Ibovespa recua 0,61% em dia de volatilidade nos mercados

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa abriu em alta, mas as notícias durante o dia acabaram pesando, levando o índice a uma queda de 0,61% no fechamento, aos 99.160 pontos, com giro financeiro de R$ 26,7 bilhões (R$ 24,1 bilhões no à vista). As atenções se voltam aos poucos para a pauta política, que deverá ocupar mais espaço e poderá influenciar os mercados nas próximas semanas. Alguns pontos colocados pelo ministro Paulo Guedes, enfrentam resistência, como criação de novo imposto e tributação de dividendos. A questão dos juros sobre cartões já foi empurrada para frente. O governo terá que buscar compensações para o rombo da Covid-19.

No exterior, a cada dia um recorde de contaminações nos Estados Unidos e grande número de mortos, o que levou alguns estados a reconsiderar a retomada das atividades. Outro ponto de atenção é o início de mais uma discussão entre China e Estados Unidos desta vez no campo militar. Hoje a agenda econômica traz dados da economia chinesa, (oferta monetária). No Brasil o IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo veio com alta de 0,40%. Saiu também a 1ª prévia do IGP-M de junho mostrando alta de 1,18% (acima da expectativa média de 1,02%) e ainda nesta manhã, a inflação medida pelo IPCA. Nos EUA saem os índices de preços ao produtor para diversos setores da economia e uma pesquisa Bloomberg com perspectivas para a economia americana para julho. Este relatório é importante e pode dar rumo aos mercados hoje, somado ao segundo surto de coronavirus no mundo. Hoje as bolsas mostram queda no fechamento da Ásia e movimento misto na zona do euro, nesta manhã. Ontem, nas bolsas de NY somente a Nasdaq sustentou alta. O petróleo opera em queda hoje. Temos mais notícias negativas pesando nesta sexta-feira.

Câmbio
A moeda americana mostrou volatilidade ontem e no final valorizou 0,09% ontem, de R$ 5,3396 para R$ 5,3444. O mercado segue atento à rapidez da disseminação do coronavirus no exterior.

Juros
Ontem a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 fechou em 2,120%, de 2,125% na quarta-feira e a do DI para jan/27 caiu de 6,483% para 6,43%. Em dia de pressão em outros ativos, o mercado de juros teve um comportamento moderado.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

CVC (CVCB3)
Aumento de capital com emissão de 23,5 milhões de ações

Em reunião realizada ontem 910/07), o conselho de administração da CVC Brasil aprovou o aumento do capital social em um valor entre R$ 200 milhões e R$ 301,740 milhões, com a emissão de até 23.500.000 ações ordinárias.

  • O preço da ação na subscrição é de R$ 12,84, 33,5% abaixo do fechamento de ontem, de R$ 19,30.

Os recursos obtidos com a operação, acrescente a CVC, serão destinados ao fortalecimento de caixa e à preparação para um cenário de curto prazo ainda marcado por grande volatilidade e incerteza em razão da pandemia de covid-19.


Banco Inter S.A. (BIDI11)
Prévia dos resultados operacionais do 2T20

O Banco Inter divulgou a prévia dos resultados operacionais referentes ao 2T20. Estas informações são preliminares, não auditadas e sujeitas a revisão.

O Banco chegou a 5,9 milhões de correntistas no 2T20, crescimento de 132% em relação ao 2T19, sendo que em 8 de julho de 2020, atingiu 6 milhões de correntistas. Destaque para o aumento do Cross Selling Index (CSI) que atingiu 2,75 produtos no 2T20, frente a 2,66 no 2T19.

O banco alcançou 762 mil clientes ativos na Plataforma Aberta Inter (PAI) no 2T20, chegando a 13% da sua base de clientes e crescimento anual de 179%. Foram R$ 3,0 bilhões de volume transacionado em cartões no 2T20, um crescimento de 83,7% em relação ao 2T19.

Nas operações de seguros, atingiu 113 mil clientes segurados pela Inter Seguros, sendo realizadas 48,3 mil vendas de seguros e consórcios, crescimento de anual de 672%.

Ao final do 2T20 atingiu mais de 3,1 milhões de clientes com saldo em conta no 2T20, com saldo médio de R$ 1.172,00, ultrapassando 161 milhões de acessos no App no 2T20.

Aquisição de participação acionária relevante. O banco comunicou que a Ponta Sul Investimentos Ltda., passou a deter direta e indiretamente, de forma agregada, 68.363.160 ações preferenciais, correspondente a aproximadamente 20,04% do total de ações preferenciais. O foco desta participação é estritamente de investimento, não objetivando alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa do banco.


Petrobras (PETR4)
Evolução de dois processos de desinvestimentos

Após o pregão de ontem, a empresa divulgou duas informações importantes, versando sobre a venda de refinarias e acerca da finalização da negociação de pequenos campos em águas rasas.

· No primeiro comunicado, a Petrobras confirmou informações dadas pela imprensa de que o fundo Mubadala Investment Company apresentou a melhor proposta da fase vinculante para aquisição da Refinaria Landulpho Alves (RLAM). Com isso, o fundo agora foi convidado para início das negociações, ainda sem prazo de finalização;

· No segundo comunicado, a empresa informou sobre a assinatura do contrato para a venda do Polo Pescada para uma subsidiária integral da Ouro Preto Óleo e Gás S/A. O valor da transação é de US$ 1,5 milhão.


Ambipar (AMBP3)
Oferta inicial de ações movimenta R$ 1,27 bilhão ao preço de R$ 24,74 por ação. R$ 1,08 bilhão vão para o caixa da companhia

Ramo de Atividade:  A Ambipar presta serviços ambientais para diversos clientes privados na América Latina. Não obstante, também está presente em mais de 15 países por meio de mais de 150 bases operacionais, atuando nas áreas de:

•         Soluções completas em gestão e valorização de resíduos, com apoio de um centro de PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) (“Environment”); e

•        Prevenção, treinamento e atendimento emergencial a acidentes com produtos químicos e poluentes (“Response”).

Os recursos líquidos provenientes da Oferta Primária serão destinados para:

•        renegociar e/ou antecipar pagamentos de contratos de empréstimo/financiamento com custo de captação elevado;

•        investir na expansão orgânica, por meio da construção de novas bases operacionais e escritórios comerciais; e

•        aquisições de sociedades, no Brasil e no Exterior, que atuam nos segmentos Environment e/ou Response.

A estreia na B3 na próxima segunda-feira, dia 13 e a companhia chega com um valor de mercado de R$ 2,8 bilhões.


EDP Energias do Brasil (ENBR3)
O volume de energia distribuída caiu 11,6% no 2T20

A EDP divulgou ontem (9/julho) suas informações referentes ao mercado de energia elétrica do 2T20 dos segmentos de atuação da companhia, na comparação com igual trimestre de 2019.

Conforme esperado, no segmento de distribuição, o consumo de energia caiu 11,6% no 3T20 em relação ao 2T19 para 5,7 milhões de MWh. No acumulado do primeiro semestre, a queda foi de 8,3% para 11,9 milhões de MWh. Já o número de clientes cresceu 2% em base anual chegando ao final de junho a 3,54 milhões.

No trimestre, o ritmo de queda no volume de energia distribuída foi maior na EDP São Paulo, com recuo de 12,1%. Já a EDP Espírito Santo, registrou queda de 10,7%. Em base semestral a EDP São Paulo mostrou queda de 6,5% enquanto na EDP Espírito Santo o total de energia distribuída caiu 11,0%.

Os mercados, livre e cativo, tiveram quedas parecidas no segundo trimestre, de 12% e 11,2%, respectivamente. No semestre, os recuos foram de 7,6% no mercado livre e de 8,9% no cativo. Em relação ao número de clientes, o segmento livre teve aumento de 28%, enquanto no cativo, a alta foi de 2%.


Enauta (ENAT3)
Redução da produção no 2T20

A empresa informou, na noite de ontem, sua produção no 2T20 com forte queda em Manati, mas aumento em Atlanta.

· A produção total somou 1,44 milhão de barris equivalentes de petróleo (boe) nos dois campos operados (Manati e Atlanta), equivalente a 15,8 mil boe. Este volume foi 7,6% menor que no 4T19;

· Este número é um indicador negativo para os resultados da empresa no 2T20, que deverá ser divulgado após o pregão do dia 5 de agosto.


Braskem (BRKM5)
Gastos com o acidente geológico de Maceió

Minutos antes do início do pregão de ontem, a empresa informou que deverá gastar R$ 1,6 bilhão com a realocação de moradores afetados pelo acidente geológico em Maceió.

· A Braskem recebeu a informação de vários órgãos da justiça federal e do estado de Alagoas, dando conta do número de imóveis (1.918), que deverão ser desocupados, com os moradores sendo realocados. Para isso, a empresa estima gastos de R$ 750 milhões;

· Para encerrar definitivamente as atividades de extração de sal em Maceió e em outros itens, a Braskem vai gastar outros R$ 850 milhões;

· Esta notícia foi negativa e já se refletiu na ação, que caiu 7,0% no pregão de ontem


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.