A desaceleração na curva de contágio anima as bolsas

MERCADO


Bolsa
O Ibovespa registrou mais um dia de alta (3,09%) aos 76.358 pontos e giro elevado de R$ 26,7 bilhões. A bolsa segue mais sensível ao noticiário externo e comportamento dos preços do petróleo. Os preços descontados e os novos com a desaceleração na curva de contágio, começam a mudar o sentimento de investidores enxergando oportunidades de médio prazo. Hoje, a agenda econômica traz a inflação pelo IPC-S com alta de 0,38% e a 1ª prévia do IGP-M de abril com 1,05% e nos EUA, poucos indicadores, ficando as atenções voltadas para os números do coronavírus e para o mercado de petróleo. Nesta quarta-feira, as bolsas internacionais voltam a cair na Ásia e na zona do euro com novo repique de casos fatais pelo vírus nos EUA, Itália, Espanha, Reino Unido e Bélgica, tudo isso no momento em que já se prepara para a retomada das atividades. Os últimos dados podem voltar a pesar também do lado doméstico, onde seguem as preocupações em relação a pós quarentena.

Câmbio
A moeda americana voltou a ceder ontem, (1,10%) de R$ 5,2821 para R$ 5,2241, com a melhora do humor dos investidores em relação à bolsa, mas as estatísticas mostram que não houve alivio firme nas contaminações e número de mortes, o que pode trazer mais volatilidade aos mercados.

Juros
Em dia mais calmo nos mercados de bolsa e câmbio, os juros futuros voltaram a ceder com a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/22 fechando em 3,210%, de 3,273% na segunda-feira. O DI para jan/27 passou de 7,843% para 7,74%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

 Magazine Luiza (MGLU3)
Medidas importantes para enfrentar a crise atual

O Magalu comunicou ao mercado medidas importantes para enfrentar a crise provocada pela pandemia do Covid-19 focada a manutenção da liquidez, proteção de seus pessoal e corte de salários na alta administração. Ontem a ação MGLU3 encerrou cotada a R$ 40,09 com queda de 15,95 neste ano. (Leia no Boletim)

Comgás (CGAS5)
Conselho aprovou a emissão de notas promissórias de R$ 500 milhões e suspendeu guidance para 2020

O conselho de administração da Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) aprovou a 5ª emissão de notas promissórias comerciais da companhia, no valor total de R$ 500 milhões, em série única. Os papéis terão prazo de 365 dias, com remuneração composta por 100% da taxa DI mais um prêmio de 3,40% ao ano. Os recursos líquidos captados serão utilizados para reforço de caixa e outros fins especificamente destinados para atender aos negócios de gestão ordinária da companhia.

A companhia suspendeu suas projeções financeiras para 2020 (Guidance) tendo em vista a evolução e os impactos gerados pela pandemia do Coronavírus (Covid-19) e o atual contexto de incertezas, em que os cenários mudam rapidamente a cada dia.


Banco do Brasil (BBAS3)
BB limita distribuição de proventos ao mínimo obrigatório

O Banco do Brasil decidiu limitar os dividendos aos acionistas ao limite mínimo obrigatório previsto no estatuto social, de 25% do lucro líquido ajustado. A resolução segue medida anunciada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para manter a liquidez do sistema financeiro durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus.

De acordo com o comunicado, “a medida não implica na redução ou suspensão dos juros dos títulos de dívida emitidos pela instituição e que podem ser incluídos no Nível I de capital”.


CPFL Energia (CPFE3)
Aneel aprova reajuste da CPFL Paulista mas adia repasse tarifário para 30 de junho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiou a vigência do reajuste tarifário da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL Paulista). Os novos valores deveriam vigorar a partir de hoje, 8 de abril, mas a vigência foi suspensa a pedido da própria companhia, como forma de colaborar com o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

O reajuste das tarifas da CPFL Paulista será de 6,05%, sendo 6,72% para consumidores de alta tensão e 5,71% para a baixa tensão, inclusive residenciais. As novas tarifas passam a vigorar a partir de 30 de junho. Os valores que deixarem de ser pagos agora serão repassados às tarifas no processo tarifário de 2021.


Cosan S.A. (CSAN3)
Companhia suspende o Guidance para 2020

A Cosan suspendeu as projeções financeiras para 2020 (Guidance) tendo em vista a evolução e os impactos gerados pela pandemia do Coronavírus (Covid-19) em seus negócios e nos negócios das empresas do grupo e o atual contexto de incertezas, em que os cenários mudam rapidamente a cada dia.

A companhia implementou, desde o início, um plano de contingência visando garantir a preservação da saúde e integridade de seus colaboradores, bem como a segurança e a continuidade das operações essenciais de cada uma das suas empresas, mantendo contato próximo com autoridades, fornecedores, clientes e demais stakeholders. Este plano de contingência vem sendo avaliado a cada dia e atualizado em função da evolução desta pandemia.

A Cosan reitera que segue atenta aos desdobramentos e impactos desta pandemia na economia global e local, buscando identificar riscos e oportunidades e adequando expectativas em função dos cenários que se apresentam. O guidance poderá ser retomado tão logo tenha maior clareza acerca dos possíveis impactos nos  resultados.


Ecorodovias (ECOR3)
Emissão de debêntures

O Conselho de Administração da empresa aprovou a emissão de 205 Notas Comerciais, em quatro séries, com valor unitário de R$ 6 milhões, totalizando R$ 1.230 milhões.

  • As notas terão prazo de vencimento conforme sua série, sendo a primeira para 180 dias, a segunda com 365 dias, a terceira de 540 dias e a quarta com 720 dias;
  • Os recursos serão usados para alongamento da dívida e reforço do caixa.

CCR (CCRO3)
A empresa informou, na noite de ontem, que emitirá R$ 400 milhões em Notas Comerciais com prazo de um ano.

  • A CCR vai destinar os recursos para reforço do caixa;
  • Neste momento de crise, as empresas estão buscando este reforço de caixa. Como exemplo, também ontem, a Ecorodovias anunciou uma emissão do mesmo tipo de título.

Petrobras (PETR4)
Patamar da produção de petróleo em abril e mudança no rating

Pouco antes do pregão de ontem, a empresa divulgou que estabeleceu o patamar de 2,07 milhões de barris para sua produção de petróleo em abril. A Petrobras também informou sobre uma modificação em sua nota de crédito pela S&P.

A Petrobras vai manter um patamar de 2,07 milhões de barris ao dia no Brasil durante este mês. Este nível de produção inclui os cortes já anunciados, que totalizaram a 200 mil barris ao dia;
Após o pregão, a empresa informou que a agência de classificação de risco S&P Global Ratings (S&P), alterou a perspectiva de nota de crédito global da Petrobras de positiva para estável. Foi mantido o rating da dívida corporativa em “BB-“. Este movimento foi o mesmo feito para dívida do Brasil.


Enauta (ENAT3)
Posicionamento na crise e um fraco volume de produção no 1T20

Após o pregão de ontem, a empresa informou que vai manter investimentos e o pagamento de dividendos neste momento de crise.  Além disso, houve a divulgação dos números de produção no 1T20, que foram muito fracos.

  • Mesmo com a crise, a Enauta vai manter seu plano de investimentos para 2020 e 2021, incluindo a perfuração do primeiro poço na Bacia de Sergipe-Alagoas, esperado para o início do ano que vem.  Porém, a empresa está avaliando o cenário de preços do petróleo, para adequar o projeto do Sistema Definitivo do Campo de Atlanta;
  • Os dividendos (R$ 300 milhões – R$ 1,14 por ação), serão deliberados em reunião do Conselho de Administração, que será realizada no dia 16 de abril de 2020;
  • A produção total da Enauta durante o 1T20 foi de 1.552 mil barris equivalentes de petróleo (boe) nos dois campos que opera (Manati e Atlanta) ou 17,1 mil boe ao dia.

 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.