Siderurgia – Relatório Setorial

Tudo esteve bem até aqui 

Como a maioria das ações negociadas na B3, os papéis das siderúrgicas tiveram fortes quedas nos últimos dias, em consequência dos temores com os efeitos do Coronavírus na economia. No ano, até a última sexta-feira (20/3), GGBR4 teve um declínio de 53,7%, USIM5 caiu 54,6% e CSNA3 despencou 56,3%. Seguramente, como qualquer empresa, elas vão sofrer fortes contrações nas suas vendas e rentabilidade em consequência da pandemia. Porém, isso deve ocorrer principalmente a partir do 2T20, já que até o momento suas operações estão normais, com a entrega dos produtos ocorrendo de forma costumeira, sem cancelamento de pedidos. Inclusive, no primeiro bimestre/2020 as vendas das siderúrgicas no mercado brasileiro cresceram em todos os segmentos, com destaque para a elevação de 7,7% nos aços planos. Estamos monitorando os desdobramentos da presente crise para reavaliar nossas projeções das siderúrgicas.

Tudo esteve bem até aqui: Consultamos as siderúrgicas sobre seus negócios no momento e descrevemos esta situação abaixo. Uma preocupação fundamental neste ambiente de crise é com a liquidez das empresas. Entre as três grandes siderúrgicas nacionais, apenas a CSN tem uma posição menos confortável, com a Usiminas e a Gerdau apresentando posições de caixa muito superiores às dívidas de curto prazo (vencíveis em 360 dias). Portanto, as siderúrgicas estão aptas a sobreviver a mais uma crise.

CSN: Até última sexta-feira, as operações da empresa estavam normais, tanto na siderurgia, como nos embarques de minério e outros negócios. Em termos de liquidez, ao final de 2019 a empresa tinha um caixa de R$ 2,2 bilhões, com dívidas de curto prazo (vencíveis em 360 dias) de R$ 4,9 bilhões;

Gerdau: As operações da empresa no Brasil e América do Norte seguem normais. Na América do Sul, foram paralisadas as unidades do Peru e Argentina, por determinação governamental. Estas unidades representam menos de 10% da produção consolidada. Em termos de liquidez a Gerdau não tem nenhum problema. Ao final do ano passado, a empresa tinha um caixa de R$ 6,3 bilhões e um total de empréstimos e financiamentos de curto prazo somando R$ 1,4 bilhão;

Usiminas: Na noite da última sexta-feira, a empresa divulgou uma primeira avaliação dos efeitos do surto da Covid-19 em seus negócios. Segundo a Usiminas, até o momento não existe impacto significativo em suas atividades. A renegociação da dívida de 2016, os pré-pagamentos e emissões recentes, juntamente com o grande recebimento de recursos da Eletrobras (R$ 751 milhões) no 4T19, permitiram que a Usiminas alcançasse uma boa situação financeira. Ao final do 4T19, a dívida líquida da empresa era de R$ 3,2 bilhões, menor em 20,9% que no trimestre anterior e 23,3% abaixo do 4T18;

Vendas cresceram: O volume de aço vendido no mercado interno em fevereiro aumentou 3,1%, com elevações nos aços planos (0,9%), longos (5,0%) e também nos semiacabados (30,0%). No bimestre o resultado também foi positivo nas vendas internas em todos os segmentos, com destaque para o crescimento de 7,7% nos planos.

 

Clique para acessar:

 

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.