venda como positiva, considerando que o campo está próximo da sua exaustão e a Petrobras também vai vender sua participação.


CCR (CCRO3)
Contínua melhoria nos dados de tráfego

Após o último pregão, a empresa divulgou seus dados operacionais dos sete dias encerrados no dia 13 (quinta-feira passada), mostrando melhora no tráfego rodoviário e nos Aeroportos, mas nos Mobilidade houve uma pequena piora.

· O tráfego nas concessões rodoviárias da CCR (sem a ViaSul) entre os dias 7 e 13 de agosto, comparado ao mesmo período de 2019, mostrou queda de 5,4% no total, com diminuição de 17,6% na movimentação dos veículos de passeio, mas aumento de 4,8% nos comerciais. Estes números continuam melhorando, sendo que na semana a queda no tráfego total foi de 6,3%;

· Em mobilidade, ocorreu uma redução de 58,3% na movimentação de passageiros entre 7 a 13 de agosto, enquanto no período anterior houve queda de 58,1%. Em aeroportos, o número foi negativo nesta semana em 85,2%, melhor que os 86,6% do período imediatamente anterior.


Petrobras (PETR4)
Venda de campos terrestres

Na noite da última sexta-feira, a empresa informou que assinou o contrato para venda de 100% de sua participação no Polo Fazenda Belém com a SPE Fazenda Belém S/A.

· O valor total da venda é de US$ 35,2 milhões, sendo US$ 8,8 milhões pagos na assinatura do contrato, US$ 16,4 milhões no fechamento da transação e mais US$ 10 milhões em doze meses após o fechamento da transação;

· Vemos como positiva esta venda, mesmo sendo uma operação pequena.


Sabesp (SBSP3)
Prorrogada a isenção das contas nas categorias, Residencial Social e Favela

A Sabesp informou, em continuidade aos Fatos Relevantes divulgados em 19 de março, 09 de abril, 03 de junho e 01 de julho de 2020, que a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (ARSESP) publicou a Deliberação nº 1.038 prorrogando a isenção do pagamento das contas de água/esgoto, vincendas de agosto, dos consumidores das categorias de uso Residencial Social e Residencial Favela.


Cemig (CMIG4)
Lucro Líquido de R$ 1,0 bilhão no 2T20

A Cemig registrou no 2T20 um lucro líquido de R$ 1,0 bilhão, com redução de 51% em relação ao lucro de R$ 2,1 bilhões de igual trimestre do ano anterior, explicado pela queda de receita, estabilidade do EBITDA e a remensuração do investimento na Light.

Receita de fornecimento de energia no 2T20 ante o 2T19 apresentou queda em função dos efeitos da pandemia, sendo de -8,5% na Cemig Geração e Transmissão (Cemig GT) e -5,6% na Cemig Distribuição (Cemig D).

Queda de 6% na energia distribuída pela Cemig D no 2T20 x 2T19, refletindo principalmente a queda de 8,0% no mercado cativo. Outro impacto da pandemia foi o aumento de R$ 57 milhões na inadimplência da Cemig D, sendo que o montante provisionado foi de R$ 102 milhões no 2T20.

A Receita Líquida apresentou queda de 15,4% no 2T20 para R$ 5,9 bilhões. Destaque para a redução de 8,3% em relação ao 2T19 dos custos, na linha de PMSO (excluído PDV). O EBITDA manteve-se praticamente estável, com leve queda de 0,2% para R$ 1,8 bilhão. Em base ajustada o EBITDA caiu 11,3% para R$ 941 milhões.


Iochpe-Maxion (MYPK3)
Consolidação de operações nos EUA

A Iochpe-Maxion S.A. informou ao mercado e acionistas a sua decisão de consolidar suas operações de fabricação de rodas de aço na América do Norte de três plantas para duas. Segundo a empresa, a recente desaceleração cíclica do mercado norte americano, juntamente com a constante demanda por maior produtividade, está impulsionando a necessidade de reestruturar a presença da Companhia na América do Norte.

A consolidação inclui o fechamento, até o final do ano, da fábrica de rodas de aço para veículos comerciais da Maxion Wheels em Akron, Ohio, nos Estados Unidos. A produção de rodas de aço permanecerá em San Luis Potosi, no México, e em Sedalia, Estados Unidos.

A empresa registrou um prejuízo expressivo de R$ 352,4 milhões no 2T20 e no acumulado do semestre, a perda foi de R$ 343,2 milhões. O 2T20, foi marcado pela forte queda na receita líquida (56,1% s/ o 2T19) e pela margem bruta negativa de 11,3%

No final de junho o endividamento líquido era de R$ 3,64 bilhões (R$ 2,64 bilhões no 2T19). A alavancagem financeira (endividamento líquido / EBITDA ajustado dos últimos 12 meses) representou 5,8x ao final do 2T20. A empresa comunicou a renegociação, ainda no 2T20, dos covenants financeiros.

A ação MYPK3 encerrou a sexta-feira cotada a R$ 12,58 com queda de 43,8 no ano.

Valor de mercado: R$ 1,92 bilhão.

Cotação/VPA = 0,51x.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.