Mercados seguem reféns da disseminação do Covid-19 e Índices de Atividade de alguns países já refletem os danos da crise

MERCADO


Bolsa
No último pregão de fevereiro o Ibovespa surpreendeu com uma virada em momento de grande tensão nas principais bolsas mundiais. A bolsa chegou a cair no dia, mas fechou em alta de 1,15% aos 104.172 pontos. Assim, fevereiro, encerrou com perda de 8,43%, o pior mês desde maio de 2018, quando o índice cedeu 10,87%. Hoje as bolsas internacionais mostram alta no fechamento na Ásia e volatilidade na zona do euro, com noticiário negativo do lado do vírus e tendo como contraponto os Bancos Centrais buscando compensar perdas com incentivos às suas economias. Contudo, as incertezas continuam dominando os mercados e a semana deverá ser novamente de volatilidade na B3. A agenda econômica traz, além do Boletim Focus, a balança comercial de fev/20 no meio da tarde. Destaque para o relatório com projeções para a economia da zona do euro e nos EUA, indicadores pouco relevantes.

Câmbio
O dólar recuou de R$ 4,4911 na quinta-feira para R$ 4,4720 na sexta-feira (-0,42%) em dia de recuperação do Ibovespa. Não se pode, contudo, enxergar isto como uma tendência. A expectativa é de acomodação da moeda americana em patamar elevado.

Juros
Os juros futuros de curto prazo cederam mais um pouco enquanto a ponta mais longa subiu alta. O movimento foi atribuído a zeragem de posições. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para jan/21 encerrou na mínima de 4,095% de 4,150% ontem no ajuste anterior. O DI para jan/27 passou de 6,571% para 6,63%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Petrobras Distribuidora
Recebimento da Eletrobras

Após o último pregão, a empresa informou que recebeu a 22ª parcela dos Instrumentos de Confissão de Dívida (ICDs) da Eletrobras no valor de R$ 36,9 milhões.
• A Petrobras Distribuidora já recebeu um total de R$ 4.312 milhões desde a assinatura dos ICDs em 2018;
• O recebimento deste valor é uma boa notícia para a empresa, com impacto direto no resultado do 1T20, dado que esta dívida já havia sido inteiramente provisionada.


Via Varejo (VVAR3)
Previsão de crescimento de 10% a 20% na receita consolidada de 2020

A companhia atualizou suas estimativas para 2020 com os seguintes destaques:

  • Receita consolidada total: crescimento entre 10% a 20%;
  • Receita Online Consolidada: Crescimento de Gross Merchandise Value (GMV) faturado nos canais de venda online de 30% ao ano aproximadamente;
  • Margem Ebitda Ajustada (LAJIDA excluindo as outras receitas/despesas operacionais): Crescimento entre 5% e 7%, excluindo os impactos de IFRS 16;
  • Capex: A Companhia estima um orçamento de Capex entre R$ 700 e R$ 800 milhões de reais para o ano de 2020, sujeito à aprovação em Assembleia Geral Ordinária a ser realizada no dia 29 de abril de 2020,
  • Abertura de Lojas: A Companhia estima a abertura de 70 a 90 novas lojas no ano de 2020, também sujeito à aprovação na próxima AGO.

Na sexta-feira a ação VVAR3 encerrou cotada a R$ 13,81 com alta de 23,6% neste ano.


Marisa Lojas (AMAR3)
Pagamento antecipado de R$ 220 milhões de debêntures da 4ª emissão

A companhia explica que o pagamento será feito com usos de recursos provenientes do aumento de capital realizado em dezembro. Na sexta-feira a ação AMAR3 encerrou cotada a R$ 13,72 com alta de 3,3% no ano. Em 2019 a ação subiu 155,9%.


Natura (NTCO3)
Expectativa de capturar sinergias entre US$ 200 milhões e US$ 300 milhões com a Avon

A Natura &co atualizou suas metas de ganho com sinergia com a combinação de negócios com a Avon entre 2020 e 2022. A expectativa é de um intervalo entre US$ 200 milhões e US$ 300 milhões, mas a empresa agora afirma que a maior parte das sinergias será capturada na América Latina. Na sexta-feira a ação NTCO3 encerrou cotada a R$ 45,51 com valorização de 17,7% neste ano e 74,0% em 2019.


Hypera (HYPE3)
Aquisição da Takeda por US$ 825 milhões

A Companhia comunicou ao mercado de acionistas a celebração de contrato com a Takeda Pharmaceutical International AG para aquisição de portfólio de 18 selecionados medicamentos isentos de prescrição (“OTC”) e de prescrição na América Latina pelo preço de USD 825 milhões.
A ação HYPE3 encerrou cotada a R$ 34,30 na sexta-feira, com queda de 3,9% neste ano e alta de apenas 22,4% no ano passado.


Eneva S.A. (ENEV3)
Proposta de Combinação de Negócios com AES Tietê

A Eneva enviou proposta vinculante para combinação de negócios à AES Tietê Energia S.A. (TIET11), nos termos aprovados pelo seu Conselho de Administração em reunião realizada dia 1º de março de 2020.

A Operação compreende uma relação de troca de 0,0461 ações ordinárias de emissão da Eneva para cada ação ordinária ou preferencial de emissão da AES Tietê ou de 0,2305 por UNIT, mais uma parcela em dinheiro total de R$ 2.750.641.308,80, equivalente a R$1,38 por cada ação ordinária ou preferencial ou R$ 6,89 por UNIT.

A relação de troca está sujeita a ajustes nos termos da Proposta, sendo que, a operação objeto da Proposta está sujeita (i) à aprovação pelos acionistas da Companhia e da AES Tietê reunidos em assembleia geral; (ii) à aprovação prévia do CADE; e (iii) à aprovação prévia da ANEEL.

Na sexta-feira (28) a ação ENEV3 estava cotada a R$ 42,75/ação (valor de mercado de R$ 13,5 bilhões e P/VPA de 2,1x) e TIET11 a R$ 15,21/Unit (valor de mercado de R$ 6,0 bilhões e P/VPA de 4,2x).


Santander Brasil (SANB11)
Venda da Superdigital

O Conselho de Administração do Santander Brasil aprovou os principais termos e condições para a venda das ações representativas da totalidade do capital social da sociedade Super Pagamentos e Administração de Meios Eletrônicos S.A. (“Superdigital”), para a Superdigital Holding Company, S.L. sociedade controlada indiretamente pelo Banco Santander S.A., pelo valor de R$ 270 milhões.

De acordo com o comunicado “a Superdigital é uma solução de conta de pagamento digital, adquirida pelo Santander no Brasil em 2016, e que permitiu ao banco ampliar a bancarização da população brasileira, que agora será alavancada pela plataforma digital global do Grupo Santander e expandida para outros países em que o Grupo Santander opera, permitindo a conquista de novos clientes”.


Banco do Brasil (BBAS3)
Ex JCP em 12/03

O Conselho de Administração do Banco do Brasil aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no valor de R$ 517,44 milhões, equivalente a R$ 0,18143341359/ação. Terão direito ao pagamento acionistas na base da empresa em 11 de março, com as ações sendo negociadas “ex” juros a partir do 12 de março de 2020. Com base na cotação de R$ 46,86/ação o retorno líquido é de 0,33%.


IRB-Brasil RE (IRBR3)
Renúncia do Presidente do Conselho de Administração 

Depois de comunicar, em 27 de fevereiro, que não houve pedido de renúncia do atual Presidente do conselho de administração da companhia, o IRB confirma que recebeu, em 28 de fevereiro de 2020, após o fechamento do mercado, a renúncia do Sr. Ivan de Souza Monteiro ao cargo de Presidente do Conselho de Administração da Companhia, para o qual tinha sido eleito pela União, em agosto de 2019.


Siderurgia
Números positivos na produção de laminados em janeiro

Segundo os dados divulgados pelo Instituto Aço Brasil (IABr), a produção de aço bruto em janeiro de 2020 foi de 2,7 milhões de toneladas, 11,1% menor que no mesmo mês do ano passado.  Comparado a dezembro/19, a produção de janeiro/20 foi 10,9% maior.

  • A produção em janeiro, caiu apenas pela redução dos volumes de semiacabados.  Em laminados, ocorreram crescimentos de 7,4% em planos e 0,5% nos longos.  Nos semiacabados (placas, lingotes, blocos e tarugos), a queda na produção total foi de 17,9%;
  • Em janeiro, o total das vendas de aço no mercado interno aumentou 7,2%.  Nos laminados, ocorreu um crescimento de 16,1% no volume vendido de aços planos, mas queda de 2,3% em longos.  A venda de semiacabados teve uma forte contração (22,5%), com destaque para a redução de 33,3% em blocos e tarugos.  Vale lembrar que no ano passado, as vendas totais no mercado interno caíram 2,2%.

Boletim Focus
Nesta semana destaque para a redução da inflação, do PIB e alta do câmbio para 2020 e queda da Selic para 2021. Demais indicadores foram mantidos

Dentre as alterações contidas no Boletim Focus divulgado hoje (02/março), referente a 28 de fevereiro, destaque para a redução do IPCA (9ª consecutiva), redução do PIB (3ª consecutiva), alta da taxa de câmbio (2ª consecutiva), e manutenção para os demais indicadores, tomando por base 2020. Tomando por base 2021 ressalte-se a queda da Meta Selic e manutenção para os demais indicadores.

Destaques do Boletim Focus para 2020:

IPCA: 3,19%;

IPCA (atualização dos últimos 5 dias): 3,20%;

PIB: 2,17%;

Taxa de câmbio: R$ 4,20

Meta Selic: 4,25%


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.