Bolsa cai 1,13% com piora do cenário político e pode pesar novamente

MERCADO


Bolsa
A bolsa voltou a sentir com a piora do cenário político, desta vez mais tenso, entre governo federal e o Supremo Tribunal Federal, pela ação de fake news. Além disso, o ambiente externo segue preocupando investidores, com o presidente Trump prometendo um pronunciamento a respeito do embate com a China, sobre a pressão em torno de Hong Kong e ainda a disseminação da pandemia. Com isso, o Ibovespa cedeu 1,13% aos 86.949 pontos, com giro financeiro de R$ 24,0 bilhões (R$ 21,6 bilhões no à vista). As bolsas americanas também cederam, aguardando a fala do presidente Trump marcada para hoje. O nervosismo puxou o dólar para cima, após seguidas sessões de baixa. Hoje a agenda econômica vem carregada de dados com destaque para a divulgação do PIB brasileiro do 1T20. Temos ainda uma serie de dados da zona do erro e dos Estados Unidos. Contudo, o que deve pesar neste último pregão de maio são os problemas políticos que aumentaram a temperatura ontem em Brasília e a expectativa dos desdobramentos da crise política entre EUA e China. Este ambiente só serve para aumentara insegurança dos investidores, com as bolsas internacionais já no vermelho nesta manhã. Por aqui não deverá ser diferente.

Câmbio
A tensão nos mercados levou a moeda americana para cima novamente com alta de 2,57% de R$ 5,2739 para R$ 5,4094.

Juros
Os juros futuros tiveram um dia de pouca movimentação nas taxas com o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 passando de 3,221% para 3,19% e na ponta mais longa (jan/27) a taxa ficou em 6,932%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

MRV Engenharia (MRVE3)
Lucro líquido do 1T20 soma R$ 115 milhões, queda de 39,1% sobre o 1T19

A companhia registrou queda de 39,1% no lucro líquido do 1T20 e 24,9% no EBITDA, somando R$ 115 milhões e R$ 225 milhões, respectivamente. O desempenho operacional da MRV foi satisfatório no período.

  • Os lançamentos da Companhia, no 1T20, apresentaram uma redução de 1,0% no comparativo com o 1T19 e de 54,3% frente ao 4T19.
  • Maior volume de vendas líquidas da história da Companhia, totalizando R$ 1,67 bilhão e 10.493 unidades, um acréscimo de 27,9% frente ao 1T19 e de 21,1% no comparativo com o 4T19;
  • Menor volume de distratos para um 1º trimestre na história da Companhia, redução de 27,8% e 55,6% em relação ao 1T19 e 1T18 respectivamente;
  • A receita operacional liquida somou R$ 1,5 bilhão no trimestre, crescimento de 5,6% no comparativo com o 4T19 e em linha com o 1T19. O alto volume de vendas líquidas no 1T20 foi suficiente para compensar a produção mais baixa no período e sustentar o incremento na receita. A margem bruta caiu de 32,0% para 28,2% no 1T20.

Ontem a ação MRVE3 encerrou cotada a R$ 15,75 com queda de 26,9% no ano.


Cia. Hering (HGTX3)
Lucro líquido do 1T20 fica em R$ 5,0 milhões, queda de 89,2% sobre o 1T19

A Cia. Hering encerrou o 1T20 com lucro líquido de R$ 5,0 milhões, reflexo da redução no resultado operacional e do menor resultado financeiro líquido, impactado basicamente pelos juros recebidos e renegociados. A margem líquida ficou em 1,9% ante 12,5% no 1T19.

A receita bruta do trimestre da Cia. Hering atingiu R$ 323,6 milhões, 26,1% inferior ao 1T19, devido em grande parte a paralisação das operações na segunda quinzena do mês de março, período em que se concentra a maior parcela do faturamento do mês. As receitas dos canais de franquias e multimarcas também foram impactadas pelo cancelamento de parte da coleção de inverno, que representa aproximadamente 40% do primeiro trimestre e seria faturada ao longo desse período. O impacto da suspensão das vendas também refletiu no decréscimo de 22,2% do SSS3 no período.

Do lado positivo, a Companhia encerrou o trimestre com um caixa líquido de R$ 365,2 milhões. Para reforçar sua posição financeira, no final de março, a Companhia captou um empréstimo financeiro, no montante total de R$ 120,1 milhões com R$ 485,3 milhões em caixa. Adicionalmente, a Companhia captou R$ 80 milhões no mês de abril.  No 1T20 a Cia. Hering gerou R$ 26,0 milhões de caixa livre, R$ 46,1 milhões abaixo do 1T19, principalmente em função do menor resultado operacional (EBITDA).

A ação HGTX3 encerrou ontem cotada a R$ 13,38 acumulando queda de 60,7% no ano.


Eletrobras (ELET3, ELET6)
Lucro líquido no 1T20 de R$ 307 milhões, 77% abaixo do 1T19

A Eletrobras registrou no 1T20 um lucro líquido de R$ 307 milhões, 77% inferior aos R$ 1.347 milhões do 1T19, impactado, principalmente, pela variação cambial negativa de R$ 665 milhões e a remensuração do valor justo da receita de RBSE, com redução de R$ 411 milhões nessa linha. A Receita Operacional Líquida cresceu 8% entre os trimestres comparáveis para R$ 6.956 milhões no 1T20; e o EBITDA em IFRS caiu 5% para R$ 2.803 milhões.

Em base recorrente o lucro do 1T20 somou R$ 981 milhões e se compara a R$ 1.640 milhões de igual trimestre de 2019. A Receita Operacional Líquida recorrente cresceu 9% para R$ 6.947 milhões no 1T20. O EBITDA recorrente cresceu 4% alcançando R$ 3.205 milhões no 1T20.

Ao final do trimestre a dívida líquida recorrente era de R$ 21,0 bilhões equivalente a 1,6x o EBITDA recorrente dos últimos 12 meses. Os investimentos foram reduzidos em 28% entre os trimestres e somaram R$ 501 milhões no 1T20.


Ecorodovias (ECOR3)
Tráfego comparável caiu 27,2% após o início da quarentena

A empresa divulgou ontem, dados gerenciais de tráfego no acumulado do ano e entre os dias 16/março a 26/maio (após o início da quarentena).  Estes números mostram a forte diminuição no tráfego nas estradas administradas pela Ecorodovias, em função das medidas de distanciamento social determinadas pelos governos para combater o surto do Coronavírus.

•       Entre 16/março a 26/maio (início da quarentena até a última terça-feira), em relação a um período similar de 2019 (18/3 a 28/5), o tráfego total comparável (sem Eco135 e Eco050) caiu 27,2%.  Na mesma base, o tráfego acumulado deste ano caiu 12,7% em relação ao mesmo período de 2019;

•       É importante destacar que na semana anterior, o tráfego total comparável (sem Eco135 e Eco050), havia caído 27,6% após o início da quarentena e no acumulado do ano a queda era de 12,1%;

•       No 1T20, o tráfego total nas nove rodovias controladas pela Ecorodovias cresceu 6,6%.  A empresa vai divulgar seu resultado do 1T20 no dia 29 de junho.


Braskem (BRKM5)
Redução no uso da capacidade industrial e outras medidas para enfrentar a crise

Na noite de ontem, a empresa informou acerca da redução do uso de suas plantas e de outras medidas importantes para minorar os problemas derivados da pandemia de Covid-19.

· A Braskem informou que a taxa de utilização das unidades industriais no Brasil e Estados Unidos foi reduzida, para se adequar à queda na demanda. Estas taxas vão acompanhar os futuros movimentos do mercado, buscando oportunidades de exportações principalmente para a Ásia;

· Foram tomadas outras medidas para proteger o caixa, como: Tomada de US$ 1 bilhão de uma linha de crédito rotativo, redução das despesas fixas em 10%, diminuição na expectativa de investimentos deste ano de US$ 721 milhões para US$ 600 milhões (-16,8%) e postergação do recolhimento de contribuições sociais no Brasil;

· Estas medidas são difíceis, mas totalmente apropriadas neste momento de crise.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.