Dados fracos na economia doméstica frearam a chance de recuperação da bolsa

MERCADO


Bolsa
A sexta-feira foi de queda para o Ibovespa, (1,11%) marcando 114.381 pontos no fechamento com giro financeiro de R$ 19,7 bilhões. As notícias de aumento dos casos de contaminação com Covid-19 e dados fracos na economia doméstica frearam a chance de recuperação da bolsa. Hoje, o feriado Dia do Presidente nos EUA, a liquidez no deve ficar reduzida, mas o vencimento de opções sobre ações terá destaque na parte da manhã. A agenda econômica mostra o IPC-S com alta de 0,36% e os dados do Boletim Focus. As bolsas da zona do euro operam em alta nesta segunda-feira com noticiário mais fraco e preços das principais commodities em alt petróleo (WTI e Brent) e minério de ferro. A semana deverá ser movimentada pela safra de resultados corporativos de 2019.

Câmbio
Com mais uma intervenção do Banco Central no mercado de câmbio, após seis altas consecutivas, o dólar encerrou a sexta-feira em queda de 1,41% passando de R$ 4,3537 para R$ 4,2921.

Juros
O mercado de juros futuros mostrou queda expressiva nas taxas com o DI para jan/21 fechando em 4,23% de 4,261% na quinta-feira e para jan/27 a taxa passou de 6,441% para 6,33%.


ANÁLISE DE SETORES E EMPRESAS

Cosan S.A. (CSAN3)

Bom resultado no 4T19 e de 2019

A Cosan reportou seus resultados referentes ao 4º trimestre de 2019 acima do esperado, e ao exercício de 2019. Conforme destacado pela companhia, em 2019 foram criadas as condições para uma retomada do crescimento da economia. As operações registraram melhora gradual da demanda por combustíveis e melhores preços do açúcar e etanol, junto com a retomada da estabilidade regulatória no segmento de gás natural e expansão das operações de lubrificantes.
A Cosan disponibilizou o Guidance para 2020 com destaque para o EBITDA consolidado proforma entre R$ 5,9 bilhões e R$ 6,4 bilhões e que se compara a R$ 5,625 bilhões de 2019. Nesse contexto a companhia apresentou expansão nas principais linhas do consolidado em 2019.
Cosan S.A. Em base consolidada “proforma” a receita líquida da companhia no 4T19 cresceu 13% (em 12m) para R$ 19,4 bilhões. O EBITDA ajustado proforma alcançou R$ 1,4 bilhão (-7%) no trimestre, suportado principalmente pela expansão dos resultados da Comgás, Raízen Combustíveis e da Moove.
O lucro líquido somou R$ 793 milhões, com queda de 40% e em base ajustada totalizou R$ 392 milhões e redução de 46% ante o 4T18. A geração de caixa operacional expandiu para R$ 2,4 bilhão e a alavancagem proforma, normalizada pela Conta Corrente Regulatória da Comgás e pelos efeitos de arrendamentos (IFRS 16) encerrou o 4T19 em 2,0x (ante 2,1x do 4T18) para uma dívida líquida de R$ 13,2 bilhões.
No acumulado de 2019 o lucro líquido ajustado cresceu 23% para R$ 1,6 bilhão, refletindo a alta de 22% da Receita Líquida para R$ 73,0 bilhões e o incremento de 12% no EBITDA ajustado para R$ 5,6 bilhões. Os investimentos foram de R$ 802 milhões no 4T19 acumulando R$ 3,1 bilhões em 2019.


Taesa (TAEE11)
Concluída a aquisição da SJT e SPT

A Taesa concluiu na sexta-feira (14/fevereiro) a aquisição de 100% das Ações SJT e SPT, por meio do pagamento do valor total de R$ 753,2 milhões, nos termos previstos no Contrato, após o cumprimento das condições suspensivas aplicáveis.
Foram adquiridas 100% das ações representativas do capital total da São João Transmissora de Energia S.A. (“SJT”) e da São Pedro Transmissora de Energia S.A. (“SPT”); e 51% das ações representativas do capital total da Triangulo Mineiro Transmissora de Energia S.A. (“TMT”) e da Vale do São Bartolomeu Transmissora de Energia S.A. (“VSB”).
Adicionalmente, a companhia celebrou o Aditivo ao Contrato, por meio do qual, houve a necessidade de renegociação de certos termos e condições, bem como a ampliação de indenizações e garantias, previstos no Contrato original, a fim de neutralizar possíveis contingências surgidas após a sua assinatura.
Cabe destacar ainda a constituição de contas garantias que totalizam R$ 99,0 milhões, suficientes para fazer frente ao volume de contingencias que podem se materializar após o fechamento do processo de aquisição das Ações SJT e SPT, assim como, para assegurar o recebimento de todos os valores descontados pela Aneel.


Boletim Focus
Nesta semana destaque para a redução da inflação e PIB para 2020 e alta do câmbio para 2021. Demais indicadores foram mantidos.

Inflação. Olhando o Boletim Focus desta semana, a mediana das expectativas aponta para um IPCA de 2020 em 3,22%, com queda em relação a 3,25% da leitura anterior. Imaginamos que esta sétima redução consecutiva esteja em linha com a divulgação do IPCA de janeiro de 2020, com inflação de 0,21% desacelerando ante 1,15% de dez/19 e acumulando alta de 4,19% nos últimos doze meses. Já nas atualizações dos últimos 5 dias úteis, o IPCA subiu de 3,21% para 3,22% (em linha com o indicador estimado para 2020. Para 2021 a mediana das estimativas para o IPCA foi mantida em 3,75%.

Meta Selic. Após a redução da taxa básica de 4,50% para 4,25% em linha com o esperado pelo mercado, e a sinalização do fim do ciclo, a autoridade monetária entende que o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária. O Copom destacou que os dados de atividade econômica divulgados desde a reunião anterior indicam a continuidade do processo de recuperação gradual da economia brasileira, e que a inflação está dentro da meta em horizonte relevante. Desta maneira, considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o Copom vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária.

O Comitê enfatiza que seus próximos passos continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação, com peso crescente para o ano-calendário de 2021. Nesse contexto a expectativa para a Selic em 2020 foi mantida em 4,25% pela 3ª vez consecutiva. Para 2021 a Meta Selic foi mantida em 6,00%.

PIB. O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, considerado uma “prévia” do resultado do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado na sexta-feira (14/fev) apontou um crescimento de 0,89% para a economia brasileira em 2019, abaixo de 1,12% esperados. Nesse contexto, a mediana das estimativas foi reduzida de 2,30% para 2,23% para 2020 e mantida em 2,50% para 2021. O PIB de 2019 será divulgado pelo IBGE em 4 de março de 2020.


Carrefour Brasil (CRFB3)
Aquisição de 30 lojas do Makro por R$ 1,95 bilhão

O grupo francês Carrefour anunciou a aquisição de 30 lojas do atacadista Makro por R$ 1,95 bilhão. (das quais, 22 são próprias e 8 alugadas e 14 postos de combustíveis operados pelo Makro, localizados em 17 estados brasileiros. As lojas estão localizadas nos estados do Rio de Janeiro, Paraná, Goiás, Bahia, Pernambuco, Ceará, Mato Grosso, Alagoas, Santa Catarina, Pará, Amazonas, Piauí, Sergipe, Rio Grande do Sul, Paraíba, Tocantins e Distrito Federal.
Baseado no modelo do Atacadão, o Grupo Carrefour Brasil espera que as vendas aumentem em mais de 60% e que a estrutura de custos seja otimizada, possibilitando o alcance gradual de níveis de rentabilidade similares aos existentes nas lojas atuais.
A ação CRFB3 encerrou a semana cotada a R$ 21,65 com queda de 7,3% no ano. Em 2019 a ação valorizou 30,7%.


BRMalls (BRML3
Aquisição de 38,4% da área bruta locável (ABL) total do Shopping Piracicaba por R$ 202,3 milhões

A BRMalls adquiriu uma fração adicional de 38,4% da área bruta locável (ABL) total do Shopping Piracicaba. Com a operação, a participação da empresa no shopping chegou a 75,3%. De acordo com a empresa, o valor foi de R$ 202,3 milhões, pagos à vista.

Na sexta-feira a ação BRML3 encerrou cotada a R$ 18,08 com alta de 0,1% no ano.


Telefônica Brasil (VIVT4)
Aprovação de JCP no valor de R$ 0,1499 por ação ON e de R$ 0,1649 por ação PN, totalizando R$ 270 milhões

A ação VIVT3 encerrou a sexta-feira cotada a R$ 52,86 e a VIVT4 fechou a R$ 58,42. Com base nestas cotações, o retorno para os acionistas será de 0,28% para as ON e de 0,28% também para a PN.


EZtec (EZTC3)
Lançamento de dois novos empreendimentos em São Paulo com VGV de R$ 415,8 milhões 

Na sexta-feira a Eztec lanços dois novos empreendimentos na cidade de São Paulo, que somados têm um VGV (Valor Geral de Vendas) de R$ 415,8 milhões. Um deles, o Air Brooklin Residences, (Zona Sul de São Paulo), já vendeu 339 das 663 unidades residenciais. Neste empreendimento são 663 unidades residenciais no padrão smart living e 6 unidades loja, com VGV total de R$ 364,6 milhões. A previsão de entrega é de dezembro de 2023.
Em 2019 a Eztec cumpriu sua meta de lançamentos e revisou para cima o guidance para este ano com a expectativa de lançamentos entre R$ 2,0 bilhões a R$ 2,5 bilhões sem considerar as torres corporativas.
A ação EZTC3 encerrou a sexta-feira cotada a R$ 51,40 com queda de 1,0% no ano. No ano passado a ação subiu 152,4%.


 

Se preferir, baixe em PDF:

 

 

Análises Gráficas >>> 


DISCLAIMER
Este relatório foi preparado pela Planner Corretora e está sendo fornecido exclusivamente com o objetivo de informar. As informações, opiniões, estimativas e projeções referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças como resultado de alterações nas condições de mercado, sem aviso prévio. As informações utilizadas neste relatório foram obtidas das companhias analisadas e de fontes públicas, que acreditamos confiáveis e de boa fé. Contudo, não foram independentemente conferidas e nenhuma garantia, expressa ou implícita, é dada sobre sua exatidão. Nenhuma parte deste relatório pode ser copiada ou redistribuída sem prévio consentimento da Planner Corretora de Valores. O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Planner Corretora. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 21 da Instrução CVM 598/18: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Planner Corretora e demais empresas do Grupo.