Petrobras Distribuidora – Relatório de Análise

Redução de custos e ampliação da rentabilidade

Revisamos nossas projeções da Petrobras (BR) Distribuidora, já considerando os custos do Programa de Demissão Voluntária (PDV) e os ganhos resultantes dele.  Além disso, ajustamos as expectativas quanto ao ganho de margem advindo das medidas que a empresa está tomando para reduzir custos e despesas, já na sua nova condição de empresa privada.  Com isso, elevamos o Preço Justo de BRDT3 de R$ 31,00 para R$ 36,50/ação.  O resultado do 4T19 já deve apresentar ganhos de margem por conta de um novo posicionamento comercial da empresa, mas será onerado pela maior parte dos custos com o PDV.  Porém, para 2020 a maior parte dos ganhos advindos da redução dos custos com pessoal já será sentido.

  • Resultados do 4T19: Os dados do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), indicam que o volume de vendas da empresa no 4T19 caiu 5%, seja na comparação com o 4T18 ou com o trimestre anterior. Porém, houve no trimestre o benefício do aumento dos preços dos combustíveis, que eleva a receita e traz ganhos de estoques.  Além disso, a Petrobras Distribuidora aumentou importações e com vendas menores privilegiou os mercados de maior margem de retorno.  Com isso, estimamos ganhos significativos na margem operacional.  No entanto, o resultado do período será prejudicado pelos custos derivados do Programa de Demissão Voluntária (PDV), que estimamos em R$ 620 milhões.  Projetamos para o 4T19 uma receita líquida de R$ 24,4 bilhões, EBITDA de R$ 257 milhões (ajustado de R$ 877 milhões) e lucro líquido em R$ 129 milhões.  O EBITDA ajustado é descontado dos custos com o PDV;
  • Programa de Demissão Voluntária: A Petrobras Distribuidora promoveu um PDV, cujo custo ficou próximo de R$ 800 milhões, sendo a maior parte contabilizado no 4T19 e o restante no 1T20. Aderiram 1.187 empregados ao PDV, sendo que o total antes do Programa era de três mil.  Incluído os terceirizados, o total de empregados da empresa era de 5,5 mil pessoas antes do PDV, que deve cair para 3,5 mil até o final de 2020.  As estimativas de redução de custo são de R$ 650 milhões ao ano.  Naturalmente, isso terá um impacto muito positivo nos resultados da empresa.  O valor estimado desta economia anual é equivalente a 27% do EBITDA ajustado que projetamos para 2019;
  • Privatização: Em julho/2019, a Petrobras vendeu 33,75% de sua participação na BR Distribuidora, ficando agora com 37,50% das ações. Foram negociadas 349,5 milhões de ações a R$ 24,50 por unidade, totalizando R$ 8,5 bilhões.  Com isso, a empresa deixou tecnicamente de ser estatal, o que facilita em muito sua administração.  Entre as principais mudanças que a privatização trouxe, temos as seguintes: mais agilidade na venda de ativos, facilidade na realização de parcerias estratégicas, possibilidade do desenvolvimento de uma política de remuneração atrelada aos resultados, revisão em todos os contratos e na compra e contratação de serviços.  Os efeitos da privatização nos resultados da empresa devem ser vistos a partir dos resultados de 2020;
  • Remuneração dos acionistas: A BR tem sido generosa na distribuição de proventos. Referente aos resultados de 2017 e 2018, a empresa pagou um total de R$ 4,2 bilhões (R$ 3,63 por ação).  Este valor foi equivalente a 95% do lucro líquido de cada um dos anos.  O pagamento destes proventos foi feito em boa parte com os recursos recebidos da Eletrobras, mas mesmo com estes pagamentos chegando ao fim, a empresa pretende manter uma taxa de distribuição elevada, próxima da realizada nos anos passados.

Clique para acessar:

DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora.

As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.