Ibovespa abre a semana com alta de 1,49%.

MERCADO


Bolsa
A Ibovespa oscilou para os dois lados durante o pregão de ontem, mas mostrou força na reta final, encerrando a segunda-feira com alta de 1,49% aos 78.836 pontos e giro financeiro de R$ 17,8 bilhões. No mês a alta é de 7,97%, mesmo com todo a tensão dominante no mercado. Hoje a agenda econômica traz o Índice de Atividade (IBC-Br) de março, no Brasil. Nos EUA, destaque para o início da safra de resultados do 1T20 e apresentação do Panorama Econômico Mundial pelo FMI. As bolsas internacionais retomam hoje após o feriado prolongado de Páscoa. Ontem a Câmara dos Deputados aprovou por 431 a 70, o projeto de socorro emergencial aos Estados e municípios, por meio da recomposição pela União da queda da arrecadação do ICMS e do ISS por seis meses entre maio e outubro. Haverá também a suspensão dos pagamentos de empréstimos do BNDES e CEF, se o texto for aprovado no Senado. Com muitas notícias, o mercado pode ter um dia de volatilidade.

Câmbio
 Ontem a moeda americana subiu após quatro quedas seguidas, com aversão externa provocada pela apreensão dos investidores com a temporada de balanços nos EUA sob o efeito da pandemia. Ao final o dólar à vista registrou alta de 1,76% a R$ 5,199.

Juros
Com um ambiente mais ameno, o dia foi de recuo do dólar e também nas taxas de juros futuros. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 caiu de 3,147% na quinta-feira para 3,100% e para jan/27 a taxa passou de 7,452% para 7,40%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

AES Tietê Energia S.A. (TIET11)
Atualização sobre Proposta de combinação de negócios com a Eneva

A AES Tietê informou que em relação à oferta hostil recebida da Eneva S.A. (ENEV3) no dia 01 de março, recebeu ontem (13/abril) após reiteradas solicitações, um conjunto de minutas de documentos preparados pela Eneva.

Ademais, em referida comunicação e em fato relevante publicado também na mesma data, a Eneva oferece à companhia a possibilidade de prorrogação do prazo de análise da Proposta pelo Conselho de Administração, devendo para isso a companhia se manifestar até o próximo dia 21 de abril.

Desta forma, a AES Tietê levará os documentos à análise do seu Conselho de Administração e de seus respectivos assessores contratados e que se manifestará a respeito de seu conteúdo, bem com sobre a oferta para a prorrogação do prazo da Proposta, até a data assinalada pela Eneva para tanto.


Eneva S.A. (ENEV3)
Proposta de combinação de Negócios com a AES Tietê

A respeito da potencial combinação de negócios com a AES Tietê Energia S.A. (TIET11) a Eneva publicou ontem (13/abril) Fato Relevante. Reiterando que as administrações de ambas as companhias, em conjunto com seus assessores, vêm realizando reuniões para tratar de todos os aspectos da Operação.

A AES Tietê já tem conhecimento, em detalhe, dos termos propostos para a Operação, inclusive quanto à estrutura para sua implementação que compreenderia (i) a incorporação da AES Tietê, a valor contábil, por uma subsidiária integral da Eneva (“Holding”), com a emissão de ações ordinárias e preferenciais resgatáveis, (ii) seguida do resgate compulsório das ações preferenciais da Holding mediante o pagamento de R$ 1,3784 por ação, no valor total aproximado de R$ 2,75 bilhões, e (iii) incorporação da Holding pela Eneva, também a valor contábil, com a emissão de 91.994.693 novas ações ordinárias da Eneva a serem entregues na proporção de 0,0461003208 novas ações ordinárias de emissão da Eneva para cada 1 ação ordinária de emissão da Holding.

A estrutura desta proposta, possui claras vantagens em comparação com outras possíveis estruturas, sendo que, além dos benefícios da Operação, a estrutura proposta permitirá sinergias operacionais e fiscais com efeitos vantajosos aos acionistas das companhias, o que se confirma no relatório econômico-financeiro sobre sinergias da Combinação de Negócios elaborado pela Tendências Consultoria Integrada enviado a AES Tietê.


ISA CTEEP (TRPL4)
Pagamento de JCP de R$ 150,3 milhões ou R$ 0,2281/ação. “Ex” em 17/04

O Conselho de Administração da companhia decidiu ontem (13/abril) que pagará em 29 de abril, juros sobre o capital próprio (JCP) no valor total bruto de R$ 150,3 milhões, correspondente a R$ 0,228164 por ação.

A data de corte será 16 de abril de 2020, passando assim as ações de emissão da companhia a serem negociadas ex-juros sobre o capital próprio a partir de 17 de abril de 2020. Ao preço de R$ 19,16/ação o retorno líquido é de 1,0%.


Randon (RAPT4)
Retorno ao trabalho em Caxias do Sul

O jornal Estado de São Paulo, citando o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), informou que as empresas com unidades em Caxias do Sul voltaram parcialmente às atividades.

  • O jornal cita a Randon entre aquelas empresas com fábrica em Caxias do Sul, que tomando todas as precauções, vão retomar parte de sua produção;
  • Na Randon, desde o dia 23 de março os empregados estiveram em férias coletivas (20 dias). A medida abrangeu as unidades de negócios de Caxias do Sul (RS): Randon Implementos, Randon Veículos, Fras-le, Jost, Master, Suspensys e Castertech;
  • O retorno à produção na Randon é uma boa notícia. Porém, não se espera à volta aos níveis anteriores, dado que os consumidores de autopeças (as montadoras), por exemplo, estão com suas fábricas fechadas. No caso de implementos rodoviários, as restrições à circulação vão limitar as vendas no curto prazo. Segundo os dados da Fenabrave, as vendas de implementos rodoviários em março caíram 19,2%, com uma redução no 1T20 de 5,9%.

Marcopolo (POMO4)
Retorno parcial às operações

A empresa informou ontem, que retomou parcialmente as atividades nas plantas localizadas em Caxias do Sul-RS. As plantas do Rio de Janeiro e Espirito Santo continuam fechadas.

  • No dia 19/abril, a Marcopolo havia comunicado que, a partir de 23/março, suas unidades localizadas no Brasil ficariam em férias coletivas por 20 dias;
  • Este retorno, mesmo parcial, é uma boa notícia para a empresa;
  • Segundos os dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), as vendas de ônibus em março caíram 44,5%, com redução de 21,8% no 1T20.

Embraer (EMBR3)
Acordo com empregados para redução de salário e jornada

A Embraer celebrou acordo com o sindicato dos metalúrgicos de São José dos Campos para levar à votação do plano de preservação dos empregos. Os funcionários farão uma votação online para a decisão final. A proposta prevê a suspensão temporária de contratos de trabalho com ajuda compensatória e a redução de jornada e de salário, com garantia de emprego no retorno ao trabalho.

A empresa busca reduzir o impacto da paralisação das atividades e preservar as condições de seus profissionais.

As ações emergenciais e temporárias sugeridas terão duração entre 60 e 90 dias, e garantia de emprego por quatro meses a partir da assinatura do acordo ou pelo período correspondente ao tempo em que estiver em redução de jornada e salário ou suspensão do contrato, o que for maior. Para os colaboradores em atividades essenciais e trabalho presencial, não haverá alterações na jornada ou salários.

Segundo a empresa, se a proposta for aprovada pelos colaboradores, os profissionais que passarão a desempenhar suas atividades em home office terão redução de 25% da jornada de trabalho pelo período de até 90 dias e a garantia de emprego será por período corresponde ao que o colaborador estiver nessa condição. O acordo prevê também que o grupo de colaboradores que terão suspensão temporária do contrato de trabalho (layoff) por até dois meses receberá garantia de emprego por período correspondente ao que estiverem nessa condição.


 

Se preferir, baixe em PDF:

Ibovespa abre a semana com alta de 1,49%.

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.