Ibovespa cai 0,48% com novas preocupações do lado politico

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa teve mais uma de sobe e desce de olho nos acontecimentos em Brasília.  O começo positivo foi interrompido pelas incertezas no lado político e o índice recuou 0,48%, aos 78.684 pontos no fechamento, aliviado pela alta das exportadoras, com destaque para Klabin e Suzano, Vale e siderúrgicas, além de Petrobras. A sexta-feira tem agenda econômica carregada com dados da inflação de abril no Brasil. O IGP-DI com alta de 0,05% M/M. O IPCA sai ainda nesta manhã. Nos EUA, saem os dados do payroll que devem refletir acentuadamente a crise da pandemia cujas expectativa é bastante negativa. Hoje as bolsas internacionais mostram alta generalizada na zona do euro nesta manhã e no fechamento da Ásia. O dia é de alta também no mercado de petróleo, (WTI e Brent). Do nosso lado, a decisão do governo de barrar a liberação de reajustes salariais para algumas categorias de servidões pode ter impacto no humor do mercado.

Câmbio
O dólar deu mais uma arrancada ontem, de R$ 5,7158 para R$ 5,8357, contribuindo para o bom desempenho de ações de exportadoras.

Juros
A redução mais forte na taxa Selic foi o suficiente para mais um recuo acentuado nos juros futuros na ponta mais curta, com o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 caindo de 2,745% para 2,545% ontem e o DI para jan27 subindo de 7,350% para 7,570%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Lojas Americanas (LAME4)
Prejuízo líquido de R$ 49,2 milhões no 1T20

A empresa registou um crescimento expressivo nas suas contas da plataforma digital, com evolução de 32,3% na receita liquida (R$ 1,70 bilhão) e 53,3% no EBITDA somando R$ 127,6 milhões.

Pesou sobre o resultado final o forte aumento nas despesas comerciais e administrativas, de 17,7% e 12,0% respectivamente em relação ao 1T20. Além disso a despesa financeira aumentou em 18,0% no mesmo período somando R$ 315,6 milhões no 1T20.

A ação LAME4 encerrou ontem cotada a R$ 26,80 com alta de 3,5% no ano.


Qualicorp (QUAL3)
Lucro líquido cai 27,1% para R$ 70,7 milhões, reflexo de efeitos não recorrentes

A companhia encerrou o 1T20 com redução de 27,1% no resultado líquido, de R$ 96,9 milhões no 1T19 para R$ 70,7 milhões no 1T20.  A queda foi decorrente do menor resultado operacional.

Os gastos operacionais consolidados aumentaram 22,9% no comparativo trimestral refletindo dois impactos não recorrentes nas despesas administrativas:

  • A rescisão de executivo no montante de R$ 42,4 milhões e
  • Gastos de R$ 11 milhões relacionados ao projeto QSaúde, cuja venda só foi efetivada no 2T20.
  • Além disso, deve-se pontuar o incremento em despesas comerciais, resultado do aumento da amortização de comissões e premiações por vendas.

 Ontem a ação encerrou cotada a R$ 23,55 com queda d 26,5% no ano.


Natura&Co (NTCO3)
Aprovação de aumento de capital de até R$ 2,0 bilhões

O conselho de administração da Natura &CO aprovou um plano de aumento de capital de, no mínimo, R$ 1 bilhão e, no máximo, R$ 2 bilhões, com emissão de no mínimo 31.250.000 ações ordinárias e no máximo 62.500.000 ao preço de R$ 32 por ação.

Ontem a ação encerrou cotada a R$ 36,45 com queda de 5,7% no ano.

O prazo para exercício do direito de preferência para subscrição, conforme comunicado ao mercado, será entre 13 de maio e 12 de junho (inclusive).

Os recursos obtidos com a operação, segundo a companhia, serão destinados ao fortalecimento da estrutura de capital, melhora de sua posição de caixa, redução da alavancagem financeira consolidada, além de fins corporativos gerais.


Ecorodovias (ECOR)
Tráfego comparável já caiu 11,1% em 2020

A empresa divulgou ontem dados gerenciais de tráfego no acumulado do ano e entre os dias 16/março a 5/maio (após o início da quarentena). Estes números mostram a forte diminuição no tráfego nas estradas pedagiadas, em função das medidas de distanciamento social determinadas pelos governos para combater o surto do Coronavírus.

Entre 16/março a 5/maio (última terça-feira), em relação a um período similar de 2019 (18/3 a 7/maio), o tráfego total comparável (sem Eco135 e Eco050) caiu 29,1%. Na mesma base, o tráfego acumulado deste ano caiu 11,1% em relação ao mesmo período de 2019.

Vale destacar que na semana anterior, o tráfego total comparável havia caído 29,9% após o início da quarentena e no acumulado do ano a queda era de 10,4%.

Por dados já divulgados, sabemos que o tráfego da Ecorodovias no 1T20 não teve redução, o que vai ocorrer no 2T20. A empresa vai divulgar seu resultado do 1T20 no dia 29 de junho.

Nos últimos doze meses, as ações da Ecorodovias subiram 17,9%, enquanto o Ibovespa caiu 17,2% no período. No fechamento do último pregão, ECOR3 estava cotada 49,2% abaixo da máxima alcançada em 2020 e 21,8% acima da mínima.
A empresa divulgou ontem dados gerenciais de tráfego no acumulado do ano e entre os dias 16/março a 5/maio (após o início da quarentena). Estes números mostram a forte diminuição no tráfego nas estradas pedagiadas, em função das medidas de distanciamento social determinadas pelos governos para combater o surto do Coronavírus.

  • Entre 16/março a 5/maio (última terça-feira), em relação a um período similar de 2019 (18/3 a 7/maio), o tráfego total comparável (sem Eco135 e Eco050) caiu 29,1%. Na mesma base, o tráfego acumulado deste ano caiu 11,1% em relação ao mesmo período de 2019;
  • Por dados já divulgados, sabemos que o tráfego da Ecorodovias no 1T20 não teve redução, o que vai ocorrer no 2T20. A empresa vai divulgar seu resultado do 1T20 no dia 29 de junho

Petrobras (PETR4)
Revisão da perspectiva da nota de crédito para negativa

A empresa informou ontem, após o pregão, que a agência de classificação de risco Fitch Ratings alterou a perspectiva da sua nota de crédito global de estável para negativa, porém, manteve o rating da dívida corporativa em “BB-“.

A alteração na perspectiva da nota de crédito da Petrobras, foi a mesma mudança feita por esta agência para a dívida do Brasil. A agência alegou para isso as incertezas derivadas da pandemia de Covid-19.

Esta é uma notícia negativa, mas esperada neste contexto de crise. É importante lembrar que a Petrobras, ainda em março, captou linhas de crédito rotativo no valor próximo de R$ 45 bilhões para reforçar seu caixa. Isso foi muito importante, principalmente agora que se sabe do nível de “queima de caixa” que a empresa está enfrentando. Em entrevistas ao jornal Valor, a diretora financeira da empresa informou que a Petrobras está “queimando” R$ 1 bilhão de caixa por mês.

Ao final de 2019, a Petrobras tinha um caixa de R$ 33,3 bilhões e dívidas de R$ 18,0 bilhões (sem arrendamentos) vencíveis no curto prazo.

Nossa recomendação para PETR4 é de Compra com Preço Justo de R$ 26,00 (potencial de alta em 49%). Em 2020, esta ação caiu 47,2%, mais que o Ibovespa, cuja queda foi de 32,5%. A cotação de PETR4 no último pregão (R$ 17,44) estava 44,2% abaixo da máxima alcançada em 2020 e 60,7% acima da mínima.
A empresa informou ontem, após o pregão, que a agência de classificação de risco Fitch Ratings alterou a perspectiva da sua nota de crédito global de estável para negativa, porém, manteve o rating da dívida corporativa em “BB-“.

  • A alteração na perspectiva da nota de crédito da Petrobras, foi a mesma mudança feita por esta agência para a dívida do Brasil. A agência alegou para isso as incertezas derivadas da pandemia de Covid-19;
  • Esta é uma notícia negativa, mas esperada neste contexto de crise. É importante lembrar que a Petrobras, ainda em março, captou linhas de crédito rotativo no valor próximo de R$ 45 bilhões para reforçar seu caixa.

Sanepar (SAPR11)
Lucro Líquido de R$ 256 milhões no 1T20 com crescimento de 18% ante o 1T19 

A Sanepar registrou no 1T20 um lucro líquido de R$ 256 milhões, com alta de 18% em relação ao lucro de R$ 218 milhões de igual trimestre do ano anterior, um resultado construído a partir do crescimento de 13% da Receita Líquida, e do incremento de 15% do resultado operacional medido pelo EBITDA, compensando a piora do resultado  financeiro líquido entre os trimestres.

A Receita Operacional Líquida registrou crescimento de 13,4% no trimestre (em base de 12 meses) para R$ 1,25 bilhão, sendo +1,2% em volume e +12,1% em tarifa – em função do Reajuste Tarifário Anual de 8,37%, que começou a vigorar em 24/05/2019, do Reestabelecimento do Reajuste Tarifário Anual no percentual de 3,76%, a partir de 11/11/2019.

No 1T20 o EBITDA somou R$ 520,9 milhões e se compara a R$ 452,6 milhões do 1T19.  A margem EBITDA passou de 41,2% para 41,8% entre os trimestres comparáveis e refletiu o acréscimo da receita (+13,4%) e o menor incremento proporcional dos custos e despesas que aumentaram 11,5% na mesma base de comparação.

Ao final de mar/20 a dívida líquida da companhia era de R$ 2,7 bilhões e se compara a R$ 2,8 bilhões em dez/19. O índice de alavancagem, medido pela relação “Dívida Líquida/EBITDA” que era de 1,4x no 4T19 reduziu-se a 1,3x ao final do 1T20, refletindo o incremento da geração operacional de caixa.


Wiz S.A. (WIZS3)
Lucro líquido de R$ 51,0 milhões no 1T20

A companhia registrou no 1T20 um lucro líquido de R$ 51,0 milhões, em linha com o lucro do trimestre anterior e queda de 9,9% em relação ao lucro de R$ 56,6 milhões do 1T19. Em base de doze meses o resultado refletiu (i) o crescimento de 10,0% da Receita Bruta; o (ii) menor resultado operacional com queda de 10,7% do EBITDA dado a redução de R$ 16,0 milhões na linha de Outras receitas e despesas operacionais.

O EBITDA registrou queda de 10,7% para R$ 87,8 milhões com margem EBITDA de 51,8% (-12,0pp) impactado pela linha de Outras Receitas/Despesas Operacionais, que caíram de uma receita de R$ 12,7 milhões no 1T19 para despesa de R$ 3,3 milhões no 1T20.

Em base ajustada o lucro líquido do trimestre eleva-se a R$ 56,2 milhões e se compara ao lucro ajustado de R$ 55,2 milhões, equivalente a um crescimento de 1,9%.


Light (LIGT3)
Lucro líquido de R$ 167 milhões no 1T20 em linha com o 1T19

A Light registrou no 1T20 um lucro líquido de R$ 167 milhões, em linha com o lucro líquido de R$ 164 milhões do 1T19. Destaque para a redução de perda de energia, a melhora de resultado na Distribuidora e o de 35% da geração crescimento líquida de caixa operacional entre os trimestres.

No 1T20 o EBITDA consolidado somou R$ 466 milhões e queda de 19% em relação ao 1T19, refletindo principalmente, os resultados da Geradora em função do GSF, que resultou em menor venda de energia excedente no trimestre. Já o EBITDA da Light SESA, cresceu 4,3% em 12 meses, com destaque para a queda nas perdas de energia.

A Distribuidora reverteu o prejuízo de R$ 25 milhões do 1T19 e reportou um lucro líquido de R$ 62 milhões no 1T20 explicado pelo resultado financeiro no período decorrente do ganho com a marcação a mercado das operações de swap de dívida.

Ao final de março e 020 a dívida líquida da companhia era de R$ 6,7 bilhões (3,06x o EBITDA) e se compara a alavancagem de 2,98x no 4T19, (abaixo do limite de 3,75x), estabelecido como covenant na maioria dos contratos de dívida. O caixa consolidado fechou o trimestre em R$ 1,5 bilhão, frente a um vencimento de dívida de R$ 1,2 bilhão em 2020.


SLC Agrícola S.A. (SLCE3)
Ações ex dividendos a partir de hoje, 8/maio

O conselho de administração aprovou o pagamento em 14 de maio de R$ 73,7 milhões em dividendos, correspondentes a 25% do lucro líquido ajustado da companhia, respectivo ao exercício de 2019, sendo R$0,39398586 por ação ordinária, excluídas as ações em tesouraria.

A partir de hoje, 08 de maio de 2020, as ações da companhia serão negociadas no mercado “ex-dividendos”. Com base na cotação de R$ 25,95/ação o retorno é de 1,5%.


Se preferir, baixe em PDF:

Ibovespa cai 0,48% com novas preocupações do lado politico

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.