Ibovespa cai 0,35% na expectativa da agenda desta quarta-feira

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa encerrou a terça-feira com leve queda de 0,35% aos 104.109 pontos, aguardando a agenda econômica de hoje que tem como destaque a reunião do Fomc para a decisão dos juros americanos no meio da tarde e atenção aos resultados corporativos de peso, que nesta reta final de julho. Hoje saem os resultados da Vale e amanhã teremos a Petrobras. A qualidade destes resultados deverá influenciar o índice. Ontem tivemos CSN, Smiles e Minerva, como destaque. O giro financeiro foi de R$ 26,9 bilhões (R$ 24,8 bilhões no à vista). Em Nova York, as bolsas fecharam em queda, de olho nos resultados corporativos e nas negociações sobre um novo pacote de US$ 1 trilhão de estímulos nos EUA. Destaque para o ouro, que encerrou em nível recorde, reflexo do conjunto de incertezas, que inclui o aumento de casos de covid-19 nos EUA e também na Europa e endividamento global que o vírus está gerando e a corrida presidencial nos EUA. Detalhe, historicamente o ouro só chama a atenção em situações mais complicadas. A agenda econômica traz hoje a taxa de inadimplência, empréstimos em aberto e a dívida federal em junho no Brasil. Nos EUA, além do Fomc, saem estoques de varejo e vendas de casas pendentes.

Câmbio
Ontem a moeda americana encerrou o dia cotada a R$ 5,1505 ante R$ 5,1576 no dia anterior, com alta de 0,14%.

Juros
Os juros futuros chegaram a ensaiar uma alta ontem mas no fechamento as taxas ajustaram para baixo. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 1,93%, de 1,928% na segunda-feira e para jan/27 a taxa passou de 6,263% para 6,27%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Direcional (DIRR3)
Divulga sua prévia operacional do 2T20 com os seguintes destaques:

Lançamentos – No 2T20, a Direcional lançou 06 empreendimentos/etapas que totalizaram VGV de R$ 351 milhões (R$ 296 milhões % Direcional), representando crescimento de 151% em relação ao período anterior. No 1S20, os Lançamentos atingiram R$ 491 milhões, queda de 49% em relação ao mesmo período do ano de 2019.

Vendas Contratadas – No 2T20, as vendas líquidas atingiram o marco de R$ 401 milhões, crescimento de 35% em relação ao trimestre anterior e de 19% em relação ao 2T19.

Geração de Caixa – A Direcional encerrou o 2T20 somando R$ 80 milhões em Geração de Caixa, representando 6% de seu do Patrimônio Líquido. No acumulado do ano, a Geração de Caixa totalizou R$ 69 milhões.

A Direcional comunicou ao mercado, em fato relevante, aos seus acionistas e ao mercado em geral que, em razão de condições de mercado, o pedido de cancelamento da oferta pública de distribuição primária de ações ordinárias de emissão da Riva 9 Empreendimentos Imobiliários S.A., controlada da Companhia.

A Direcional atribui a decisão às condições de mercado.

Ontem a ação encerrou cotada a R$ 14,07 com queda de 0,2% no ano. Somente ontem a desvalorização foi de 7,6% com o anuncio do cancelamento do IPO da RIVA 9. É um sinal negativo considerando a proximidade da entrada da ação na Bolsa (prevista para a sexta-feira) e coloca uma ponto de interrogação em relação a outras do setor que estão vindo a mercado.


Lojas Renner (LREN3)
Alteração na data de divulgação do 1S20 para 31 de agosto

A LOJAS RENNER S.A. comunicou aos seus acionistas e ao mercado em geral que, de acordo com a deliberação nº 862 da CVM, alterou a data de Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2020, passando para o dia 31 de agosto de 2020, com teleconferência no dia 01 de setembro de 2020. Portanto, entrará em Período de Silêncio no dia 16 de agosto de 2020.

A ação LREN3 fechou cotada a R$ 40,15 com queda de 28,2% no ano. Temos recomendação de COMPRA para as ações da empresa com preço justo de R$ 45,80, com valorização potencial de 14,1%. No 1T20 o lucro líquido da empresa foi de apenas R$ 10,4 milhões. O 2T20 deverá ser o mais pesado para a empresa.


Smiles Fidelidade (SMLS3)
Prejuízo líquido de R$ 0,4 milhão no 2T20 contra um lucro líquido de R$ 155,7 milhões no 2T19

A Smiles, conforme esperado, teve seus resultados fortemente afetados pela pandemia do coronavírus, mostrando um prejuízo líquido de R$ 0,4 milhão no 2T20, comparado a um lucro de R$ 56,3 milhões no 1T20 e de R$ 155,7 milhões no mesmo período de 2019.

 No acumulado do 1S19 o lucro líquido foi de R$ 55,9 milhões contra 297,6 milhões no 1S19.

Receita Líquida: No 2T20, a receita líquida caiu 67% em comparação ao 1T20, e 79,6% quando comparada ao mesmo período do ano passado. A variação na receita líquida no período é majoritariamente explicada pelos efeitos da covid-19, com restrições impostas ao setor de viagem e turismo.

A empresa decidiu, em caráter excepcional, divulgar seus dados operacionais parciais de julho/20 (não auditados) para mostrar a recuperação de seus negócios nesta fase de mercado.  Houve aumento percentual nas vendas de bilhetes, no faturamento bruto, novos cadastros Smiles e na receita com resgate de milhas.

No 2T20 o EBITDA ficou negativo em R$ 6,2 milhões contra R$ 180,4 milhões positivos no mesmo período de 2019.

Destaque também para o acordo firmado com a Gol recentemente, que tem expectativa positiva para a empresa.

 A ação SMLS3 encerrou ontem cotada a R$ 15,39 queda de 60,5% no ano.


CSN (CSNA3)
Lucro líquido do 2T20 caiu 76,5%

Após o pregão de ontem, a empresa divulgou seu resultado do 2T20 com uma forte redução de vendas e margens em relação ao mesmo período de 2019. Porém, comparado ao 1T20, a recuperação no desempenho do segmento de Mineração, permitiu uma expressiva melhoria do resultado.
• Foram fundamentais para a obtenção de lucro líquido no 2T20, os ganhos financeiros não recorrentes a valorização das ações da Usiminas. Importante citar que a desvalorização do real e a redução da geração de caixa, continuaram determinado a elevação da dívida e da alavancagem;
• O lucro líquido da CSN no 2T20 foi de R$ 446 milhões (R$ 0,32 por ação), 76,5% menor que no 2T19, mas revertendo as elevadas perdas (R$ 1,3 bilhão) do 1T20.


Petrobras Distribuidora (BRDT3)
Aprovação do pagamento de proventos

A Assembleia Geral Ordinária (AGO) da empresa, realizada ontem, aprovou o pagamento de proventos relativos ao exercício de 2019. Com esta aprovação, a Petrobras Distribuidora pagará R$ 583,9 milhões (R$ 0,50115976981 por ação), considerando as posições acionárias de 31 de julho (próxima sexta-feira), sendo que a partir do dia 3/agosto BRDT3 será negociada “ex-dividendo”.
• A empresa manteve a posição acerca do pagamento dos juros sobre o capital próprio já aprovados, no valor de R$ 540,3 milhões (R$ 0,46379246209/ação), cujo deliberação ocorreu em dezembro do ano passado;
• Ainda segundo deliberação da AGO, o pagamento dos dois proventos será realizado até o dia 31 de dezembro de 2020.


Santander Brasil (SANB11)
Lucro gerencial de R$ 2,14 bilhões no 2T20

O Banco Santander (Brasil) registrou no 2T20 um lucro líquido gerencial de R$ 2,14 bilhões com queda de 41% em relação ao lucro líquido de R$ 3,64 bilhões do 2T19, resultado impactado pela constituição de uma provisão adicional extraordinária de R$ 1,76 bilhão no trimestre; pela queda de 11,9% nas receitas de serviços, compensado pelo incremento de 20,2% na Margem Financeira Bruta e estabilidade das Despesas com Pessoal e Outras Administrativas.

O Retorno médio sobre o patrimônio líquido reduziu-se de 22,3% no 1T20 para 12,0% no 2T20. A inadimplência (acima de 90 dias) mostrou queda de 3,0% para 2,4%. Nesta base de comparação o índice de cobertura subiu de 193,7% para 272,1%.

O Conselho de Administração do Santander aprovou, em reunião realizada ontem (28/julho), o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no valor bruto de R$ 770,0 milhões, equivalente a R$ 0,20659646879 por unit. O pagamento será feito com base na posição acionária de 6 de agosto e a partir do dia 7 de agosto de 2020, as ações serão negociadas “ex” juros. O crédito aos acionistas será realizado em 25 de setembro. O retorno líquido estimado é de 0,6%.

Seguimos com recomendação de COMPRA para SANB11 com Preço Justo de R$ 40,00/Unit.


Cielo (CIEL3)
Prejuízo no 2T20 e margens pressionadas por conta dos reflexos da pandemia

A Cielo registrou no 2T20 um prejuízo líquido de R$ 75,2 milhões que se compara ao lucro de R$ 428,5 milhões de igual trimestre do ano anterior, resultado fortemente impactado pelo ambiente da pandemia e as consequências do isolamento social, com restrições de funcionamento do comércio.

Destaque para (i) a redução de 22% no volume financeiro de transações capturado pela companhia, que resultou na queda de 12,5% da Receita Líquida; (ii) por maior evolução dos gastos totais (+11% em 12m); (iii) redução de 27% do resultado de aquisição de recebíveis, aliado (iv) à queda de 29% do resultado financeiro líquido.

A controlada Cateno (joint venture com o BB) que até então vinha apresentando resultados crescentes, reportou no 2T20 queda de 19% de volume, 23% de receitas e 55% de lucro líquido, quando comparado com o 1T20.

De acordo com a companhia, “se continuar a melhora do consumo no varejo brasileiro, a tendência é que os próximos trimestres sejam mais positivos” tanto na Cielo Brasil quanto na Cateno. Ressaltamos contudo que o ambiente permanece desafiador, “um ano de perdas de acordo com a companhia” com reflexo direto na precificação da ação da companhia, que fechou ontem (28/julho) a R$ 5,12/ação (valor de mercado de R$ 13,9 bilhões) e queda de 38,6% este ano.

Ao final de junho a Cielo tinha um total de disponibilidades de R$ 7,14 bilhões para um total de empréstimos e financiamentos de R$ 10,77 bilhões, resultando numa alavancagem líquida de 1,21x o EBITDA ajustado à aquisição de recebíveis, abaixo de 1,62x no 1T20 e 1,55x no 2T19. Esta queda na alavancagem é explicada, principalmente, pela maior concentração de caixa e forte redução da dívida bruta.


Minerva (BEEF3)
Lucro líquido de R$ 253 milhões no 2T20 reverte prejuízo de R$ 113 milhões no 2T19

A Minerva registrou no 2T20 um lucro líquido de R$ 253,4 milhões que se compara ao prejuízo de R$ 113,3 milhões de igual trimestre do ano anterior, um resultado construído a partir do crescimento de 9,3% da Receita Líquida (em base anual) que somou R$ 4,4 bilhões, sendo que o aumento de 47,1% nos preços médios (potencializados pela alta do dólar), compensaram a queda de 25,7% no volume total de venda. Com esse resultado o lucro líquido do 1º semestre de 2020 somou R$ 524,6 milhões.

As perspectivas para 2020 continuam positivas devido a forte demanda internacional, persistência da Peste Suína Africana e os problemas na oferta de outros exportadores de carne bovina (como Austrália, Índia e Estados Unidos) e que devem beneficiar diretamente os players da América do Sul e principalmente a Minerva que permanece apta para aproveitar as oportunidades que já estão sendo criadas.

A Receita Líquida da Minerva alcançou R$ 4,4 bilhões no 2T20, com crescimento de 9,3% na comparação com o 2T19. No primeiro semestre, a receita líquida totalizou R$ 8,6 bilhões, enquanto no acumulado dos últimos doze meses encerrados em junho de 2020, a Receita Líquida alcançou R$ 18,0 bilhões.

O EBITDA do 2T20 foi o maior já registrado pela companhia em um segundo trimestre, atingindo R$ 590,2 milhões, crescimento de 62% na base anual, com margem EBITDA recorde de 13,4% (+4,4pp ante o 2T19). No LTM2T20, o EBITDA alcançou R$ 2,03 bilhões, com margem de 11,3%, um aumento de 1,7pp na base anual.

Ao final do 2T20 a dívida líquida companhia era de R$ 5,4 bilhões, equivalente a 2,6x o EBITDA. A posição de caixa da Minerva era de R$ 6,8 bilhões, suficiente para atender ao cronograma de amortização das dívidas até 2026. Em dólares norte-americanos, a alavancagem líquida encerrou o 2T20 em 2,2x. Ao final do trimestre, 77% da dívida bruta estava atrelada ao dólar. Em linha com a política de hedge, a companhia mantém hedgeada no mínimo 50% da exposição cambial de longo prazo.


IRB-Brasil Resseguros S.A. (IRBR3)
Prorrogação da data de publicação do 2T20 para 28 de agosto

Com base na Deliberação CVM 862, de 23/07/2020, a qual prorroga, em 15 dias, o prazo para as companhias abertas, para apresentarem o ITR referente ao período findo em 30/06/2020, a companhia atualizou, seu Calendário Anual de Eventos Corporativos.

A data de divulgação das Informações Trimestrais – ITR referentes ao 2º trimestre será realizada no dia 28 de agosto de 2020 (após o fechamento do pregão) e a data da Teleconferência para Divulgação dos Resultados referentes ao 2º trimestre será no dia 31 de agosto de 2020.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.