Em mais um dia de forte baixa, o Ibovespa registrou queda de 5,22% aos 63.570 pontos

MERCADO


Bolsa
Mais um dia de forte baixa na B3 com os investidores acompanhando as medidas para mitigar os efeitos do coronavírus na economia brasileira e mundial. Ao final do dia o Ibovespa registrou queda de 5,22% aos 63.570 pontos e giro financeiro de R$ 25,0 bilhões. Em termos de agenda, no Brasil, as Vendas no varejo de janeiro e o índice de Confiança do Consumidor de março da FGV, em 80,2 ante 87,8 da leitura anterior. Nos Estados Unidos o PMI Manufatura EUA Markit de março e as Vendas de casas novas de fevereiro. Começa o período de quarentena por 15 dias em todo o estado de São Paulo. O mercado deve reagir positivamente em linha com o comportamento das bolsas asiáticas, europeias e futuros americanos, que operam em alta, refletindo as notícias de negociação de um amplo pacote de estímulo no Congresso americano.

Câmbio
O dólar voltou a subir nesta segunda-feira, pressionado pelo clima de aversão ao risco provocado pelo coronavírus ao redor do mundo. A moeda chegou a abrir em queda com o anúncio de mais medidas de liquidez pelo Fed e o BCB. Ao final era cotado a R$ 5,1416 com alta de 1,55%, mesmo com leilões à vista pela manhã e à tarde.

Juros
Os juros futuros mais curtos registraram queda, enquanto as taxas longas subiram, após ata do Copom ter sinalizado que o impacto do coronavírus poderia ter levado ao corte de mais de 0,50 pp na semana passada. A liquidez segue fraca, o que favorece a volatilidade. Ontem O Bc anunciou o corte de compulsórios sobre recursos a prazo de 25% para 17%. Ao final o DI Jan 21 caiu de 3,96% para 3,74%, enquanto o DI Jan 25 subiu de 8,25% para 8,65%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Eneva (ENEV3)
Lucro Líquido ajustado de R$ 268,5 milhões no 4T19 acumulando R$ 514,3 milhões em 2019

A companhia registrou no 4T19 um lucro líquido ajustado de R$ 268,5 milhões que se compara ao lucro de R$ 70,7 milhões de igual trimestre do ano anterior, ou 3,8 vezes superior. Um resultado construído a partir do crescimento de 50,1% da receita liquida para R$ 1,11 bilhão e incremento de 49,2% do EBITDA ajustado que somou R$ 464,0 milhões no 4T19. A margem EBITDA ajustada passou de 42,0% no 4T18 para 41,7% no 4T19.

Com esse resultado o lucro líquido ajustado de 2019 alcançou R$ 514,3 milhões, 67,2% superior aos R$ 307,6 milhões de 2018.

Cotada a R$ 29,21/ação (valor de mercado de R$ 9,2 bilhões) a ação ENEV3 registra queda de 33,1% este ano. Nesse preço os múltiplos para 2020 são: P/L de 14,9c e VE/EBITDA de 8,5x. O preço Justo de R$ 36,00/ação aponta para um potencial de alta de 23,2%.

A geração líquida atingiu 4.021 GWh, com despacho de 97% na geração termelétrica. O aumento do despacho das termelétricas impulsionou a produção de gás, que cresceu 138% em relação ao 4T18;

Ao final de dezembro de 2019 Posição de caixa DA COMPANHIA ERA de R$ 1,8 bilhão e alavancagem (dívida líquida/EBITDA) de 2,8x;

A Eneva fez a proposta de combinação de negócios à AES Tietê, ainda em aberto.


WIZ Soluções e Corretagem de Seguros S.A. (WIZS3)
Ex JCP hoje (24/3) e yield de 8,6%

Foi aprovada ontem (23/março) na Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária (AGOE), a destinação do lucro líquido do exercício de 2019, sendo R$ 106,9 milhões retidos para constituição do orçamento de capital da companhia; e R$ 106,9 milhões, equivalente a R$ 0,668806085/ação, a título de dividendo mínimo obrigatório.

Tiveram direito aos dividendos ora declarados o acionista titular de ações até ontem, 23 de março de 2020, sendo que as ações da companhia passam a ser negociadas ex-dividendos a partir do dia de hoje, 24 de março de 2020. O retorno foi de 8,6%.

A primeira parcela dos dividendos, na proporção de 50% (equivalente a R$ 0,334403043/ação), será creditada aos acionistas até maio de 2020. A segunda parcela, na proporção de 50% (de R$ R$ 0,334403043/ação), até novembro de 2020. Os valores creditados não estão sujeitos a atualização monetária ou juros.

 


Ambev (ABEV3)

Retirada das projeções feitas no resultado do 4T19

Após o pregão de ontem, a empresa fez uma breve atualização de seus negócios em tempos de pandemia e retirou projeções.

· A Ambev informou que os efeitos no combate da pandemia do Coronavírus, vem comprometendo sua cadeia de distribuição e vendas;

· Tendo em vista esta rápida mudança no ambiente de negócio, a empresa retirou sua projeção de EBITDA feita para 2020. Nos resultados do 4T19, divulgados no dia 27 de fevereiro, e também em Fato Relevante, a Ambev informou que a empresa continuaria sofrendo pressões de custos no seu negócio de Cerveja Brasil (46,2% da receita consolidada, mas esperava retomar ao crescimento do EBITDA deste segmento (caiu 6,5% em 2019);

· O caixa líquido da Ambev ao final de 2019 era de R$ 8,8 bilhões, valor 20,1% maior que em 2018.


Petrobras Distribuidora (BRDT3)
Situação derivada da pandemia

Ontem, minutos antes do início do pregão, a empresa divulgou seus planos para enfrentar os efeitos da pandemia de Covit-19.

A Petrobras (BR) Distribuidora, já acionou seu Comitê de Crise, que vem buscando agir da melhor forma com outros membros da indústria, órgãos reguladores e governo para se adequar da melhor forma às necessidades do momento.

A empresa ainda afirmou que vislumbra uma desaceleração da atividade econômica, mas não consegue neste momento quantificar os impactos em seus negócios. Porém, a BR está próxima de seus clientes buscando soluções operacionais e financeiras para contornar os desafios do momento.

Liquidez é um ponto fundamental para qualquer empresa no ambiente atual. Ao final do 4T19, a dívida líquida da BR Distribuidora era de R$ 4,4 bilhões, valor 91,0% maior que no trimestre anterior e 87,3% acima do 4T18. A relação dívida líquida/EBITDA do 4T19 foi de 1,4x, vindo de 0,9x no trimestre anterior e 0,8x no 4T18. Ao final do ano passado, o caixa da empresa era de R$ 2,4 bilhões e uma dívida vencível no curto prazo de R$ 4,2 bilhões.

Nos últimos doze meses, BRDT3 caiu 35,1%, pouco mais que a queda do Ibovespa no período de 32,2%.


Vale (VALE3)
Tomada de crédito rotativo e apoio aos fornecedores

A empresa comunicou nesta manhã sua decisão de tomar US$ 5 bilhões de linhas de crédito rotativo. A operação terá vencimentos em junho/2022 (US$ 2 bilhões) e dezembro de 2024 (US$ 3 bilhões).

· A decisão da Vale foi baseada no maior risco para o negócio derivado dos efeitos da Covid-19 na economia mundial. Com isso, a empresa considerou ser prudente garantir mais liquidez para enfrentar os desafios à frente;

· Também nesta manhã, a Vale anunciou medidas de apoio a seus fornecedores, com a antecipação nos próximos dias de R$ 160 milhões de pagamentos para pequenas e médias empresas. Além disso, nos próximos 30 dias a empresa vai reduzir em 85% o prazo de pagamento de serviços e materiais que ainda serão faturados para cerca de 3 mil fornecedores de pequeno e médio porte;

· Classificamos como positivas as preocupações da Vale quanto sua liquidez (que já era muito boa) e também com seus pequenos fornecedores de produtos e serviços.


Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.